<%BANNER%>

UFLAC



Rebate
ALL ISSUES CITATION THUMBNAILS DOWNLOADS PAGE IMAGE ZOOMABLE
Full Citation
STANDARD VIEW MARC VIEW
Permanent Link: http://ufdc.ufl.edu/AA00001672/00070
 Material Information
Title: Rebate
Physical Description: Newspaper
Language: Portuguese
Creator: unknown
Creation Date: February 12, 1911
 Subjects
Genre: newspaper   ( sobekcm )
 Notes
General Note: Newspaper issues from the personal collection of Pe. Cicero Coutinho, Juazeiro do Norte, featuring articles on Padre Cicero.
 Record Information
Source Institution: University of Florida
Holding Location: UF Latin American Collections
Rights Management: All rights reserved by the source institution.
System ID: AA00001672:00070

Downloads

This item has the following downloads:

( BRIDGECACHE )

( BRIDGECACHET )


Full Text






























-_________________. I__ I_ _ '_ "" ._ I_ I I II III__II__IIII


LXXIX


Antes de darmos, por ordemr
da familiar do Padre Joaquim del
Alencar Peixoto, a competentei
resposta ao sr. Souza Carvalho,
negociante eiY Fortaleza, expli-j
caremos o recado recebido, afirn
de que o public e as auctorida-'
des do Estado saibam da attitu-
de do pae d'isse acanalhado Tu-I
biba, que e a mesma do nao me-j
nos acanalbado chefe da Crato e'
,da corja infame que o cerca e o!
ajuda na pratica das miserias, e!
nio ignore, nem extranhemn,aoi
mesmo tempo, si chegar a reali-1
qarv-fsaf oqu o-tal reca-)
do. envolve, a consequencia...
Eis o recado:
Seguindo para capital, a ne-
gocios commerciaes, o sr. Joao
Francisco Gonsalves, conbecido
por UJodo de Gangas, hlvara u-
ma certa quantia de nao sabe-
mos quem p tra pagamento ao'
sr. Souza Carva)ho.
Accontece que este ao saber
que aquelle era resident aqui
n'esta localidade, externara-se'
do seguinte modo:
Como vae aquelle diabo
do Padre Peixoto ?... Di-
ga-lhe que sielle pesa queI
men filho e o que llie maL-
don cortir a orelba, esteja
enganado!
E depois de outras muitas to-I
lices dissera:
Diga a esse Padre Pei-
xoto que elle leva balla
n'estes dias, li mesmo !!!...


contormando O esse stoicismo
de seu parente,aibosso Redactor-
Chefe, esti diS ltaa'A vingar
The a sua morceo m come a de
seu irmao Jesusaw Peixoto, ecaso
nao seja tamubem ura palhaoada
do sr. Souza Carvalho que, para
maelhor dizermrn, nao sabem )s
que apito toca .
Esse senhQr, com semelhante
recado amea "'r ao nosso Re-
da- o--Chefe, demonstra que tern
tanto juizo quanto o filho...
Serh mnito mnis convenient
qne, em vez deiquerer se better
n',ssa camisa de onze varas, re-
tire o intame do sea filho do
meio onde ten: tintos inimigos,
pelosfuchtcos qne tem.rn fito, ja
que nAo soube, nem sabe dar-lhe,
a precisa educate.
Pensa o ar. iouza Carvalho
q ue, mandanda. assassinar ao
a4dpD 2eV -onforme ga-
rantiu ao sr. Joto' Francisco, fi-
ca palitando os dentes, de maos
nos bols.s en se escriptorio, em
Fortaleza?
Nao !... si isso accontecer, po-
de ficar certo de que morrerd, a-
hi mesmo, come o coronel Laba-
tu, em plena luz do dia, carcado
le que garantias f6r...
0 Padre Peixoto nato umr
cao sew done, nemr o acanalhado
chete do Orato, antonio, luis, o
LADRAO das joias do sr. Jos4
Belem, tern elements para ga-
rantil-o...
EstA, portannto aberta a lucta
pessoal no terrdno mais escabro-
so que pode haver.
E ella resume-se no seguinte :
a morte de quaiquer dos mem-
bros da familiar Peixoto, impli.
cara a dos responsaveis e cou-res-
ponsaveis... dd isso agora no que
ddr!
Eis, finalmerite, a resoluq~o
tomada por essa familiar em vista
da ameaea recebida, conforme a
communicaano a n6s feita, que
publicamos tal qual nos foi diri-
gida !...


oQE 400 VERL-A


JADAS, CANALHAS !!


0 infame ,Gallinha d'agoav;
Zr7a Figueiredo,o derrabado ca-
chorro chicoteado do safardana
Coronel aMata Vaccap, sempre
mentiroso e miseravel para fazer
jus a migalha do sessenta mil re-
is que mensalmente este Ihe dA
dos cofres municipaes do Crato,
nao podendo absohitamente ne-_
gar as surras levadas por alguns
dos membra6 illastres por n6s jAi
citados, inclusive o Chico espa-
vento, vem relembrar um iact,-..


que sempre usou, sobre a attitu-
de seria e .decidida que assumira'
deaute de semelhante ameaga.
E para que o publ:co o as au-
etoridades tenham sciencia, coum-
munica-no.; que o quelhe resolvera
escrever,mandarA transcrever nas
coluninas d'este journal no proxi-
mo uumero.
Eis ahi a prova inconteste do
quanto temos affirmado!
N6s jA tinhamos sido informa-
dos de qne o canalha e aszassino
autonwio 1 em con lato com os
steus chupa caldos,jA tinha assen-
tid.3 ashassiiir o 0*os..o fmRedac-
tor-Chefe e o sen irmao Jesus
de Alencar Peixoto...
Quanto A sede, que tern n'a-
quelle,estamos convencid desde o anno atrazado que mise-
ravelmente conchavam; quanto.
porem. a este, Jesus Peixoto,
convencemo-nos ultimamente pe-
las informaqoes de pessOas ido-
neas que estao A par do que o
Tubiba concertara corn alguns
mo-os do tiro cratense.
E porque alguns amigoe, inte-
ressando-se por essas vidas por
elles ameaeadas, aconselharam A
familiar Alencar Peixoto qfie fi-
zLsse retirar do Crato o referido
Jesus e se retirasse tambem d'a-
quella localidade, ella, a familiar
Peixoto resolve e declara nao
abandonar absolutamente a terra
onde foi nada e creada e onde ha
de mnorrer, porque esses typos da
laia de antonio luis,canalhas que
nao mais podem corn uma gata


O nosso Redactor-Chefe tem pelo rabo, querem assassinar aois
sorrido bastante a custa d'esse de seus membros..
nababesco recado; e por isso mues- Assim, resolvendo ahi estar;no
io, ja telegraphou ao sr. Souza Crato, sem temer ties arrega-
Garvalho, communicando-the ji nhos, e prompt e disposta, para,
ter recebido o recado ameagadorj em caso de realisar-se o plano on
e estar sciente e esperando os ti- mesmo a tentative, a menor ag.
ros promettidos... gressao, emfim, mostrar A esses
Eis o telegramma : covardes assassinos como se vin-
Souza ga a more on a tentative de mor-
te d'esses parents p3r elles con-
Fortaleza demnados.
Recibi o recado de ame- E, quando menos se esperava,
aqa que sr. mandou pelo chega ao conbecimento da fami-
sr. Joao Francisco Gonsal- lia Peixoto o tal recado, ora en-
ves. viado pelo sr. Souza Carvalho,
Estm sciente. pae d'esse safadinho dr. Tubiba,
Padre Joaquim de Alencar so nosso Redactor-chefe.
Peixoto. Elle, o Padre Peixoto, altivo e
nobre, como sempre o foi, corn
A familiar, porem, de nosso toda a coragenm de home -de
Redactor-Chete, resolvera escre- dignidade, estd disposto a morrer
ver ao pae do gar.,to bufao e sa- em consequencia de qualquer
fadinho Tubiba, orientando-o que seja a causa; mnas, a sua fa-
com a franquesa costumada e de milia, muito ao contrario, nao soe


