Rebate

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Rebate
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Creator:
unknown
Creation Date:
January 22, 1911

Subjects

Genre:
newspaper   ( sobekcm )

Notes

General Note:
Newspaper issues from the personal collection of Pe. Cicero Coutinho, Juazeiro do Norte, featuring articles on Padre Cicero.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
All rights reserved by the source institution.
System ID:
AA00001672:00067


This item is only available as the following downloads:


Full Text



































Ie a nua abaixe, nlo


I r


0 ]joa itro


S..


Demonstrada, como ficou, no acompanhado de sua Exma. fa-
meu ultimo artigo, a contra- milin; e tendo convidado o Pa-
dicyao do meu Hilnstre conten- dce Cicero par. acompanhal-o
dor, quero agora concorrer corn afim de, a bem dos seus enconw-
provas incontestavcis, para, es- modos, fazer uma esta4 a d'a-
clarecendo melhor o seu espiri- guas em Caxambu, este accede-
to, convencel-o de que estA en- ra e assertara seguir depois do
ganado ou mal informado quan- sau retire spiritual.
to a responsabilidade do revdm Findo o retizo, partira o refe-
padre Cicero no ultimo inovi- rido .acerdote da Fortahz.,no
mento armado do anno atrazado, dia 16 de Maio, acompanhado
entire Milagres e Crato. tIo scm mte do 111.?" Sr. major
Eis o que disse S. s.: Manoel Victorino da Silva.
.:td, mesmo, uma rehgiosa e
Da amisade, do respeito, u a sonbu .;filba do Jallecido
da veneraAo qu' the poda coroner Secund, que o acompa-
desdt o anno p asado, por nharam ate a capital,d'ahi volta-
occasiao do ultimo movi- ram...
mento armado que esteve De modo que o public e,
prestes a desabar Isobre es- principalmente, o illustre articu
ta terra. E' sabido que os lists, jA poderao ir percebendo
menos culpados foram, jus.
tamente, os accusados c- que o refendo sacerdote, nem
mo tal na effervescencia do de love suspeitara a possibiiida-
movimento. Por detraz de de de algum movimento armado
tudo aquillo, via-se ornflan- nesta zona durante sua ausencia.
do as as-o anjo da pd., Porqu, si assim fosse, ist. 6,
mo, oi a gar as despesassi tivesse suspeitado que tal po-
feitas com os concurrertes desse accontecer, nAo teria -se
ao mallogrado assalto a es- ausentado, deixando toda sua fa-
ta cidade. 0 resultado todo milia aqui. no Juazeiro, inclusive
o mundo pode avaliar que a suarespeitavel me, ua cre
a su arepeitavel me, ruma crea.^
seriapeior, muito peior do t
que o de Aurora. o tur kde oitenta e cinco annos de
edade, cega e paralytica, entre-
Felizmente, s. p. citou um fa- gues aos horrors dos cangacci-
cto que, por ser do dominio pu- ros dosenfreiados.
blico, me nio d difficil justificar Refiro-me tSo somente As pes-
a irresponsabilidade do referido s6as de sua familiar, porque, ad-
sacerdote pela sua existencia. mittindo que o' illustre contender
'Sabem todos que o Exmo. e rigorisando a pervengfo que
Rvdmo. Sr. Bispo designara o tern contra o revdm. padre Oi-
mez de Fevereiro para ter lugar cero, nao queira se conformar
o retire dos Padres d'esta Dio. com o pensamento do public
cese, em Fortaleza, attingindo sensate que conhece e sabe a
essa ordem ao Padre Cicero, cause= d'essa qaestao, e, por
tambem. ., systematisa co, ainda se animas-
Elle, nao podendo, devido aos se a sustentar que o referido fa-
seus encommod..s de saude, vi- cerdote f6ra quem promovera a
ajar, n'essa occasiAo, 'enviou ao hostiidade centre Milagres e
Diocesano um attestado medico, Crato, o'aquella ocAsiio&s. .jn-
justificando o seun ao compare telligente come 6, rfleetindo
cimWato. coam mais atteaiao, chegaid a
S. Exc. Revdm. poremattep evidencia doengano on da a
dendo ao motive da impos bil- informanao a si presada, co
dade de fazer o retiyo no Aeda derando que elle, quawdo ane-
me-, 'rdenara por uma portaria u intsse tvss pe*
que d'entro de 60 dia seriago a pm:e tanquilidadi dos sed.
brigade a iazel-, sob pena de anigps, (o que ninguea
susp:nsao. acredtEr) inece1arimente
Em vita d'essa nova ordeln pela'de s e
sendo obrigado a cumpril-a, re- quellaque: mais dims to tA
solvera partir paraFortalesa em sua "ma, ":
Abri, o a de fcLi o o .. qo E. ra4a-pAgao da .tv a


casino seguira para o Rio de Ja- s. s. sobre a real causa do mo i-
neiro em busca de mnelhoras'pa mento armed ao qual referiu- e
ra a asa sasde alterada o IIi.To no sea artigo, cujo topico
Sr. Dr. Jose Simeao de V4pcedo, cimaysta trauscripto, afim te


que nAo main se art ie a pu-
blicar uma inver por in-
formafo6s colhidas fonte sus-
peita.
Agitava-se ainda mez de
Maio do anno ati (1909) a
questao de Aurora; tinuava
a sticcessio de ata 4a S
do coronel Candi Ri *ro
Campos, actual c h d'essa lo-
c;lidade, pelos s inimjgos,
tendo a frente Joaqu ~sqes;
corria em Milhgres o certo
de que aqri, o Ju S
Pedro e Crato eAOe owu-
ree onde elles reunia ~ epara'
onde voltavam, o-se;
deante de tudo isso gren--
ses nao duvidaram i'sibi-
dade da interference glguns
cavalheiros do Cra tenta-
tivas contra o Pav a'proprie-
dade de residencia do referido
chefe de Aurora, o coronel Can-
dido,
E assim estavam em especta-
tiva,apenas, ser m mjuizo serio e
definitive formado a respeito.
Quando, porem, o exmo. sr.
coronel Belizario voltou de Mila-
gres para o Crato, chega ao
aBarro ,propriedade do sr. co-
ronel Josd Ignacio, uma carta
vinda d'essa localidade (o Crato)
para am cavalheiro n'este sitio
resident, na qual a sou auctor
garantia a um seu parent que o
ill?? sr. coronel Antonio Lihis
oferecdra-se &quelle (o coronel
Belizario) para mandar arranar
os marcos d'area aCoxad, ga
rantinde mais o mesmo infor-
mante que o illustre chefe do
Orato era um dcs que mxis con-
corriam para os ataques ao Pavlo
e que todo interesse era a reto-
mada de Aurora, e invasio de
Milagres.
Pode 9. s. acreditar nb que
acabo do affirmar, pois eu li es-
sa carta.
Nao tenho razdog julgar
verdadeira semelgllh informa-
fio, porquanto, being ei que em
tempo de guerra ha metnfra co-
mo terra;, mas, os intbiessados
na quesIth, comnd or ar oronl
Jose Ignacio, na podio deier
de dar nm relative credit,
cheios de outra inforawoages co-
moja estavatm.
Assim informadc o sr. coronel
Josd Ignacio mandou esci~ire
um repto derigido ao ill!? sr.



,i i

filo paa anto a spar


b alsn, que era o reactor hefe
do refXoeido jornal,e A Unil,
yaoaa *ch^ -toe


recebendo um repto scm assig-
natura, chamou pelo telephone o
coronel Domingos Furtado e,
orientando-o eaobre a existencia
dotal document sem assignatura
do re.tponsavel, perguntara-ihe
se podia publical-o.
0 sr. coronel Domingos, que
ain.a nao sabia de cousa algu-
ma, respondera ao dr. Raymun-
do'que na o publicasse, ainda
mesmo voltandooutro, compe-
te.atemente assignado, sern que
primeiro o ouvisse.
E neste pe estavam as cousas.
sendo atd possvel nao ser o ci-
tado repto publicado, quando o
(Correio do Carirys, dias depo-
is, publicara um artigo bem vi-
rulento, sob a epigraphe *Villa-
nia no qual eram atacados os
chefea de Milagres e o sr. coro-
net Jvi6 Ignacio.
A leitura d'esse artigo desper-
tou a convicg o da existencia e
mrn plano qualquer, conforme ci
tave o author da referida carta, e
por isso mesmo, o sr. coronel
Domingos consentira que fosse
publicado o repto, depois de as-
signado.
E assim comevou a questao
que determinara omovtmento ar-
mado de que falla s. s. produ-
zindo o armamento das duas lo-
calidades que se collocaram ;m
hostil attitude
SDevo adiantar que no come.
vo d'esea hostilidade hdniwee um
intie mediario de pas, que pro-
-uzera como a melhor meio
de terminal o movimento,---o sr.
coronet Domingos conseguir a
anuullaiAo da demarcaao do
Sh, depois de homologada
corto jA estava,-o que nao
f6ra acceito, por nao ser esa- a
cadsa da questAo, nemr to pbu.
Co poder elle assim o faster.
Esse fact, de algufr modo,
confirmara o juizo ji feito pela
leitwra da tal carta.
Bls, felfzmente, dstinctog ca -
vaflhro dc BhrBa l e aniesam
do Padre Cicero, ; ts *-
se, como elle, pdea pa getal, nm-
terferiram, eonse'gnndo teminar
S'inmbiisa4io comeilCa.
Eis o que howe. .
Em quaint oceorria esses
Iamtoo, o revre0daimeO padre
Cice-o Tecebia etegranmams
.ia awdt aesona volta com ur-
g ea ia ; V .".. '. -..
. De modb' Eue nem paede Ier
a de aguas em
co desejava: vo sapida1
- e pel Bahia, fhamAn m0
penese por terra, de Pi-
atdaqui. wnde chegos
as 4 horas da madragada, camui-
nhando 1 noite 4 legoeis pc, a
6 de Julho.
E wabem todos que depois'da
sua estada aqui nada mais houve.


Calutni.o filoe


(22 Janeiro 11)

O Zsa Figuei-
redo, conhecido
poo -Galiuhad'a-
guia, cheretando
o Tubiba, resol-
vera escrevercon-
tra n6s e o Joa-
zeiro .


0 tal Zaza Fiugeired, ,
Chamado uGalinha d'agoa*,
Ah! deve estar corn bern mdo .
S6... mettido n'essa aaagoa ....

lDizem: Tubiba fugin...
Antes dafesta acabala !...
Affiria assim'qnemi oMt,
Bemn edo. .. de madntgada,

Cereado de cangaceiros,
Em bnsca de cSerra Verde*,
Por dentro dos marmelneiros ...
Dizendo: a lingua me perde!!!...
Pois seu Zuza empapurweo,
Agora v6ce se aguente,
Que o servifo 6 arroehado ..
E' osao p'ra qaem tern dente .
.

Eu, que rio da desgraoa
Qando vejo tado fAndo,
Crea, n&o # chalaCa,
Palarei... cantando e rindo..
J. Perreitr



Desejo agora que s. s., o il-
lusUe contender," levando em
considera5o as justas pondera-
9Oes que tago, se convene de
que dbMnimfltt mer intLaV
chntmando oa venerando Padre
Cicero-desordeiro e perverse.
* espero que aoe mais affirmarl
que f6ta ell o resposavel per
esse accontecimento, -nem ta-
pouco, confcrie levjanamente
p~blicara, que:
Por deiwtr dfe sdo amuile,

pR quo dhp., cffrasadW
.ime, vfpryu "t, despaas fe-
taks M a e rMCmS s Go mal-
agrudo as =saweAta t ciddde.
0 qu a Bwerend i acerdo-
toe pagou qudo voltou, do Rio
de Janei)ro faai m crousita d
d4 am-ik sdsdinheiros ,que
alguaM m addianta-
rn. fam fl ado da wns, d
ama sMemra r asto do
Si infami Kawamus d s.O, a
Olq, per que


tar, qaado c "*t as itr ,,
form s pf para ni.-
compromacUr-se perante o gu*


* .


-. ...'


**.' "


p


p
4


9'


.^


1-1 f,,-f tr


",


T v7ll


'1







- 0.-A" '*


* *


EM FACE DO


CYNISMOQ


Nao mais pretendiamos voltar Bern que sabemos cou.o est i-
a repisar o assampto, ji tao dis- vi planejada a campanfia pelo
cutido, do furto escandaloso pra- ridiculo grupo de ahistoriadores
ticado pelo celebre fr.inchinote car6cehas que desejavam fazer
dr. Tubiba, juiz substitute do um cestudo social, religioso, po-
Crato, por occasion do arrola- htioo e material desta terraj...
mentor dos hens do Ifin.io JOSE' dFoi-se tudoe, porem, cquan-
31ARROCOS: ndo mai, c'nmilto Martha fiou...
eficito, pretendiamos voltar a es-- Maiuscriptos e documento-;
se assumpto. em virtude dle, por de in'portaucia! estio com elles
complete, julgannoi inutil qtual- o; ratoneiros, mas sem poderem
quer outr- commentario. mas a u sal-os porque nenhumn querer-d
isso somos forgados, urna vez denunciar se corn) Idlrao por
que ease galtarro ainda teve a tel-os furtado, on consentido
nudacia de querer justificar-se. que os furtassem, ou por ter-se
dizendo com todo aquelle cyntis- apossado do furto.
mo de z ibaneira que tanto o ca- D'estas cencareas> temos da-
racterisa que foi o nosso Reda- do muitas, e. por* isso "anto se
ctor-Chefe quem furtou o0 cita- aespritaramit... "
dos manuseriptos e documen- A sorte dos serm vergonha'e
tos!!! descarados e infames e cagaro-
Temos visto ladr6es muito cv- Iwa. desta marca-cantonio fuiza
nicos, mas d'esse cynismo do dr. ou desse jaez do Tubiba e sem-
Tubiba nunca os vimos. pre essa...
Achamos demasiado engraia- Nao pode haver cousa "maus
da a jnaneira por que esse fran- digna d'uma gargalhada do que,
catripa quiz justificar-se qu.ndo o desse ban-
pergunta-nos pelas aprovas que doleiro e cagarrla Tubiba, quan-
temos para tvo convictaimente do, depois de tantas, accusaoes
affirmarmos que f6ra elle. ess0 por n6s feitas, relincha, qual e-
gandaeiro e safado, o ladra3, gua bravia a retouear-se n6s


depois de terms commentado
as suas' aixesas de infame.
E d tao al jecto essay Tubiba
de wvntem que dinda se anima a
perguntar-nos