que para-;n6s e completamente
desconhecido, pois o que nos
consta a respeito e muito diffe-
rente, conforme relataremos.
Entende-a esse chupa caldo
de fagoula empapugada que corn
isso negava as bordoados quo o
encarangado e desgragado pa-
trAo e parents levaram etn b6a
hora no cjstado.
A Mas relatemo! o facto:
Francisso Peixoto era o nome
d'um irmao legitimo de nosso
Redactor-Chefe, que desde ten-
ra t:daJe revelou--.e iucorreiivel,
a despeito de conselhos e de ca-
stigos que Ihe foram infrigidos
pelas travessuras commettidas.
Attingii.do a edade de quatcr-'
ze annos mais ou menos e sem-
pre rebelde A correcgqo, seu pae
home severe e que era aponta-
do n'aquel!a localidade (do Cra-
to) como um verdadeiro pae de
fa~Milia pda educagAo austera
que sabia dar aos seus filhos,
tendo exgotado todos os meios
de fazer do Francisco um homemn
de bem, como desejava, resolve-
ra recolhel-o a cadeia, como (o
fez, affrontando, com-. affrontou
as censuras de amigos e paren-
tes.


Catando e frldo


9


(12 fevereiro t911)

Chegon 0 Tabi-
ba... e, d'(n1i
q uer..qu0 s.a,
pouacA ios impor-
ta. Chegou! ER'a,
meninada I t- -
Ihe o chiquera-
dor... toca!...


L5 chegon, chegonu chegon
0 grande doctor Tubibat!
Rabiseador afamado,
Consciemnia apodrecida,
Seguro azilo onde o crime
Encontra sempre guarida!

E'ta pan!! chegou o bicho,
Farejador de latrina,
Persegnidt r de creada,
Bebedor de mariquinha,
Amassador de baralho,
Typo safado de esquina.

He?,deiro de Ze Marrocos.
Sem vergonha, fuehiqueiro,
Gatuno, ladrao de ausentes,
qovard-, mexeriqueiro;
Pog La p de viola


Ainda assim, depois de liberto flagiador de Junqueiro.
da prisao, continuara o rapasote
sempre incorrogivel. Chego, chgo, meninada!
Aggravando se de mais a mais Tabiba o grande ddutor I
Aggravando se de mais a mais Cerca de press o bichinho,
os padecimentos do pae de nosso Toca-lhe o chiquerador!
Redactor-C hefe a ponto de deter Quero ver p lar na peia
minar-lhe a more, este, o Padre 0 grande escrevinhador!
Peixoto, como irmao mais velho,
no sentido de ver si o corregia, E, Tabiba, to damnado
mandou-o para Fortaleza, afim Mordendo o beiqo, tinindo,
e r Pulando no n6 dapeia
de assentar p.'zua na tropa de Com tuajaqueta abrindo
linha. Has de ver'me d'umabanda
Era, entho, Commandante do Pulando, cantando e rindo...
district military o faUecido Ge-
neral Arthur Oscar que, scienti- Jose Ferreira
ficado da conduct do Francisco,
nao hesitou em attender ao pe-
dido de inuclusdo no exercito.
Mas, alguns membros da fa- senhora para guardar, como ob-
milia Alenear Peixoto residents jecto seu mesmo, umsn on mais
na Capital, no conhecendo bem Joias, e ella nao querendo accei-
quanto era incorregivel o meni- tal-a, interrogo4-o,F finterrogan-
no, compadecidos se opposeram do-o, tudo Ihe -ttTessara) muito
ao assentamento de praga no creanqa, de 17 annos apenas,
exercito, preferindo-o no Bata- contentara-:eem exprobar o pro-
lhdo de Policia, o que, emfim,. cedimento de seus commanda-
conseguiram. .dos, nao os denunciando como
De praga rapidamente foi pro. Ihe cumnpria.
movido a sarjento. Queixando-se o portuqu3Z o
Sendo designado um dia para chefe de policia do furto que
commander a patrulha do poli- sofrera, faram todos as pragas
ciamento da Capital, A noite, que constituiam a patrulha,inclu-
succedeu que., afastando-se dos sive o Francisco, press
companheiros para tomar caf6 Eis o fact tal qual se dera,
on para outio qualquer fim, estes wegundo nos consta.
turtaram A urna ctsa, joias, per- j.sse castigo, porem, de 400
tencente A um portuquez. vergastedas, como affirmam es-
Elle, a Francisco, depots que ses morpheticos do Correij do
voltara a sua casa de residencia, Cariryi,para n6s desconhecido,
send informado por sua mufher visto como nao nos con:,ta que
do que se dera (pois urn do sol- fno Batalhao de policia de nosso
dados tendo ido pedir a essa Estado d'elle se use.


4-


rn-I


a *



1~;
I
S


* ,


RESPOSTA


ao recado Iatdado pto sr. Souza CarValib, pat do
tal ?ATF 1RAIL T lSI ae uosso Redactor
Cheft, o Padre Joapi det Alencar Peixoto


I I r -


12 DE FEVER'IRO DE11911.


CEARA-BRAZIL * DOMINGO,


t


ANNO-II. NUM.