-u -poeae to ianrt-
que ativessem visto a pre--
sei. a de taes livros eL-
tr- os demais, por occa-


eampos.mordendo os garaphoes,
-dizend- que foi o nosso Re*
dactor-Chefe quemi praticdu c
ftlrto!!, *
E' o cynismo on o des spero'
elevado aoRgrau maximo de sua
Mas vejam 1a os nossos leito-
res: n'esse chumaco de palavras
intituludc Luz no quadro' do


ue pr duer-se o
invenarioceer-seo j.Correio do Cariry" de 4 de de-
Szambro passado, dis.,e o seu aun-
Responderemos corn c pubF- ctar, o batorelha do Tubiba
co: nio temos testemunhas pa- que o Padre Cicero foi quem
ra apresentarmos porque elle mandou furtar os livros e docu-
Imesmo, o ratado e relaxado do mentos; e agora na mesma folha


Tubiba, nao consentiu que as
honvesse.
E quando testemunhas hou-
vesse por occasion do inventario,
nao podiam mais encontrar os
livros porque, como provamos.
durante o prazo que mediou en-
tre a recusa do telegramma de
Deusdedit Marrocos e a chega-
da da procuragao por escripto,
prazo esse em que a presenca do
Padre Cicero, onu de quem quer
que o representasse, era vedada,
elle os furtou.
E aqui perguntamos: jf se
viu furtar 4 vista do dono ? o la-
drao e que espia o dono e nao o
dono ao ladrao.
Para que desbriadamente, d es-
bragadamente diz : de que

-serviriam Ais autori-
dades takes livros todos
estes de religiao, como
sejam A vida de N. S.
Jesus Christo, etc.,?

CNo foi sus Christo>, mas Os inysterios
do Sangue de N. S. Jesus Chris-
toa, bemrn como -A questao reli-
giosa do Joazeirov e os cAppon-
tamentos para a historic do Ca-
riry... e mais livros.
Nioe mais servirlo agora taes
obras e documentos, porque ji
foi descoberto o furto e frustrado
ji estd o piano miseravelmente
-- architectado contra o Joazeiro e
o Padre Cicero.


ue 2O udo referiuuo miez, udiz o
mesmo bandarra que o nosso
Redactor Chefe foi quem os fur-
0to2!!!
O public que reflicta sobre essa
cacaborrada ridicule desse mise.
ravel casquilho e bananzola Tu
biba e faqa o juizo que mais ihe
convier sobre o character desse
garoto "sai generis".
JE ease palatreneiro, querendo
provar conceito no Crato, 14
vem lembrando o tal protest de
sessenta mocos da eschola, do
tiro !!!...
Fique sabendo ease Tubiba
desgracado, esse typo de rua, es-
se arlequim de betesga, essa pus-
tula cearense, que a maior parte
d'esses moqos assignaram esse
i protesto por consideraq6es... que-
Ibem que as conhecemos, e o res-
to porque Eao empregados e pa-
rentes do chefe mulambo e por
nada mais.
Podemos dizer corn certesa
moral que esse protest tern
valor da seguinte protecao:
"conte commigo e durma no
matto..."
E si nao, tu, verAs, ti fuchi-
queiro! th, safado!...
Nada melhor do que "umrn dia
depois de outro.4."
Muito nao tardar que easess
mocos que ainda estao engInar
dos com esse Tubiba e coagidos
pelo tal chete de bobagenm,"
conheqam e saibam por que es-
trada estao send conduzidos...


% -.3 %Irv


0u K I A- It -- _

O .u eh' ta ,Ue tiveuidado, vis-
-do 'iry, 0e nni~cA' ocomo esse Js I$ versu ad
Sd, .
Crato e Cinpudcr 'ta zona, perde W Ciceroatsapasgnar
deante d'elle todos se 16 MVu telhr U dftbiat. .ssah gnar
prnest.ado4he hmornngemn e... o nossd Red o-Chefe,. be-
Shoe... hoe... nsimples "an- com guns amigos d
tonio luiz o tao desgriqado e tao qui, a queni die os odeia de
infeliz e to f6sco e covarde que, morte. .
equal "caehorro guenzo e eafame. Si bem nao. acreditassemos
!d" "mao tm coragen d d 4i- na realigsaio do tAo complex, :
xar o aoase cratenev quo tanto sinistro plano, todavia compr
temr ruido... hendendo perfeitamente qu t
0 n,',so console, waiba o pa sejo A esse miseravel peqvw..
blico, d que o vesanio d'esse Tu- lhe nao faltava, davamos a .,'
biba, pelas infamies e baixesas tender que estav imos 4A par dea
que tern cnmmettido, assnombran- perversidade de sua "fnln "do.
do-se como Mackbeth de sua| E mais: ha, pouco mais ou
propria sombra, nae se deamora- menos, vinte dias, amigos d a-
;Ai muito n'essa localidade... qui, residents nos sertoes vi-
*E nos, porque disto temos pie- sinhos, nos fizeram ver por cartas.
na cer3sa, ja nos preparamos que o tal chefe esmuhlmbado te-
cor "fouetes sem bombas..." ve a coragem de sjllicitar-lhes
para festejarmos o santt vae em- cangaceiros contra n6s, nao os
bora ... i conseguindo, porem, devido a
Que Deus tire logo e o diabo recusa formal que Ihe f6ra dada.
o conduza aos ponnta-pLs maca-i Em vista d'esta communica-
bros Para bem long, porque, iao nos convencemos de qae o
perto, teremos que lament ir o piano se armava...
effeito.das fuchicadas e safadesas. Ao mesmo tempo nos commu-
para o desempenho das quakes jai nicavam que o bandoleiro d'esse
tem o competent ctalagI ... cliefe... dizia aos seus amigos,
Que o diabo, poit, o conduza alguns dos quakes nol-o fizeram
Ipgo e logo esse Tubibiba infa- I chegar ao nosso conhecimento
me e covarfe, fachiqueiro e sa indirectamente, que elle, desen-
Tadf e nao se esqueqa tambem g inado d'aqnella arrumacao por
de sen etmulambado parent que fora, assentara calumniar-nos
de poire na chefia do Crato os perante o Exmo. Sr. Prsidente
urubfis ja o estao beliscando. do Estado, como pretendentes a
um ataque ao Crato com forga
aim ida, para; por esse meio, ob-
pe0 r e5O Jter mais oldados e corn esse
\W element poder realisar a sua
perversidade...
*"1 P' lQue perversidade que piano,

De sd tbro d- anno p. Aprecie o pubhco como a'
passado quess atonio luis pantalonice, a bestidade desse
vociferava quc peste mez de ja- chefe p*rmitira-lhe a concepciao
neiro mandatia esbagagar o Joa- de tdo infuliz plano e como elle
zeiro, simulapdo cobranga de comegara de executal-o.
impostos muniaipaes, garantin- Dn-u crdem ao referido Tubi-
do contar para isso cornm auxilio ba para insultar ao padre Cicero
do governor estadoal e do go- pelo seu Corsario, afim de que
verno federal!!! o povojk-azeiranse, que o estima,
Ingenuamente, a quem Ihe respeita-o e considera-o, se re-
ponderava sobre a gravidade voltasse e se agitasse em attitu-
d'esse ataque, respondia elle na- de de sublevaago.
babescamente que, si assim nao N'este comeitos, procurava a-
procedesse, l'ao continuaria a busar da boa f6 d'alguns cava-
chefiar o Crato, e a alguns ac- Iheiros d''qui, que ainda o sup-
cressentava que havia de trans- punham corn elements vigoro-
formar o Joazeiro em um novo sos para as suas taimadezas, in-
Canudos, declarando mais que cutindo-lhes no espirito ideas de
s6 assim o padre Cicero sahiria reach ko contra o chefe por n6s