#


11




.% ME-


1x


... REBATE

dor de un modoclaro quo importaciqta e devia. cssatal carta poduto
Sde"viar"ado.. Eis, em poicag3 palavras sin famia e miserias desses desgra-
terreno em que a collocaram. gelas, o reconto d'essp facto es- ados escrivinha-ores.
Ouando, aiada illudido, espe- iI A A candaloso queacaba d.3 dar-se... NAo essa immunda escriptu-
rava que os redactores do "Cor Eil-o ahi! ragdo ndo partiu absolutamente
reio do Cariry" acceitasseit o E' mais uai:na infamin addida d'aqui; partiu cVelles; e obra
campo mais nobre para a lucta, 'D'entre a estei'a de factos uin tmpo correr o boato de qne s infamias em pilhas ja arnon- exclusivamente dressess infames
publicaram o artig3 "Joaz-iro de qual mais dogradante qu- de lassim procedia porque os srs. dr. toada- por esse podricalho chefe calumniadores cavardes.
agua abaixo ou combats ao em- presented palpitam na ciddoe do ijJoo B.-zerra e coronel Teixeira. do Crato; mais uima miseria a Aqui no Joazeiro' nao h ,
buste," no qual, como se fosse Crato, comprovando esnagado.-queriamassssini-o... entrar paraao grupo das miseri- merci de Deus, uma s6 alma
n'um pelottrinho, retalharam a ramente o requinte da miseria., Tendo conhecimento de que ase vilanias sam conta pratica- que, se medindo pela bitola
dignidade do ven.ra'io Padre moral do typo mais infame qne o t tl rva achava-se n'aque, das por esse bandido sem quali- d'esses canibaes, sui generis, se-
Ci aero existed no Gariry,-antonio ltis la vill~ zera envia- ficatao: e wais umna iniquidade ja capaz de tao grande iniquida-
Fo: para mim a mnuAor Jas halves pequeno, o ch'-fe por da- re para W, LandimiI as tanta3 e tao grandes iniqui- pe.
desillu?.oes !... mais abandalhado d'aquello mu- com pi u nte para dades d'e.se verdadeirarmeute N- !
Devo ma-i adiantar que para nicipio, citaremos, commentando, cobrar judici lmnente a Importan- DEGENERADO, o maior re- Essa tal carta, nao ha negar,,
me conveyer m de quo s-Jiajm o qne acaba de, escandalosanimn- cia que era de tres'eatoa mil rdis. presentante, que ja conhecemos bra d'elles, como aquelle tele-.
que era -u o author, disserar : te, dar-se por order d'esqe g,- Cliogaindo em Santanna o sr. n'esta altura, da eschola do fa- gramma passado aos 2 de janei-
Mari, 'o Magno, psetdomytmo que fenco animal bpoede que, ntao sa- Nizario, e ao tractor alli da co- moso Onan; 6 mais urma procaci- ro, da capital para o Cetama,co-
encobre o none de unf actltac- tisfeito c',mn sia )prpria ruina, branga. em juiso, da mencionada dade a cnlhar a lata ji tao cal- mc aquelle outro passado aos 6
tivo iUstre... procura a todo o transe arrninar quanti-, eis que o illustre chete ada de torpesas e infamias d'es- do mesmo mez, dc Fortaleza pa-
Convenci-me, por'anto, de ainda a-s poucos amigos que o do respective municipio. coroner se canibal. ra o Padre Cicero, sem assign:-
que o meu illustre contendor on cercam... Roque de Alencar, recebora do E sobre ser esse facto escan- tura, como aquella carta outra
quem quer que seja. queria tao 0 fact, de quo vamos oc'u- descarado e desavergonhado che- dalosa mrnis uma infAmia, mais estampada no Curreio de 11 co
somernte insultar, injuriando e par. eil-o ahi feo pltrao do Crato,-o tal cara uma miseria, mais uma iniqui- referido. mez. sobt o pseudonymo
calumniando ao Padre Cicero. Ghegando ao Crato, vindo do dc-scabellada demacaco de cheiro, lade. mais uma procacidaded'es- de Misael;(que nos informam ser
Em vista d'isso. amigo do ve- Amnaznas,um in,livi.-iio de name i ladrao da maior parte das joias se ;mfserabilissimo antonio m'- o tal do pti-fisinho, o dr. Tubi.
nerando sacerdote comeo sou. e Joao Felix de Moranes, conheci- da fnniflia do sr. Jose Belem de nhoca, foi mais uma desmorali- ba), coma tudo o mais, finalmen-
convencido da inmjstiga contra do vulgarmente por Joao Tava- Figueiredo, e o Mata Vacca, as- safao, si e que o desgraado te, que tem sahido a luz n'csses
cile feita, resolvi assumir pesso- res, e adoeceado n'aquelta toca- siti c.nhecido no Ara,*ipe,-esse d'esse chefe cntruco d. Crato, ultimos numerous da mencionada
almente a responsabilidade d lidade, convidara ao sr. dr. Joao antonio luiz, avisando que o sr. ainda possa ser desmoralisado. folha.
sua defeza. subscrevendo os me- Bezerra 6 dispensar-lhe os seus Nazario, acompanhado de canga- Sim! certa, si na, o d a con- E',inda uma vez,d obra d'esses
ius artrgos e convidando -to cuidados medicos, ao que prom- cairos, para alli tinha seguido a digao hypothetina, foi mais umna des-carados e sem vergonha; pro-
meu illustre contender a pro- ptamente attendera, iniciando 1o- tim ide assassinar e roubar ao desmoralisagao, mas urma des- duziun'a a secregao da bilis e
ceder do memo modo. g, o competente tratamento. homem!! .. moralisacao em cheio : trium- nao do cerebro d'essesjornalitas'
Quem nao veri n'este meu Em comeqo de sua convales- 0 coroner Roque cahiu, po. phou em Santanna a iustiga qnen machi;ba.s, emp eitairo; contra a
modo de praceder a pureza da cenga, succedeu qua o referid,,i rrn, das nuvens com o mais que por certo triumpharia tambem honra, assalariados, (comro a tl
intengao quanto ao esforio em clinic fosse charmado as pressas formal e esmagador desmentido no Crato! Zuza Galtinha d'agoa, que est*i
pregado pa'a terminal a conti- para tractar d'um enfermo em a tamianha mentira e por egual E por aqiti apostropbando: percebendo sessenta mil reis
nuag o dos palavreados de rua Varzea Alegre. infamia d'esse mentiroso e infa- Monstro tu qne nau poupas riensaes). por esse cacique estu-
em uma discus-ao serial pela im-1 N'esse interim, M victim o mn que, ;'m sua febre querquera em tuas intaniias, noin sequer pido,pervcrso e safado-antonto
prensa, e a minhl convicqao, ital home d'unia leve recahi- de injuriar, difamar, calumniar, aos teus proprios parents; mons- lu'z peqeio.
que e a de todos, sobre a supe- da; porque achava-se ausente nemI sequer poupa aos seus pro- tro abominavel tu que nao sa- Comrn o mchanismo d'esses ex-
rioridace moral do sacerdote n'aquella vitl, o medico assisten- prios parents bes <(medir a grandesao de tEus pedienuts t5o chapa. como coni
que defend e a quem nao at- te, t6ra convidado urn outro fa- Desmentido mais que formal crimes e de tuas safadesas; mons- esses taes de sermnes encommen-
tmngirao os labdos difir-Y cnte cuitativo d'aqaella cidade. e'esniagadtes'se,m eficfivanmea- 'tro informed tu que nao subes dados, ji estamos de ha muito
tao maliciosamente atirados ? De volta de Varzea Alegre, te; porquanto ao receber o coro- capesar a kilagem de ten cynis- acosri-mados.
Entretanto, o (Correio do Ca- nude pouco se demorara, o sr. nel Roque tal carta, o sr. Nazario mo> inconfrontavel. inconfundi- E, como n6s, ninguem mais
riryu, apezar do in-u illustre dr. Joao B 'zerra procurou, como Landim achava se em presenga vel, singularissim>, unico! mons- ignore n'esta altura takes gatim'.
contender. mesmo occultando o the cu upri-i de direito, cobrar a -desse prestimoso chefe politi- tro asqueroso! procura mons- nhas e mogangas d'%-sses takes
seu nome, sustentar a discussion, importancia do tratamento por co e das demais autoridades da tro, long d'essa terra, um tre- gancares de protervias e virulen-
em terreno falso, verlade, ell feito. terra, desarmado, sem am s6 mendal onde possas ac tbar do cias e torpezas, tao dignos d'esse
continuou em outros artigos a a- 0 doente, enta ) aconselhado companheiro de viagem que o dissolver-te, qne o povo por mais e.trofen.qadn chefe moma na e-
tacar, de modo insolito a, xene- pelo reprobo e picaro e descarado tivesse acompanhado ate aquel- tempo nao to poderd supporter a gita-antoa o lahz canella pre-
rando Padre, empregando ter- d'esse erma!iunbado chefe bar- la villa, A procederjudicialmente podridao... ta...
mos indecentes e expresses balhoste e pl:.a quadrilba, que o a cobranqa. Certeza moral, temol-o, por-
sordidas. cerca, de infamnes e ladroes, co- 0 sr. Nazario felizmente ficou tanto, de que os que leram tao
Nao posso reconhecer serie- mo elle, recusaira-se formalmente agora sabendo de quanta per- pornographic carta convence-
dade em semelhante procedi- a pagar ao medico, desrespeitan- versidade e safadesa e capaz es- D A flDA 0IiU i A 10 ram-se de mais uma miseria
mento. do-o com insults e injuriosos e- se patife, esse canalha, o gutenzo til U. lUi I 1 'd'esses miseraveis.
Ja que abortei tal assumpto.po pithetos atd... de ladrao, e alle- d'esse cachorro estomeado e la- I E nao poderao deixar de, as
derei dizer : si o Cariry, repugnava esse terreno assim o fazer,n) para miseravel- Oxala que os galhoupitos que Quanta mais, de esforCos, se clamor: foi, com effeito, mas uma
que reprovo, resolvendo entr2r mente assim proceder... vivem das sobras que lhes deita retezam esses mataces do a Cor- charreia dresses sem vergonha
na lucta, nao deveria tergar as Em vista d'esse canalhismo esse magro cachorro rabugento, reio do Cariry>, por, covarde-
armas que diz condemnar; deve- qne tao grand canalha cc'ncer- se convenqa.n tambem, com o mente, encavouarent as suas mi-
ria, muitc ao contrario, chamar a tara corn o tal Joao Tavares, e sr. Nazario, das iniquidades e mi- series, as sus safadesas sem E PARA QUE M IS?
"onumoro, inais etles se trahem
questao para o terreno serio, por este mandara p6r em pratica, series d'esse manequim e ser nuiseravelmente.
como eu fiz. o coroner Teixeira, consta-nos, vergonha. e reunides corn esse mseavelment
Si'assim o tivesse feito e Rebates continuasse a uzar da commodagao dirigira-se 4i casa q6a e pragueja-6, deem um pon- mehanl a esse pequeno ani- T D T
mesa linguagem, fugindo do em qne se achava hospedado o tap6 nos quartos cherelos d'esse mal, vulgo maria tacaca, dao CARTAS DO GRATO
terreno, eu seria o prime'ro, de tal paruara. bichar6co e o atirem para bem semppre onde quer que se achem,
accord cam a minha dignidade, Este, em chegando o referido long d'essa terra, afim d.,, aca- e par onde quer que passom. si- V
a concordar cam o meu illustre colonel, tambe, e ano qne nos bando de apodrecer ahi, nao em- gna bem evident de si mesmos.
contender; mas, d'esde que as- consta, o insultara, repebtndo o pestar a sociedade, prestes a ser Er1 vao, pois, e que esss fa- yr.Wl8C-f- 9t 0'tilbate
sim nao o fez, tendo-se porem mesmo palavreado que o safado empestada... foulas d esavergonhados se livres- Sauda s.
revelado lettrado na arte de in- e acachorrado d'esse coronel Ma- Esta, a unica, de certo, medi- doam o m ssa vistas...vres Saudaes.
sultar e usar da mesma lingua- ta Vacca lhe ensinara. da salvadora. A de nossas vistas... pde, ne p- Enome foi a sensa aqui
gem que acha reprovavel, acho Oonvencido de que por ne- Mas continues. derAb a nao ta podmente pmlo acci- caEnosadame foiam a leitura de saqi
quc ambos andam paraleamen- nhum meio amigavel poderia Procedida a acqco judicial, o dente qu as denuncia, coma mui lida e apeciada foha, SO
te, e assi nao pderai dizer que conseguir o pagamento 4 que ti- paruara declarara perante as au- par exemplo : naquella lutulenta Rebate de 22 d'este chuvoso
-injuriosa s6 tern sido a n- nha direito a dr. Joato Bezerra, a etoridades e demais espectado- carta do Joazeiro que vdm de mez do janeiro a findar.
yagem do 0 Rebate,. este resolvera o mesmo coronel res que de fact era devedor d'a- estampal-a o seguud o artigo a seie qu
E' esta a naior v-rdaiude e que Teixeira aconselhar-lhe fisesse quella quantia aodr. Joao Bezer, Atravez d'essa moxinifada de o ilustre dr. Flora niciara est
s.s. no pde contestar a cobrana judicialmente. ra, e que lh'a o tinha pago no ntauseabundas palavras que elles deveras mais esmagador do oue
(Continua) bilhostre do chefe,o canalha Crato, quando l ,esteve, por isso prepararam o a fizeram publicar o primeiro: 6 a eloauencia dos


d'esse farante de abjecqoes sem -que o roto onete esmulamba- no aCorreion de 29 do mez pro- featos pulverisando infames e ca-
limites, em talas par essa reso- do d'alli lhe ordenira que Ihe ximo findo, n6s os estainos ven- lumniadores.
Misso-Welha. 4 de Fevereiro de 911 luqgo, visto como passaria corm nao a pagasse. do zumbridos de covardia,safade- Arra diabos! ..
Dr. Floro Baro n costa toda a certesa pela decepftao de Terminada a acqso que cor- sa e ruindade. O Como classnficars, o ver o sou protegido escorregar o reu livremente, oparuara, que A lutulencia da linguagem, a de conhecero... e a cParabola
cobre, mandou-o para a villa de tanto se fiara em sapatos de de- baixesa dos concertos, a torpesa sdo c-mo urmas barras de ferro
1 Santanna, do Brejo Grande, cer- ftmt, podre, entregou a- procu- da mentira, e a miseria da ca arremessadas de encontro a car-
cado de cingaieiros, fazendo 4 rador do sr. dr: Joao bazerra a lumnia estao a revelar-nos que cassa espoliada e asquerosa







1i~


I.


0 REBATE


;-j-i nao lev u para o inferno
i3;tanaz ?
Para nio me alongar mais, sr.
Redactor, aqui me dcapeqo
Atd ou'tra ve7.




im M PBOTE.3TO

Nao c so oJoazeiroque se le-
vanta em pezo protestando con-
tra essas diatribes insultuosas,