do Cariry eelle ficria vingado.
E nio faltava quem nao vies-


aclamado, o d.stincto amigo co-
ronel Josd Andre, para poder


se communicar-nos os seus es- conseguir aqui um partido con-
parrames de bocca, -as suas ar- tra n6s...
Iruaas de tareco, as suas faca- Aproveitara por esse mesmo
nhas de D. Quixote; mas n6s, tempo a occasion de constituir o
que nunca acreditimos n'essas C(etama de Barbalha como u-
pachuchadas de tarilo de feira, ma tribune de declamaigo con-
gargalhavamos a valer e respon- tra o padre Cicero, para nao so-
diam->s-que viagem de bocca mente desmoralisar os nossos
rodo..o aau1d a faz... sinceros amigos coroneis Joca e
E foram-se passando os dias, Santanna perante o Presidente
e cada vez mais, do chefe des- do Estado, como tambem para
morulisado, accentuava-se a provar ao public que a Barba-
carnuw lesca bravata... de que lha e Missao Velha estavam re-
ji tinha telegraphado aogover- voltadas contra o venerando sa-
no federal e que este lhe.,pro cerdote.
mettera nao sei quantas birga. Fez o orqamento da camara
das de soldados. Alem d'estas do Orato, sobre o qual fallare-
brigadas dizia o taimado e estu- rmos largamente mais adiante, e
pido desA antonwpyequeno con- incluindo o Joazeiro no r61 de
tar corn todos os cangaceiros dos suas victims, procurara um ty-
sertoes de Pernambuco. E tudo po sem imlaortancia, um tal Vi-
isto para nos reduzir a cinsa e cente de Ritta,p er nao encon-
poera... trar outro, e cAncedera-lhe os
Mas, sempre uma cahinada impostos de feira d'esta locali
era a nosea resposta... dade por 3.000:000, (quandc
Do Crato mesmo recebemos n'outro tempo 'ao chegava pa-
diversas cartas nos communi- ra quem queria e eram arreraa-
ca-do oplano e! nos avisando tados por 7, e 8 contos de reis)


garantindo a .esEve arrcnmatan::.
responsabilisar-se pelo que hcn:-
ves'-e...
.E era correote em todo o C-
rfry que no dia 1- do current
serial esbagaqado expressedo d'el-
le) ojoazeiro... b,
J)eante de toes noticias o po-
hccu em.. expectativa, se:n
chamar em seu awilio canyjaceiro
algutn. como o oontrario, es,-
chefe in'ame e perverse, men-
tindo desbragadaraente, infor-
mara ou mandaraiatormar a,'
Exmo. Sr. PresidtMe do Esta-

Nas proximidcdes, porem, e)
1~ corrAteE, tivemos aviso c
que-le;, esseit-iseravel, ia man-
dar uma carta em nome do tal
arremnatant.e ao padre Cicero,
perguntando si pod a cobrar os
iorpostos de feipE, e pedindo que
the respondesse- por escripto, -
fim de que a resposta ..... .
do referido saceidote, ro-
gando o consentimento, serviss
de cocumento para ser acciona
do como unico responsavel !!:
Aprecie ainda uma vez o p :-
blico o plano que esse maldicti
architectara quando se viu per
dido.....
E ndo tardou que ch-gasse i
tal carta nos terms de que io-
ramos in formados.
O padre Cicero ao receber a
carta, como era natural, dec!L-
rou ao portador que se e:n-
tendesse :om o chefe e os nego-
ciantes d'c:ta praea. allegand)
nio poder responder cJmo o ia'...
pedia.
O p< vo ao'saber, que chegarn
esse portador, agitara-se, send)
precise que o p-dre Cicero provi-
denci~ase-'om enr-gta para' ev'-
tar algum desacato,como de fac:'
e evitou.
Declarando todos por uma s3
bocca que absolutamente no Jo-
azeiro nlo permittiriam inter-
venvdo da camera do Crato, a-
conselharam que se retirasse nu
continent fazevdo acompanlal-
o dois homes do povo.
Eis o que se deu.
E assim continuAmos calms,
sem nenhum receio de qne o
chefe rel-., do Orato, aqui man-
dasse cangaceiros,e sem inten-
cao, que nunca tivemos, nem te-
mos, de mandar atacar aquella
cidade.
E tio calmos estavamos que,
nQ dia 31 de dezembro do anno
p. findo, enviAmos telegrammas
de felicitag0es ao Presidentejdo
Estado e a outros amigos em
Fortaleza e f6ra do Estado,
pela feli entrada do novo anno
sem mais nada communicar-
mos.
Passou-se o dia 1. que era o
designado para o assalto aqui,
serm que viva alma de 14 do
Crato viesse.
No dia 2, porem, depois de
terms recebido retribuigao das
felicitacoes do dia 31, recebeu o
padre Cicero um telegrawma do
digno Presidente do Estado, no
qnal S. Exe. declarou

.estar ipformado de
qne cangaceijros d'aqui
iriam atacar o Crato, ap-
pellando para a sna in-
dis'aitlv, auctoridade


moral,atm de qbstar to-
doe oqualqner movimien-
to de perturbagAo da or-
iem allegando ser mais
um validso serviq6- pre-
stado stta administra-
Eis '' -Plan MO. oiti
Eisao piano... ftt o ftitie '-


&


- ~ .


S. .


'Ar 1i
b


I I


;C~'SPI


r


L~PR~LCI~I


I


I


/! H- J_ _-I--;.J_ __-_ _!__


IL~..~Y r







W'~;~. lW j fAL


-^ > *s *y- 7<<


,


- -------- _-0 REBATE
mown


ro' contra o feiliexiro...
0 revd? padre Cicero res-
pondera ao Exl? Sr. D)r. Ac-
cioly garantido que o Joazeiro

wnunca pretenden nem
pretende atacar o Crato
bem cemo que o povo
estava calmo

Conhecedor, entretanto, do
plano armado... o velho Padre
ponderara A S. Exa pedincto
I rovidenciasse no sentido de evi-
tar que esse antonio pequeno

o Joazeiro d'um ataque
c:om forfea armasla a ti-
tulo de cobranca de im-
postos.

Que juizo nao fez o Exm? Sr.
Dr. Accioly de tal typo corn esse
telegramma tAo calumnioso que
Ihe passara ?
Suppunha esse desgraqa;do
que o Presidente do Estado man
daria forga suna disposicgo pa-
ra realisar a qua perversiJLde?
Nao! o venerando estadista,
iip-ihendendo a capciosidade
da informago dada por esse per-
verso contra n6s, ordenou ape-
n is que as forCas visinhas se con
centrassemn no Crato, sob as or-
dens do brioso commandante ,o
Batalhao de volantes. nas tio
somente para garantia !da cida-
de e nao para vir atacar esta lo-
calidade.
Devemos adiantar mais que
emquanto esse chef.-, esmulam-
bado arreliava o digno Presi-
dente do Estado corn telegram-
mas calumniosos e impertinen-
te:, n6s, aqui, guardavamos si-
lencio, demonstrando assim a
confian9g que temos no espirito
de ordem e no alto tino admini-
strativo de S. Exci., silencio
esse somente quebrado para fe-
licital-o pela feliz entrada do no-
vo anno.
Atravez dessa exposilio com-
plexa,quem havera que nao diga
que o plano sinistro e perverse
d'esse antolAiO luiz fedelho con-
tran6s era este: garantir exclusi-
vamente com a policia a cidade
do Crato e cornm cangaceiros de
que alli desp6e e corn o admini-
culo de amigos,que ainda julgava
ter par aqui, atacar o Joazeiro, e
esbagacal-o comod'zia.
Era esse, corn certesa, o piano
sinistro d'esse home, desse
chefe... mais sinistro ainda...
Mas assim nao acconteceu.
Foi-se tudo quaniwMartha fiou...
Elle, esse covarde que, caium-
niando,procurara provar ao Exm.
Sr. President do Estado que o
padre Cicero arrebanhara can-
gaceiros para atacar o Crato, fi-
que sabendo, passown pela dece-
pgAo de ser desmentido, visto
como S. Excia. no seu ultimo
telegramma de 4 do corre-te
ao padre Cicero declarama nao
ter acreditado em ago calumniosa
e injuriosa informacao.
Tal a convicgas que tern da
prudencia, da cordnra, do espi-
rito de ordem, da moderavgo e
do alto tnteresse e da dedicacto
do benemerito sacwdote de J.
Christo, pela pasz e tranquilidade
de toda esta zona, que 8. Excia.
assim externara-se, o qwue equi-