nete esse, como bemrn dz V. S, injuriosas e calumninsas quo o
esse r6t chef : esmnJdambado chfe reles do Crat ,-esse chefa
d'esta terra, desmoralisado que ahi estd, esse
V. Sa. como eu e multos aqui, infame, esse I)EjENERADO,
nada icgnora acerca d'esses rou- esse pustula-antonio lhis, tern
bos; conht-ce perfeitar-ente to- mandado assacar pelos seus fi-
dos os ladrOes, alguns dos qua- mulns e a'lugados d- aCorreio
Fs ja foram, e outros ,-5o ainda do Cariry> cmntra o padre Cice-
charelas, do tal chlfe. ro, esse respeitavel e venerando
OQ.m sabe, porem, si o diah', sacerdote que, nao h i mnito,
JO~o ocordard agora o cdo que chimavi-o peio mesmo <;Cor-
dirae... reion) de,- distinct .nmigu e de
Permitta Deus que isto ainda VIRTUOSISSIMO, etc.,a, e
succeda, porq':e teiei muito pra- beijava-lhe a ungida mao que
zer de ver declinado o nome de hoje manda murder, lembrando-
cada um d'esscs ladroes, inclu- se ainda de qne foi elle, na cns-
sivel o d'aq,'elle miseravel che- p'raqao que acahou com a depo-
reta que nao se envergonha de siygto do Belem, quem lhe salva-
t:xpor ii vista do public nas o- ra a vida e a de sua familiar, so
relias de sua p-opria mulhhr,em bre ter-lh- prestado muitos scr-
dias de grande gala, o roubo vigos, como ainda hoje demen-
d'um par de brincos cravejados cia inefavel!!!
do brilhantes feito a fAimilia do Sim ndo 6 s6 o Joa-eiro que
Jr. Peixoto !!! se lev'nta cheio de indignagio e!
E' oena esse cara lisa e Isem revolta, protestando solemne-I
-ergonha dr. Tubiba na3 achar- mente contra essas infamias que
te aqui actualmento para ver de esse monstro de objecqoes sem
perto a bagaceira... termino manda, com today a sua
Esse covarde e cynico ladrao alma fria de amphybio, escarrar
dos manuscriptos de importan- na faze d- velho padre, d'esse
cia e mais obras do valor do fi- "ovo Messias que o salvara do
n do Josd Marroco.s, eert) que despotismo e docaptiveiro do sr
doe :'erra Verde. para onde se- Jos6 Belem de Figueiredo.
rguira de madrugada, cortando Agora levanta-se a villa de
a flinhj, rompendo marmuleira- 3Missao-Velh choia dos mesmos
es virgens, nunca d'antes anda- gazes da indignagao e da revol-
dose, acompanh;.do de canga- tarn que se vao par alma em
ceiros do patife e abandalhado f-ra d'es'e nobre povo altivo,
seo parent affim, fora a capital. brioso e heroico que nao faz,nen
Se ec rtc, sr. R (:Utcr, que fara distincgao entr, a vida e a
esse ccrrompido jais de rc6n, inorte n'es-a t-rrivel questao vi-
como bem o chamou; se certo gente, nesta questao de HON-
que esse safado e mexerique'ro RA que 6 a sua independencia
nao voltar mais, nos todos aqui do municipal do Crato ou nao
esperamos a respeito um artigo reconhecer, como nao recoThe-
de descabellar... cerA em tempo algum como che-
Mas a que teria ido elle, o tal fe a esse abandalha to chefe de
descarade e relaxado Tubiba ? nonnada; agora, repetimol-o, le-
Consta por aqui mui reserva- vanta-se a villa de MissAo-Ve-
damente que o infame chefe de lha, protestando tambem energi-
bestidades d'esta localidade pa- camente contra takes miserias, ta-
ra la o mandara afim de enten- es iniquidades...
der-se com um dos grades da E nao sera s6 a villa de Mis-
magonaria que peza na balanga sao Velha.... o Cariry todo ha de
political do Estado;e per interme levantar-se do mesmo modo pro-
dio d'elle fazer chegar ao Go- testando contra essa desgraqada
verno Federal uma denuncia em campanha de insultos e injuries
forma contra o Joazei-o e cone e calumnias que s6 nm typo tao
guir d'um dos orgaos da seita baixo, tAo vil, tao infame e tio
campanha terrivel contra o res- miseravel como esse antonio
peitavel Padre Cicero e V. S'. luis poderia muver ao beneme-
Oh quatita bestidarle, quan- rito sacerdote.
ta asneira, quanta bobage temn E o Cariry z ssim procedendo,
esse acanalhado e apalhagado cumprirA por certo um ever sa-
Antonio Luiz Mata Vacca. grado. ever esse que Ihe impae
Es- e miseravel papa arroz o sentiment da gratidao para
semr miolo que nunca teve, nao com o insigne o virtuoso levita
sabe mais o que faqa; de podre que tern sido atm h-je a sua paz,
ja ninguem mais o support por a sua tranquilidade, o seu bemr
aqui. quanto mais se mexe tanto star.
mais fide... Ainda bem que ja o vemos
O caso recent do paruara de em comego do clumprimento
que V. Se ji. teve noticia pelas d'ess~ ever imperioso atravez
notas que lhe euviara, ahi esta. de Missao Velha.
Bern di7 V. S. qu, esse Ca Chamamos a attengao de nos-
nella Preta dos diabos, de po- sos leitores para o sen energico
dre na chefia do C.iato ji os uru- protest a que em outra local
bds o estao beliscando;e que, jh d'esta folha damos publicidade.
o comeram. e certo.
E a ossada onde pr.ira? a (s
sada? esta, cousa nunca vista! es-


dresses carregadores de... lxo.
(Como classitic_ r?)) esperav
eu q;te ao menros a este artig,,
rcspondesse o Correio ,io Ca-
rirv, de 29 do finiarite.
Mas, como sempre, nada na-
da!
Ouizera, sim, quo elle respon-
desse; pois offercceria en.-ejo ri
V. S' pare fctzer o historic de
todo- os roubo que d(Ie facto se
deranm corn a dcposig.ho do Be-
lem, send o major iadrao das
joias da lamilia. d'aquel!e tyr.t-


zer a critical dos escriptos de
nosso Redactor; crUtcos cherelos
Squo bern que os deixam ver
I d'aquellas meigengras pachucha-
I das do mane do bispo.
Atte. dendo ao que diz Gha-
! teaubriand, como diz, que , corregir-nos; quando mordaz,rir-
nos; quando, p4rdm, pasquinhei-
I ra, calar-nos>; nada deviamos
responder 'a esses canalhas; mas
coino queremos confundil-os, si
4 que sao susceptiveis disto n'es-
se estado em que se acham de
iupassibilidatle budhica, e que
nao permittira absolutarmente .o
to phenomenon, pedimos-Ihes
que publiquem o resto dos ((Pla-
i gis in'decentisshmos' de nosso
Redactor-Chefe; publiquem, co-
mo prometteram.

Vamos, publiquem!



A torpes iniquidades

do tat li. Tubiba

Possivel, o mais breve que nos for,
publicaremos sob esta epigraphe u ma
series de artigos, demonstrando ate
a evidencia as torpes iniquidades
commet (das por osse fuchiqueieo e
safado dr. Tubiba-em Fortaleza,-
noC rato-e nesta localidade, quando
pela primeira e ultima vez aqui este-
ve, hospede de nosso Redactor-Che-
fe, de quem bemrn se externara, em
chegando ao Crato, revoltando-se,
porem, depois, contra elle, devido a-
quella noticia *INFAMES> que
dera no reiro do anno passado, n. 29, a qual
noticia bern que s1 sereferira a ee...
tao s6mente A elle Tubiba, a esse in-
fame e mijote pungibarba dr. Tubi-
ba que tantos insultos, tantas inju-
rias e tantas calumnias, de ordem
de seu acanalhado parent affim, tem,
por ultimo, como se v6 dos ultimos
numeros do assacado contra n6s, contra o respei-
tavel e venerando sacerdote, padre
Cicero, contra o nobre povo d'esta
terra.
Por essa series de artigos a publi-
car, medirA o public ao louge, corn
exacqao, o tamasho a esse meco, a
esse fornicario, A esse relapso jri,
substitute da comarca do' Crato, co-
nhecido vulgarmente ,por dr. Ta-
biba.
Aguardem-n'a os nossos leitores.


Nnnca virnos critical tao bai-
xi e tlo vil e tao nojenta como
,. que flzeram e prometttram
continuar ainda a fazar dos es-
criptos de nosso destemido Re-
dactor-Chete esses bandarr is
que, nAo contents corn a tran-
siaio da baiuca A arena da im-
prensa, arvoraram-sa ,ui oraeu-
los do Templo da Sabadoria, ca-
pazes mesnio de jilgarelm da
propria div l ,le :.
Ah riunt a rasao tinha, dire-
mos co granl 3 Andrad'. Fil-
gueira, quanta rasAo tinha esse
Ricardo III, da Inglaterra, que
apeado na refrega offerecia em
vat, seu throno por um cavallo
e prostrado por terra expirava
exlanmando: ESTUPIDA HU-
MANIDADE!
Eis o que bemn podems appli-
car esses escrevinbadores r6les,
a esses critics cherelos, masque
s. julgaram aparelhados para fait


J ecrologia


D. Thomasta MIaria de quino

Falloceu as 2 horas da madru-
gada de 1? do corrente em Mis-
sdo Velha a exma sra d. Tho-
masia Maria de Aquino, victim
de encommodos enteragicos que
de ha muito escalfurneamente
Ihe vinham minando a s,.,a pre
ciosa existencia.
Era d. Thomasia Maria de
Aquino natural dq termo de La-
vras, d'onde se retirara para
aquella pacifica e florescente vil-
la.
Muito moga ainda, casara-se
n'aquelle term'> com o sr. Joa-
quim de Souza Lima. ji falleci-
do, nao nos constando que des-
se seu consorcio deixasse um s6
filho, a nio ser o nosso bom ami-
go major Casimiro Bezerra do
Maria, mui digno tabelido pu-
blico d'aquella referida villa, e
este mesmo por adopgdo.
Amiga dos infelizes e desgra-
gados, toda bondade, caridosa
em extreme, coraiko todo ternu-
ra, alma verdadeiramente piedo-
sa, arrebatou-a do tempo para
o tempo sem tempo da eterni-
dade, na edade avangada de 79
annos, o archanjo da morte, ro-
gando corn a ponta de sua aza a
front de nosso prestimoso ami-
go fazendo, de dor e saudade,
estalar-lhe o coragdo.
Morreu!


Quaido perde a terra um
Ganha o ceu um anjo mais.


just


as: suas condolencias, os. seus
mais sentidos pezames.


testa ittma


Velha, vindo de Fortaleza, onae
com brilhantismo cursa as aulas
superiors da Academla de sci-
encias juridicas e sociaes, o illus-
tre moc) dr. Juvencio de Sin-
tanna, estremecido filho de nos-
so distinct amigo e pre-timoso
chefq politico d'aquelle munici-
pio coronel Antonio de Santanna
cde quem o indecoroso, e aca-
nalhado antonto luis alves pe-
quen', roto chefe esmulambado
do Crate nio e digno nemr de
beijar as plantas,.
S. s. veiu acompanhado de
seu irmair Nesinho Santanna que
esta fazendo corn grande assi-
duidade e application os seus
estudos de humanidade em um
doa estabelecimentos de educa-
g ao mais importmntes da capital,
Grande, imponente a recep-
gio que Ihe fizeram seus innu-
meros amigos e admiradores.
De qu-ntos o conhecem, o
acatam, o estimam, o admiram,
S.: s. tern sido muito cumpri-.
nientado.
Associando-se aos seus ami-
gos e admiradores, ((0 Rebate.
rambom o cumprimenta.bem co-
mo ao valbroso de seu digno oae
pela felicidade que venm die ter
abragando-o ahi em sua aprazi-
vale pittoresca vivenda da Scrra
do Matto.
Dignem-s-, pois, o illustre dr.
Juvencio de Santanna e st-u di-
gno irmao e o distinct amigo e
conspicuo chete de Missao Ve-
lha, coronel Autonio de Santan-
na, de acceitar os seus cumpri-
mentos de boa vinda.


Depois de todos esses cum-
I primentos, teve logar um lauto
banquet em que todos tomaram
part, e o qual prolongou-se das
11 horas d'amanhAi s 2 da tar-
de.e ao som da mencionada Phi-
larmonica e i music ds mais
expluentes e espan:,ivas alegri
Impossivel descrevermos .
dos os estados dessa festa inti-
ma que nos ficou n'alma como
uma grata recordag o,
Todos, que tomaram part
n'esses does concertos da ami-
sade, d a alegria, da satisfagao e
do regosijo pela felicidade d'um
pae extremoso que abraia aos
filhos que vem da capital coroa.-
dos du louros colhidos no cam.
po dos estudos; todos ficaram
plenamente satisfeitos e ainda
mais com as maneires delicad s
de nosso conspicuo chefe e a-
migo coronel Santanna que nao
se cansava de agradecer ai todos
o que Ihe acabavam de fazer.
Eis em poucas palavras a
descrip9ao da fcsta intima a
que vimos de assistir.
Missao-Velha, Janeiro 1911


Morreu! C.
-r Il Ci aota Press,, luct"oso aconteci- UrrieMeuti As oIpto Itiqullads
f JuVltudo 4' luuHa mento envia <0O Rebate.ao seu, i. Tublba.
distinct am-go major Casimiro
Acaba de chegar em M3issao! bern como 4 t. idos de sua familiar


Ha muito que anciavamos pe-
lo dia feliz de abragar' aqui ao
distincto lacademico Juvencio
Santanna e seu irm.o Nesinho
Santanna, dignos filhos de nosso
prestimoso chefe politico coroner
Santauna.
E nao tardou mais ,sce dia; a
niticia de que esses inocos s -
tavam prestea a chegar, alvo.
gou-nos sobremnaneira.

Priepardmo-nos e fomos sob
umt dia t-huvoso ao seu encont-o.
Erafnos muitos.
A' poucos passos d'esta locali-
dade deparamos ja corn outros
que de mais long ja vinham a-
companhando os distinctos mo-
'os.
Depois dos cumprimentor: de
boa vinda e calorosas saudagoes
e apertados amplexos, segui-no4
todos caminho da Serra do Mat-
to, ap:azivel vivenda do coronel
Santanna. onde varies cavath
rus e a (Phila.monica S. Jose))
dirigida pelo maestro Lino B~-
reto ja espe:avam pelos recomi
vindos.
Ao chegarmos alli, aos sons
maviosos cia reicrida Philarmoni-
ca e aos e; oucar das g.,a dlAas
e da togue'taia, fomos todos aco-
Ihidos com aquelles modos sem-
pre Phanos e cavalheirosos do co-
oael Antonio de Santanna que
abragou enternecido ate a raiz
de seucoragdo de pae extremoso,
abragou demoradamente os ti-
Ihos. E chorou...
N'aquelie moment solemne
em que abragou aos filhos teve
recordaVao de sua carinhosa
mae d. Jacyntha, ainda ha pouco
tempo fallecida em Barbalha.


[
2.



*
' 0
I-'
fiP

4'


~,_i~s~i~l. :4J~~-Y*~YuLa~iL11-rL~ii~L~Lbl~'~~YI-s~ ~Llls~i~L*ICI~L-~B~--.m-u;l- ...r ;;- -.n.- ,.~.- --;~----


i





-. ~ -


4 0 RERATE


s ..M- s: tt: o v At.

B P T0 T9 J 0

MoaI. I IdSO. Sr fre Vaqit
N6os aba;xo assignadios habi TavaretsMctreira, C s ne Ricza-
t Attr P a Stg lSu l tante do Terwo de M'sssao-Ve- doOa SilvaJeronimo Antonio d,-
Iha, em nosso nome e de nossas Jesus,Jose da Crux Neves, Jo&o
ldaCttr-Chlof( iOd abtut families, cumprindo um dever Raymundo de Lima, Martinho,
de consciencia e justica "prote- Pires Tavar,;s, Joao Francisco
stamps contra as referencias ii- Aurelianno de Jesus, Jose Rodri-
A vossa cruzada gran de juriosas feitas ao virtuosissimo gues Brandao, Joao Malaquias
mais para conter-se nos ambitos Sacer2ote o Re.o Padre Cicero de Mello, Ray mundo Joao dos
do valle da Borburema e eil-a RomAso Baptista, pela Redacgeo 8 ntos, Jose Manoel de Jesun,


que nos chega i'um mixto d(
prazer e de dor. d'spertando en
cada peito o enthusiasm e a in-
dignagao.

0 pr'zer e o enthusiasm sAc
filhos orinndos de vossa nobre at-
titude na defeza' de um invicto
anciao, cuja vida impolluta unir
padrao de glorias. nAo ji do Ca
riry, mas do Brazil intiro.

A dor e a indignacqo nao po-
demos occtiltal-as quando um
character adamantino todo dedi-
cado ao bem e virulentamente
aggredido e vilipendiado!

Quem eximir-se pjde d'estes
sentiments ante essa campanha
ferocissima movida no Crato
contra o inclyto Padre Cicero
Romao Baptista ?

Quem ha ahi na terra de Tris-
tao Gonqalves que mais abne-
gacao tenha demonstrado i cau-
sa public do que ease anjo de
paz e de bondade, que embora
alquebrado pelo peza dos annos
e pelas ingratidb*s dos hor ens, e
assds forte para pacificar o-
.Crato em 904-Barbalha em
905-Milagres em 909-e o-
.Juazeiro que se nao fora sun
cordura e sea acendrado amor a
paz, so sucego d'ha muito teria
sacudido o jugo despotico do
despotico chefe do Crato.

Qne o cidadaio, coin just cau-
sa, venha nas pugnas livres da
livre imprensa terqar armas pela
reivindicagio de direitos con-
culcados, admitte-se. Mas que
faea da imprensa a cloaca de to-
das as immundicies, o viru.i deo
todas as paixoes loucas e igna-
ras, arrn'ancando miseralvelmente
as caes nevadas de am nobre an-
ciao, sua dignidade, sua propria
honra para atiral-as A irrisao pu-
blica, 6 uma acao tao torpe, tao
hedionda e tao baixa que repugna
A penna refutal-a.