vale, portanto, a um formal des-
meptido A esse candha.
- Oh! como ease antonio lutz
pequeno perverse e misera-
vel!


C(omo se $I t ut...

Eis o boletim que a redaceqo
do 9Cetama, de Barbalha, fez
circular no dia 3 do corrente:

do CetamaD

,D!pois de ter sido destribuida
a nossa .,plha recebmos o as-
guints telegramma:

fortalza, 2
Tem causado geralmente mAr
impressao aqui a BAIXA lingua-
gem e insults d'0ORebate- do
Padre Peixoto, atirados as pesso-
as gradas d'ahi e do Crato; todos
admiram o Padre Cicero isto
consiata, pois estd prejudicando
o futuro do Joazeiro.s,
D'esses sermoes de encomen-
dti jd temos visto em grande es-
cala e cornm elles ja estamos mui-
to acostamados.
Esse anionio luiz e perito,
bern que o conheeemos, na arte
de telegraphar para qua se faga
;'quillo que elle quer.
Si jk esta coom medo da baga-
ceira moral que Ihe preparamos,
retrate-se, mas nao ordene
que se passed telegrammas de
tal natureza para a redaceao do
cCetama.
Pouco nos afflige a

,ma impres; &) que gc-
ralmente la tem cau-
sadoe

os nossos artigos cau-ticando
uma xAia duzia d# canalhas
que queriam ser grandes e ter
importancia a custa de nossa
prudencia.
Cumpre agora a redacgao do
respondente em Fortaleza que
o Padre Cicero Romao Baptista
a quem o Ex'.? Sr Dr.Nogueira
Accioly presta-lhe toda a consi-
deracdo- e do quem faz o me-
lhor conceito, uem como todo
o pessoal important destes cen-
tros, como manutenedor da or-
dem, o real conciliad r nos mao-
mentos difficeis, evitanlo cho-
ques e conflagra ges, 4tem sido
barbaramente insultado pela re-
daccqo do cCorreio do -Cariry
por ordem desse chefe abanda-
lhado ant-nio laiz e desse pati-
fe, serm vergonha, dr. Tubiba,
juiz substitute do Crato, ladrdio
de auzcntes, e eterna vergonha
da inagistratura cearence.
E si nao quizer dar-se a esse
trabalho A gagesa por ser sus-
peto, visto como fumava no
mesmo cachimbe, diga-nos quemo
So correspondent d'essa folha
em Fortaleza, para que possa-
mos dar-lhe corn exactidSo a
precisa informacao.
Nao nos apavora, nao nos a-
medronta o tal

preinizo causadoao
fatcrj do Joazeiro~,

por isso, porque prejudicado se-
ria ellesi assim nao fizessemos.
E que pzejuizo poderi ter e
Joazeiro, perguntamos n6s ao
correspondent do Essa ponderaao 6 urma ver,
dadeira meninice, como tantas


outras que, desse r6to chefe in-
fame, do Crato, tern partido.
Si e s s e correspondent, a
quem nao temos o prazer de c6-
nhecer, ainda nio conhece -ease


PR"O ESTO
.


N6s, abaixo assignados, na-
turacs e romeiros dov Joazeiro,
revoltados, contra o enorme at-
tentado A honra do nosso verda-
deiro amigo, o iPvdm. Sr. Pa-
dre Cicero .Ro Zo Baptista,
commettido .daepres do
Go'rre6T5o Oryi, n. 31A de
1- de Jane iro corrente, protest.
mos ecergicamnepte em nosso no-
me e em nome de oessas fami-
lias.
Este nosso protest ndo 4 do
quilate do da eschola do tiro, no
Crato; e um protest nobre e al-
tivol expontaneamente por n6s
feito e de real import..ncia, por-
que,alem de ser d'uma populagao
inte.ra, dao pjcera, nem sera
contra-protestado por nenhumal
outra localidade, estamos certo,
inteiramonte certos.
Os insultos, at. calumnias e as
injuries atiradast covaiemente
i tace do Reverendo Sacerdote
nao o attingiram, nem o attingi-
rdo-nnnea! voltaram intactas
pel' forqa de repulsdo encontra-
da nos rochedos de sua dignida-
de, ao sen ponto de origem.
De modo que protestamWs
nao tanto pelo effeito per ellas
produzido na alma branca de
nosso venerando aiigo, como
porque a covardia 4'esses indivi-
duos sem renpQnsabilidades per-
mitira 'que eglJewr Ilveszm
em sel grupiM sermps
seus amicos estarmos em
harmonia corn elles, quando dis-
seram que somos tambem vic-
limas do Vampire que nos ssga
o sangute.
Para desmentirmos por:com-
p leto assergao tao injuriosa aos
nossos brios bastava dizermos:
0 Reverendissimo Padre Ci-
c ero e o nosso cunico e verda-
deiro amigos e sombra de sua
sincera amisade 4 que a felicida-
de no? tern so.do, ate em *
nossa propria dor.L' ,o
Contra o sen nome augusto
nada, temos que dizer, sinto
commettendo o maior dos cri-
mes-a ingratidio; entretanto,
i fav6rjde' sen nome immaculo,
na defesa de sua pessba empe-
nhamos todos of nossos brns,
todas as nossas forgas, todas as
nossas energies e ate a nossa
propria vida, obrigados pela gra-
tiddo a que elle tao naturalmen-
te termfe to j6s. 3Is1 *,M
Eis, por tanto, a prova patent.
te da mentira publicoda, o des-
m jnt'4 formal no art go Joaei--
ro d'agua~abaixoj ou,. aCbiba,
te aobembust, publicado no


covarde -calumniador infame e
perverso'qafe aco4I por antom
lais, tern alguma 4pesculpa; mas,
si, ao wot~rario, j4 o conhece,
deve sabe de qdieto canallin-
mo, de quanta baifesa e infami-
a e capaz espe typo pra sacimt-
se de vinganca; e sendo assim,
nao merece importancia esse 1
legramma a favorr das taes p4
seas grtdaas e contra n6s.
Emfim, a redaccao do Oe-
tama que tAo bemrn sa#ube dar
o recado per meio do citado
boletim, d& tambem a convegim
ente respostl
^ "^r .A


refterdo Correio do C(ariry. de
1 de Janeiro d'%ste anno.
Etta cuimprido o nosso evere.

Villa do J6azeiro do Padre
Cicero, 2 deJaneiro de 1911.