Bem merece, portanto, o no-
me de cruzada essa campanha
energica assumida pelo Reda-
ctor-Chefm do Rebate, na defe-
za de um venerando sacerdote
que tern a aureolar-lbe a front
o emblema de todas as virtudes.

Quando as armas arrogantes
e soberbas dos successores de
Mahomet rasgaram o coracfo ca-
tholico na legendaria Jerusalem,
profanando os santos lUgares,
Imperadores e Reis sob a ben.
cam do S. Papa deixaramn seus
reinos, seus lares, seus filhos e
n 'nm movimento espontaneo, on-
de se confundiam commandaantes
e eommandados n'um c6ro de
mutual solidariedade, marcharam
e tomaram as santas reliquias
prezas dos infieis.

E,assim, succeder4 na questao
do Juazeiro. O povo que ama,


edo aCorreio do Ca-iry nos dias Jose Jonquim, Rosendo Josd dos
!25 de Dezembro e 1? de Janeiro Santo, PeJrojosa de'Alexandre,
corrente. Antonio Jows Quirino, Casimiro
S6 poJemos attribuir como Francisco Gomes, Francisco Cor-
causa de revoltantes injuries ao reia Samiaio Xixi,Francisco Cor.
despcito e ao capricho pessoal; reia Sampaio Xixi Filho, Anto-
pois de outro modo nao poderiam nio Alexandrino Arnoud, Jodo
I os Redactores d'um jornal reco- Dantas Rolhia, ('ezario Jose de
nhecer a nobresa de sentiments Lims, Raymundo Josd dos San-
um verdadrbo Amnigo d,. povo tos, Manoel Alves Simdo, Jose
o nosso respeitavel Amigo o Ve- Pereira Samnpio. Pregentino An-
nerando Padre Cicero. tonio de Oliveir'a Joaquim Jose
Julgavamos inutil tal protest Vianna, Francisco Pirt-s Tavares,
si naolfosse a inverdade d'esses Pedro Salustiano Cardoso. Ma-
Redactores dizerem, que estamos noel Saraiva da Cruz, Manoel
de accord c,.m elles neste mo-. Furtado de Figueiredo, Joao
do de pensar, contra o Veneran Machado Papinho,Filemon Lou-
do Padre Cicero, que palas vir rengo deAranjoJose de Alencar
tudes que possue, s6 tern sabido Teixeira, Leocardaire Ferr .ira
soffrer as injustigas corn a re- Lins, Manoel Evangelista Dan-
signavao de martyr. tas, Manoel Carolino da Silva,
Eis portanto o nesso protest Joaquim Manoel Sampaio, Joa-
que o fazemos de accord corn a quim Alves de Barro, R--ymun-
nossa dignidade. do Antonio de Jesus, Joao Cor-
deiro das ieves,Daniel Cordeiro
Missao-Velha, 15 de Janeiro de 1911 des Neves, Jose Cosmo Quirino.
Mannel Paulo do Nascimento,
Antonio Joaquim de Santan- Antonio Firmino de Araujo, Pe-
na, Antonio Francisco de Mari dro Leite Tavares. Antonio Ri-
Antonio Gonsalves de Oliveira, beiro da Cruz, Jose Raymundo
Izidro de :,ouza Furmga, Joze de Jesus, lose Antonio de Jesus,
Raymundoda Crniz,Gilhermino Candido'Ferreira de Carvalho,
Ferreira Dantas,Jose Dantas Ri- J aquim Francisco de Paulo,
beiro,Isidorio Joao da Cruz, Jose Fra k im de Oliveira Rocha,
Joaquim Ribeiro,Antonio Fideles a,
!d: Casai-, Antonio de Figueiredo Joe de Vasconcellos Sampaio,
Figuciredo Antonio Luir de Santanna, Ma-
Arruda, Jose Sobreira da Crux, nto Francisco .d Santanna, Ma-
Raymundo Bezerra de Maria. Antonio Manoelde Jesus, Afon-
Manoel Dantas de Araujo, Fran- J
cisco Poreira r'os Santos, Argilio s, Tavares de Quental, Jos
Correia de Araujo Lima, Rodraiz od ueVieir Luiz u. nt3nio
Barreto, Joao Antonio Moreira. de Macedo, Antonio Furtado de
Antonio Furtado de Menezes, Figueiredo, Liberato Manoel da
Antonio Saraiva da Cruz, Fran- Cru, Cez-trio Lete da Cruz,
Antono Saraiva da Cru, FrA Joaquim Gegorio de Souza, Joao
cisco Tavares Moreira, Pedia Joaquim Gr d A J.
cisco Tavares oreira, Peo Belem de Figueiredo, Antonio
Homem de Figueiredo, Miguel
_-_ ,H e n r i q u e Tavares, Antonio
Sampaio de Oliv'ira, Joaquim
Bezerra de Maria, Julio Seba-
que tribute ao venerando Padre stido dos Santos, Pedro Gonsal-
Cicero umrn preito de leal h me- ves de Carvalho, Jo.s Bezerra
nagem sabera defendel-o d'esses de Maria, Luiz Francisco Ribei-
transfagas quaes nol-os descre- ro, Josa Baptista Landim, Felip-
ven a vibrant phrase de Vieira pe Gomes Ribeiro, Francisco -
de Castro conde nao ha sangue Jos6 Curreia, Bernardino Josd de
Sno campo dos transfugas por- Scena, Raymundo Antonio da
que os transfugas desappare- Silva, Luiz Barretto, Serafim
cem.> Domingues Filho, Joed Furtado
de Figueiredo, Francisco Zabu-
A ingratidlo do chefe do Cra- Ion de Figueiredo, Raymnundo
to 6 o que mais fere a alma can- Camillo Dantas, Deusdedit Sa-
dida e nobre do Padre Cicero raiva be Albuquerque, Ray-
que bem pode exclamar como uLndo da Figueiaedo Rocha,
o immortal Pedro II. Jolo Francisco'de Lima, Anto-
nio Raymundo da Silva, Her-
Mas a dor qune exrucia e que mal- mogenes Bezerra de Maria, An-
trata tonio Jos. Brazileiro, Manoel
""............................."..... ....... Antonio deQ Oliveira, Antonio de
Que fere o cora0o e quase o mata Souz Lima. Isidorio Francisco
ver cuspir na mao extrema bora'Gomes, Josc de SA, Manoet A
A mesmabocca vingadora ingrate Freiredo Nascimeuto, Jos4 Pas-
Qu tantos beijos nla den ontr'ora.aro do Nascimeato~ Antonio
Ao lado do eminente martyr Jos6 dos Santos, Chriapnim Go-
estaremos em qualquer emergen- mes Xavier, Jos6 Francisco Hi-.
cia, porque elle symbolisa o bem, gino. Diavid Cordeiro das Ne- I
a paz. a honestidade e inquebran- ves, Theodorico Correia Sam- i
tavel character. paio. *
Estd sellado e recoahecidas r
Baptista Siqueira as firmas. i
Conceiqaodo Pianc6,E. Parahyba t