Jose iAndre, Padie "Joaquim de
Alencar Peixoto, Jose Elentherio de
Figueiredo, Pedro Fernandes Con-
tinho,Pedro Sobreira da Franca, An-
tonio Jose de Mello, Ananias Eleu-
therio de Figueiredo, Antonio San-
tino de Oliveira, Antonio Xavier de
Oliveira, Francisco Nery da Costa
Morato, Abdizio de Figneiredo Ca-
bral, Cincinato Jose da Silva, iOcta-
cilio Jose da Silva, Antonio Patricio
de Oliveira Tutui, Vicent3 Ferrer de
Oliveira Tatti, Joaquim Paulo da
Silva, Diomedes de Siqueira Passoe,
Francisco Assis de Siqueira, Joao
de Siqueira Passes Filho, Jofo0 de
Siqneira Passos, Pedro Domingo da
Silva, Joao Bezerra de Menezes, Ma-
noel Victorino da Silva, Manoel Ro-
drigues de Lncena, Raymundo Non-
nato de Oliveira, Jos6 Ferreira Ide
Menezes, Jos6 Lourengo da Silva
Zuza, Ildefonso Augusto Lima, Ray-
mqndo Angusto Lima, Joao Dnarte
Pinhe'ro, JusA Angusto Lima, Silvi-
no Rodrigues Gomes, Irenio Cabral
de Oliveira, Angelo Ferreira de A-
ratjo, Firmi'ro Teixeira Lima, Flo-
riano Vieira G6z, Jos6 Sebastiao de
Carvalho, Joaquim Alexandre de A-
rainjo, Jos6 Bruno Angelo, Joao A-
quino de Oliveira. Joao Severino
Leite, Antonio de Souza Correia, Jo-
s6 LourenQo da Silva Netto, Domin-
gos Gomes da Silva Manoel Antonio
CardofaErneeto fbe]ll o, i.-
miro do Livrame ld Piai&6, AntDoi
Casimiro do Livramento Pianc6, Jose
Casimiro Pianc6, Jos6 Julio Carnei-
ro, Paulo Maia de Menezes, Franci-
sco da Cruz Neves Junior, Joao Vi-
etorino da Silva, Benedicto Ferreira
Nery, Martiniano Mendes Carneiro,
Manoel Casimiro Pianc6, Raymando
Pereira Grangeiro, Antonio Vidal de
Lima, Pedro Leite Cabral, Joao Lei-
te Cabral, Pedro Bezerra de Menezes,
Antonio Leandro Bezerra, Bernadino
Jose iGonsalves, Antonio Ferreira
Monteiro, SebastiSo Ferreira Mon-
teiro, Antonio'Luiz deAssis, Vicente
Francisco Gonsalves, Ricardo Gomes
da Silva, Francisco de Paula Mene-
zes, Manoel Martins de Arafujo, Ma-
noel Felippe de Medeiros, Antonio
Luiz de Mello, Antonio de Souza Ca-
bral, Jose Francisco le Souza, Joao
Marcolino Bezerra da Silva, Rubem
Ayres de Menezes, Pedro Ayres de
Menezes,-Jos6 Gonsalves Pitta, Joao
Ferreira de Araijo, Joao Pastor
dos Anjos, Francisco Augusto Lima,
Cicero Fernandes Contiuho Filho,
Pedro Fernandes Coutinho Filho,
Jos6 Evangelista de Santanna, Do-
routheo Sobreira da Cruz, Raymun-
do Satyro da (Cunha, Joaquim So-
breira da Franca, Jos6 Xavier de
Oliveira, Antonio Maximo do Bom-
fim, Jos6 Maximo da Hora, Jo3go
Antonio Bomfim, HerCulano leira
da Silva, Profirio CQrreia de Franga,
Joo Henrique dos Santos, Luiz Jos6
da Silva, Joao Correia :de Franca,
Francisco Rodrigues Leao, Franci-
sco Gomes da Silva, Francisco Li-
bflares Toun-inho, Joaquim Alves Fei-
toza, Firmino Barbosa Seena, Pedro
iartius, Pedro B-zerra Maia, Ma-
noel Valentim Ramos, Manoel Maxi-
mo Teixeira, Francisco Jos6 de Mel-
lo, Ez~qniel da Franca Cabral, Joa-
quirm Baptista de Alencar,Gnilherme
Moreira Ramos de Maria, Antonio
Perigo de Monte, JosB Perigo de
konte, Joao ;Baptista de Oliveira,
do9o Duarte de Ati'rade, Maneel
Felippe do Anjos, Joao Toinaz de
Odoci., -Manoeel Jos6 de Araujo,
Jo'QiRodrigues de Araujo, Theodoro
Francisco Bezerra, Braz Bispo dos
Santos, Joio Correia de Lima, Ma-
'ael Pereira da Silva, Jose Ramos
de.Oliz-a, Henrique Jos6 Ramos,
Galdino Antonio dos Santos, Mano-
el Paulino de Ramos, Jolo Ferreira





Olrebalti


Deixara de sahir domingo pr.
v'ndouro esta nossa folha, de,,i-
do a um accident na machine,
pelo que pedimos desculpa aos
nossos bons leitores.



SCon o mtissita do Crato

Deixamos de dar publicidade
A sua vibrant 4. carta por ac-
curru'o de materials inadiaveis.
Publicaremos, porem, no proxi-
mo numero.



Tilepmaast rfetidos
resta E$fsa(o do Joashifo

De Milagres Oeari para Jo-
aquim Pereira.
t)o lgath Ceara para Maca-
rio Teixeira
De Barra do Corda Maranhao
para Nelson Moreira
De Canind4 Ceari para Boa-
Ventura.
De Lavras Ceara para Pedro
Romao.



Quer V. S. curar-se de ASaWHMA?
Uzai o XAROPE DE AROEIRA
COMPOSTO de SilvinoSilva
Barbalha-Ceara

*


d Almeida, Jo&o Ferreira de 4.?ui-
azirnWPossidonio Ferreira d A pgui-
ar, Joaqaim Ferreira de Aguinr, Jo-
ao Ferreira Lima, Joaquim Victori-
no da Silva, Joao Rodrigues Montei-
ro, Antonio Ferreira dos Santos,
Jose Felippe A Medeires, Miguel
Felippe Ribeiro, Francisco Manoel
do ;Nasciment%, FranAsco Cardoso
dos Santos, Miguel 'dos Santos, An-
tonio Goncalves Barboza, Antonio
Marques do Nasciminto, Jose Fran-
ciseo Rezes, IBiantr Carvalho, Eze-
quiel F. de Almeida,. Faunto da Cos-
ta Guimaraes, Satiro da Cunha e
Silva, Manoel Alexandre Ferreira,
Jos6 Fernandes Continho Filho, Jo-
ao Vicente Ferreira, Manoel Vicen-
te de Carvalho, Manoel A'lve3da Sil-
va, Jos6 Alves da Silva, Damiao
Pereira da Silva, Vicente Ferreira
de Aguiar, Pedro Correia da Rocha,
Fr..n isco Maximo de Oliveira, Ma-
noel Baptista dos Santo 3, Angelo
Lucio dos Santos, Germano Joaquim
dos Santos, Luiz Correia de Franca,
Jos6 Alves Feitosa da Gama, Anto-
nio Bezerra de Meneses, Jos6 Go-
Imes da Silva, Joaquim Jos6 de San-
ta.ina, Ptacido Bezerra de NorOes
Manoel Joaquim Ferreira, Adonis
Bezerra Maia, Antonio Correia Rosa,
Manoel Soares da Silva, Pedro da
Mata Carneiro; Joaquim de Cordeiro
Sobral, Arthur Ferreira Romos de
Vasconcellos, Manoel Honorio de
Lima, Vicente Rodrigues da Silva,
Joaquim Perigo de Monte, Manoel
Marrocos Sicupira, Vicente de Pau-
la Lima, Antonio Vicente Ferreira
da Silva Lima, Jos6 Ayres de Mene-
zes, Manoel Rodrigues Macedo, Jos6
Rodrigues de Macedo, Joao Ceroni-
mo, Pedro Nery Santiago, Jose The-
motio Pereira, Joao Caetano d- San-
tanna, Jois ferreira Pires, Joaquim
Barbosa da Paixao, Alvino Barbosa
de Olivera. Joventino Barbosa dos
Santos, Peluzio Correia de Macedo,
Manoel Santino de Mello, Caetano
Vieira da Silva, Jose Pelusio de
Mactdo, Luiz C'al'i de Oliveira,
Simiko Joste dl Souza," JoAo Gomes
da Silva, Mano ~.eae da Silva,

\ (Cobtinia)
.

4*

5rASt ~jo* XA^'^


*pop"


SA. 4 w__- _


J..A






.1















i
I


,V'2





















S,4/
4


















A
4<
S,.

,1












0'

















"'4 ~


4'.l


ri we 4

_ ; .*

y{^\^ ^^i~e^ I


JASEIR6



-,4 V d Garasfl n.f l tsdo P:Pr
nmaff 2e -e h tik--% <- ta e- i nm c Ucomplz-ktca e h.es -ntO
tdi fasends e d rcrador;.' ,ao vtee pTo
jprqe .Am eomn*tBenCi. a chii.e.ro mem
ci mnais exigente freie:-.
lima visitaspois. a LOJA K--THELLA_
dt (cincinat SIl... Raa PIZre ('- r


PMHAMACIA CARVALIO
Ha neta conceitnada .rpLruncia umr
variado sortimento de drr-' pr-oiw,-
chiilcos. espFcialidad". p-'arr7n-.e-at -
-acinaes e estrargeiras.
Aviam-se recmitas a qralquer hcLra corr.
promptidio. cidado e p s i'..
Rua Padre Ciero n*. 41.


0 BARATEIRI-
Msnoel V:ctonn o d Sla. h cac da
( iji b rm arti'a< c,- tr t'e.'i. "0: tP-d

Padre Ci-eero. r,. .
in- ~ ac r c ii"


rro oe so-m co"p- --- ...... -


--A. POPULAR
Lcja de faendx-s e tr- r-Z rf 'i
ecimir-rc. c vendas p-Io cn to r. -trpe*nr-
a d
L". f,'5 e na Rua Padre Cieere a Ica n'
30. que serA oer..lo mihda de s-ea de-



DOIS IRMAOS
Leja de faendas,. ferragens. e .t;'vau.
ma Praia da Liberdade, n'. 972. Sineeri-
dade de n gocio, modicidade de prec aflabilidade de fmragiueia


Diomedes Siqueira & Irm-So.


FUNILEIRO '-
OMcina complete Je todos os arte-factos
utensilioe em landres. com grande sorti-
mento par, vendas em grosso e a retalho.
Si acharem outro barateiro, nib ha de
ser tanto como o proprietario Joio Antonio
Furtado.
Prajada Liberdade n'. t78.




LOJA
de fazendas mercadoria. estivas, ferra-
gems, chapeus. Tendo recebido do CearA
mm complete ortimento dos artigos acima
mencionados que sao veodidos por preeo
Sea competemnia, convida todo o public
para faser ama visits a dito estabelecimen-
to que so eertiieara do que 4 affrmado.
VERDADEIBO QUEIMA!
APROVE1TEM? APROVEITEM!

Jo4 Baptists de Oliveim.
BRu: Padre Cicero N". 336



/SAPATARIA-

t apatara de Joqunim Beserm So-
I saea-s i disposiio do publieo e do
migms e enearrega-a do tode e qualquer
rtabalbo am coir comn grande presto
modicldade eA pros. Rua do .Cruiiro
.*. 990.


*~, .*~'


M ** do briN a n w ."ano wt+, mnui-
D + e.f smitis*,ta kafoutal, & & AL Janeiro 1909 .. 1. ...uma.outraso- to ,o

podee- trear hemei S b .objeto ppAS prteco. Ps d M, ... .. r
preep-,ectsdW.. u....propostas, -ad.e ____,Ribeia
daeo 0 d' 0" leate te p ua r issui sets e inaqoeade Maraa
on em miauha reideaci.- Prom os se ompetidort
P mut s.no-, ate.
erm me Ad as atrar e e -t.o Sr. Ma-
--ooPedro XaBier e Arjo j J geu Miag re crs g--
45-Eo dp comamBreio..5 tisicU .d


If4 A


?"wor I, I A- .- --.,-


oW


-'


* ..~.:


-r.


IF- ..-


.gaflnte d I popional o Prejiado pd- ffirino Jrj e '
we- Ti a p r d-sejat o tWres


SA! TAOI,/ t- i EONMISAUUBA ARB" LHA

A I AIXA SyTERNACIONAL PE +E 0 rel w A uralive

<^qver t obzb&o tod em oS ro em 1^f "' .pprod PT ,---, ---- N! I a
.... 9^ .d e ft de g.d- no Tha .e.w- + ,..s.o-- .