PROTEST

- or. -tae-3^%------

N6s, abaixo assignados, na. Santos, Ca ido Pereira A:'.;:1,
tura:s e romeiros do Joazeiro Alexa.dre eira Sat'Ago, Ma:
revoltados, contra o eno.me at- el Limiz da sifmW, Joe ,nart,
tentado A honra do riosso verda- Alves do Nascimento, Braz- Aveli ),
deiro amigo, o Revdm. Sr. Pa- Bispo, Pedro Ignacio da Silva, AI
dre "Cicero Romao Biptista, tonio Aurelio da Silva, Nicol:mi
commettido pelos redactores do eira da Silva, Francisco Jo.e da s
Gurrcio do Cariry, n. 318 de va, Jolo Vieira de Sonsa, Mani: I
1- nrcw d o rr, n 318 Alves di Silva,. Gabrie: Celest,::,
1 de Janeiro corrente, protesta- de Sonusa, JoIo Bernarlo de Carva-
mos etergicarneote em nosso no- ho, Jos6 3oreira'de Souza, Antoi,,
mrn e em nome .de tossas fami- Luceas dos Santus, Zacharias Nw.!+-
lias. dsSilva, Jose Fraucisc) de Sruz.:,
Este nosso protest ndo d do Jos Manoel da Silva, Mi uel
quilate do da eschola do tiro, no randa Bezerra, Monoel Simino Sdlv.,
Orato; e um protest robre e al, Juse Pedro da Silva, Manoel Lu :)
tivo expontaneamente por n6s dos Santos, Emigdio Marques .'A
feito e de real import ncia, por- Silva, Josi Felippe, Antoanio G.-
que,alem de ser d'ura populago briel, Jose Pedro Maciel, Anton
Correia dos-Santos, Jo&o Bezerra (,
ineira, nao pideri, nem seia iSvya, Manoel Pereira da Silva, P'.-
contra-protestado por nenhuma dro Barboza, Joao Pereira Gonisa'-
outra localidade, estamos certos, ves, Jose Almtida dos Santos, Frak;-
inteiramr nte certos. cisco loao Barboza, Deodato Jose .t
Os insults, a calumnies e aSiva, Manoet Jacynto do Nascime':-
Os insuos a. calumnas e as to,iz Victor dosSautos, Francis -
injurias atiradas covardemente Jose Bezerra, Nazeano Nunes da Sil-
a tace do Reverendo Sacerdote va, Joventino Simiao Nogneira, T>:-
ndo o attingiram, nem o attingi- tutiauo Gomes Pereira, Joao J usthi)
rdo-nnnca! voltaram intactas' da Silva, Manuel Belarmino dos Sa::-
peh forqa de repulsao encontra- tos, Estevito Jose de Maria, .-!-.
pe nos rohedos de pulsa dignida Joaquin de Soena, Antonio Quiri,
da nos rochedos de sua dignida de Maven.,, Manuel Britto, Miguti
de, ao seu ponto de origem. Pereira da S.lva, Felipp- Pere;ra ti,,
De modo que procestamos Silva, M I.noel Rodrigies Alves, A -
n ao tanto pelo effeito por ellas tonic Tim:theo de A-au;e, Man I
produzido na alma branch de Preira de MAttos,Jose Mewhdes F:'-
rosso venerando amai gocmo reira, Jose Francisco de Freitas,
nosso venerando amigo, com Jo o Gerald,), Jos- Monte ro, Jos-
porque a covardia dresses indivi- Mathias, Trajano "Joe Cardoso, "o;:-
duos sem responsabilidades per- rengo Alves, Jose T eotonio, Jo-,
mitira que elles nos envolvessem Pereira, Manoel Iomao, Alanoal Ma-
em seu grupo, allegando sermos ria. Ananias C'n.-ado, Andre G:;-
> omem-, Joaquim Izidro,Pedro Joaquilm,
seus' anmios e estarmos er Joto Joaquim, Alexandre Jose d
harnmonia corn elles, quando dis- Silva. Aierio Ferreira, Joaquim V -
seram que somos tambem vieW -eate, Francisco Loureanj, Malnuel
limas do Va npiro que nos suqa do) Nascemento, Joao FranNisco ,t
a sanyae. Silva, Francalinno Ja;se da Silv,.
Pa d por corn- Jos Felippe, Manoel Angelo. Frbn-
Para desmenti:o por corn: eisco Antonio de Barro, Jose Ag-
pleto assergdotao injuriosa aos stinho, Antonio de Freitas, Joaquim
nossos brios bastava dizermos : Mathias. Firmino Pereira, Jos6 P'-
0 Reverendissimo Padre Ci- dro, JoA, de Reis, Jokao Antonio,
cero e o nosso aunico e verda- Tertalianno Ferreira, Romao Gon-
deioarnigo e e a'sonbra de sua salves da Silva, Manoel Honorat)
deiroarnisade qusombra fde sua dos Santos, Antonio Rodrigues Paa-
sincera amisade e que a fehcida- darco, Jose Gustavo dos Santos, Au-
de no? tern sorrido, ate em a tonio Josede Maria, Antonio Paulin')
nossa propria dor. de Almeida, Viltoriano Alves de Fi-
Contra o seu nome augusto gaeiredo, Josi Vicente da Hora,
nada temos que dizer, inaoJos Bezeira Pirheiro, Manoel Vi-
mnada temos que dizer, sin-o center, Manoel Francisco, Firraino
commettendo o maior dos cri- Miguel, Mariano Pedro da Silva,
mes-a ingratidao; entretanto, Joao Jose de Mello, Valdivino d'
a fav6r de seu nome immaculo- Oliveira, Agostinho Bispo dos San-
na defesa de sua pess6a empe- tos, Manoel Calisto de Oliveira, Se-
nhanos todos nossos bensveriano Pereira dos Santos, Joao Jo-
nhamos todos onossosbenss de Almeia, Mance Antonio Da-
todas as nossas forgas, todas as ,d, Manoel Chrispim Pereira, Pedro
nossas energies e atd a nossa Noberto dos Santos, Simphornio Joa-
propria vida, obrigados pela gra- quir do Nascimento, M;guel Joa-
tiddo a que elldie tao naturalmen- quim do Nasciniento, Antonio Ma-
te tern feito is. noel Nonnato, Jo&o Marcellino de
e tem iesto jptas Franga, Manoel Alves da Si.va, An-
Eis, por tanto, a prova paten- tonio Francisco da Slva, Moyses
te da mentira public'da, o des- Firmino de Maria, Jose Utas Sobrei-
nentido formal ao artigo ae d'agua abaixo ou Comba- Joaquim Ribeiro do Prado, .Jose Go-
efid Co- d bo de Santos, Josi Isequiel Barbosa, Ma
refrido Correio do Cariry de noel- Jose da Hora, Izidorio Telles
1- de Janeiro d'cste alino. Pereira, Jose Telles Pereira, Anto-
Esta cumprido o nosso dever. me Iseqniel Barbosa, Izequiel Bar-
bosa, Manoel Barbosa, Pedro Barbo-
sa. Joi.o Barbosa, Luiz Bento da
Villa do Joaszeiro do Padre Costa, Pedro Vicente da Silva, An-
Cicero, 2 deJaneiro de 1911. tonio Moreira, Manoel Joaquim des
Santos,Pedro Caldino da Silva,Fran-
Assignaturas tco Caldino, Jopo Jose da Silva,
ssignaturas jpnblieadas--682 Manoel Romeiro dos Santos, Ant,-
uidio Plasto, Antonio Baptista,. Dio-


(Continua gdomedes Baptists, Joaquim Baptista,
SJos6 Antonio da Silva, Jose Leodo-
rio da Costa, Manoel Rozeno do
Alexandre Manuel Bezerra, Pedro Nascimento, Graciliano Antoni6 da
Libeiro da Silva, Benedicto Joe Silva, Antonio Francisco Tavares,
Rocha, Qnintino Pedro Ferreira, Idalino de Maria, Manoel de Mara,
tozeno Jos6 da Silva, Manoel Fer- Manoel da Silva, Joaquim Jos6 dos
eira, Joaquim Marqdes dos 8antos, Santosr Antonio Gomes da Silva,
JoAo Fernandes da Silva, Antonio
'ernandes da Siiva, Manoel Caelano .
la Silva, Manoel Laiz da Costa, An- (Continua
onion Marcos, Joaquim Amancio dos


- ..-- .L~-- --


t


Fi- *