pre'eo rasuave~~. Alaiga-se ua re a a Was Larnera en gistad na Junta COamereii .a, l o COewre atorisado por decreto
r p .. ....-. 65. rande. g em commodod para SaM Psale. Novebro de 1
I, Irenio Cabral depliveira ne m sa fmila, 0$-00 rs pagmEent Side em S. PAULO: RUA S. BENTO, 63 0 RcumatizJaw em qua'quer i..:
R:a do Cruzeiro n? 1, 5 | trinestr-e ad-RtA.o. (AAtigoeecriptoriodaCoimpanhilMogyana) peaae d eaeryicaareate womba~io: .Sui.
-Alaga-se orra Asa. na meita Rau. n. Filial no Rio: RUA 7 DE SETEMBRO. Uleeras de quTaZlr z aturesa m4 '-
do lalcoTboa par c-. panizpos i- 113 1(3od trnm peile; Escrofulws: Caewms re qn"'" ...-
eo, e 1 pr iae.. pag A tr ENTRE GONCALVES DIAS E AVE- Iesitk de okrigem ,eeria; no ELIXIR ,
EAAA IA i metre adeaae r a ma cua
M C IA A A tractar na Raa Grande, sobrado n*. 48 -IDA CENTRAL) CANINA.A enem.r a ena cura
S OLIVEIRA & NATIM com J..T. Marro e rapWav
OLIVEIRA & NATI co J. J. T. A venda na2 Pharmaeias e- no .. :*
Spropreio de aditdo ete- PRESIDE E-Snador Luiz Pi geral. Pharmacia Silva.
proprietio dese erditado i Senador Estadoal ex-chefe de Policia e
*leepmeDto tando aratemente hgdo W s ^ ex-Secretarie da Agricultura, doE. de S. A P
r eapI .z d eado pubalo em gera quese VA PHARMAC IA XARO
roha cofrn amze ompleto em eral qento de SECRETAIA.-Commendador LDoncio DE
..cha.co am. oi.plete erteto di C4L Thphlo A. de S. Caaleante. Gurgel. da firma Silva Seabra & C.. da -.. -
m.reri a coneas exttrang :a T"ndo mudad a sa Pharmacia a Fabrica& de Tecidos S. Bernardo. m e e Eu y
do. .ra home e senhra. Travens da Ca!f.rnia n* 41 u GERENTE Dr. Claudio do Soua, me-
*C rIOe. cac('!ias de alum ninu. redotuass. t +P m ___netE' r.:n n 1 a-
extraee. ed de A i lrqu&lil. b rilhan- D" ei At ly. pr io 1- 33.com- dieo e industrial. Compo;to e preparado por
extrat.o de qbalora c qe hbi-m-i-303 Am. e fdade.q THESOLREIRO-Dr. Gabriel Dias d+ I
Sde babz pra o aabellw bi- frlgidtB qde I an-el Candidi dns Dores
bidaz de d versaz qua.ldade. consn srras. -tt-= ( n.-1 form esforsando-se Silva. advogado, eapitalista. director da
idoac de p.r d-e phanta-. bi roserr ^ -o0 .e esperando por iss Companhia Industrial de S. Paulo e d Mntontil nosintommodos do appear :
ut axes gr-as. ate ed t. merger a e ,nrinTA cj.o de snas etimada ComIpanhia de Pogos de Caldas. pulmonar. T,.-s, deflu.i,. Iro-;te. .
Tale o dinjhe/ro vikita e per prte CCordems.sle FleehMM ryft". a c 'na' e.,A a
modic`e. 0 PROPRIETARIO Crate 12 de Janeiro de 1910 ExMno. Snr. Conde do Prates, Director
OLIVEIRA & NATIM do Baneo de SAo Paulo-Exmo. Snr. Co-
ronel Fernando Prstes, vice-presidente
LM A -do Estado--Bario de Dnprat. director da l)c PAJ IVO A' DIDO
Sti ait L'. lDi M A TT ENC AO Companhia Industrial de SeoPaulo=Dr.
/'R Rodolpho Miranda, proprietario da Fabri- prep rad .r lo o tcario noell c" ;o,
Ari_; ar-s .fregnes -que ehegou m CaMa?, Sitio. fasendas e de o de Teeidos Arethusina, de Piracicab Dor. et e prov.a es -;cia nas
nf desor-tesnento de VinbdoPorto..Mo,- u.to .. "- pe Sant- e deputado federal-Dr. Jolo Alve Dim. rigosas affec e, botbaticas, syphiliti.
medies eproprietario-Pharm. L .. Pinto .
J' te.aG-de p,. rItrr,,. dJ .r e ... -."'Ijdor los.h:,t'"
J.nipapo. Aguardent de Caja de Lima e -. .. .. ciaio e o poderoso elimi-d c-
Canna- Cigarro Tupy.La Morena.Bowwc, r-:--rda s cdailadw n' Itnito de Fabrica de prodnetos chimicos) Dr. Pedro dnaas peroiazes que tei u- ort .
(coj SAo Bons.de Palha. as Quatro Ligas prcUar~ r a LV &pa aljviia a-soa Patna e Dr. Victor Godinho eapitalistas. doenas pert-nazes qu- te.,a--,
PoIa do"Pve mF' A ECONOMISADORA PALLSTA ieo deo ang;.e
PopalaBreeePeeqia oFagnha. Batde eerIpre c.ltsrada, declara, a aALSTA e Unico depesito na pharmacCa Jo-e an-
Manto_ieBreteL Excellente, Papagaio, Pi-- U-1 woiedade +mtua, gom seasagas do
auhy Bana de porc m ta. quem entereslsa que estio expostaf Governo, ejo finm 6 estabelecer a REN-
a vebda toda- s-.- casas nesta cidade DA VITALICIA mensal, em dinheiro, ao
Tale p -er pr*js modiewose E -as fazendas de gad neste muni- seus secio. Tern das caixas, a caix AA VA
Rua P. Cieeron.*2. cipio e no tim de Sant-Anna do a eaixa B HA MACIA
Cariry e malis Iu sitio no memo redo a t i- de Silrino Joe da Silva, na Rua do Co
ferido term denominado, Queimado* to. no fim de 15 annos, a ua enmo que merio, a. 8; tem am grande e varn.ao
,A S C S com engenho de t.rro e casa propria, nlto'or maior de 15sOO per men. qu ortimento de drogas, prednetos chimicos
Jer'onymo Francisco de Lima casa de rivewnd, tndo de telha e Os socios da Caixa B, pagam 5x000 de e spe cialidade pharmaceuticals.
tem, neOta localidade, A venda, das segur constrWio, cornm nma pequena j0is o 5000 do mensalidade e trm dim- Deach os receitnario com medi1--
mentos de reconheeida "preza e garante
casas de taipa cobertas de tlha; nma nascen<;a e a nade de pedra e cal, corn to, no fim de 10 .anos, ama penso qae aceio, preteza e modicidade de preae
sita i Rua de S. Francisco e a ontra canarial para desentas cargas de no poder exe der d 100$0 pord neaz. ..,.
na travessa da Rua Nova;pelaprimei. rapaduras, posrndo extensas mattas receoerapenslo,ea assoeinaV pagarA ao
rapede200:000;pelasegnnda 180:000 comn madeira de <-oastraco: outro "e" herdeiros neeewarios todas as con-
A'tratar'na RUA DOCRUZEMIO sim pede a aLuelle4 dos seus amigos tribnioes que le tiver feit, sem juro. U S
que tAm rn oesmo egoco, alleimentdpois q o m- Desappareceram de men sitio nu
SqeirAo por bondade' satisfaserses ear extinct, sen quo aos seas herdeiros burro cardio e nma burra castanha
1 HEGOU H G U! I compromise, uama vez que tern de assista qualqner direito. quazi preta ambos corn e.ta marca -
S aaentar-se por tempo indetermina- A pemuao ser paga ao proprio indivi- efcom a seglinte freguezia
SEMENTES DE MANI(OBAS DO do e ter de prover-s- de recurs suf- dno, ou ao sea procurador legal, on r
Pciente. ite dio de qualquor Baneo, quando o
umatuario us achar no extrangeiro.
0 socio contribuint em dia, quo ficar Qaem der noticias certas na Reda-
A melhor semente da actualidade Crato, 26 de Ontabro de 1909 impo.uiblitado as ts e- o d'O Reate o ier me entre-
Vende Jos Alves da Silva trades, depois do cino annos do associa- gr ditog- Animaes, ser gratificado
Vende Jos Aes da Silva Jo Rodrignes Monteiro g0o,em eousequeneia de molestia chronic
a precos BARATISSIMOS. 1 e incuranel, qt* o inhabilite para o tra-"
RUA DO PADE CICERO 0 hbalho, aserT considerado suspense e nao Barbatlha, Sitio Brejioo 10 de No-
JOAZEIRO DO CABIIY 0 C f Os pagaoto o de O anne Jo Demosthenes Ferna-des Vi.-ra.

-- +, de 10 a s, 20 o/o 06 pagamientos de 15
-----" .. .. .. .. ,
B"a at Mdo3DrrDo qEi e usrever nm ues-
b M A.- m0BELEN .0BRINBO pre .o e, MIL ORES
Grotifico bern a quem me entire 45--iJA DO O ~~ncO-i-45 vida. -a pe"AoparIto A
gar am poldro resilho qu desappa ATO-C EARA sero fora o neo --
receu na serra do Araripe siti0.O me. A ECONOMISA5RA a unieaC
Qneimada Grade, con a esointse fa t.ymto a deF na qe fae onrteo_ de doia em dois mezes e MI


-.1 L


+-