Rebate

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Rebate
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Creator:
unknown
Creation Date:
May 1, 1910

Subjects

Genre:
newspaper   ( sobekcm )

Notes

General Note:
Newspaper issues from the personal collection of Pe. Cicero Coutinho, Juazeiro do Norte, featuring articles on Padre Cicero.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
All rights reserved by the source institution.
System ID:
AA00001672:00065


This item is only available as the following downloads:


Full Text

u%.


I


/ EXPEDIENTE


O 0REBATE, -publiea-se som6 nt
REDACTf CHEFE--PadJ uim
AI\ -jear Peix6to.
GERE aosmino P. d'near.
uo, ,ATURAS

Semeistre ........... ..... .
PAGAMENTOS ADIA ~
As publicaVes de intere rticylar,
a& annuneios dependemd de t son-
4o0 pagamento adiantap .
A redacgo no 6 rt06 ti-
inedietorias, nem bliss
Wi6i asiguadas
Acceitam-se artigos de o. sciencia
tura etc. prehendo onditaes de
roggramma.
i&d. gteroeniaa at aphia-Rua
o cv e no-.34a3.

-JOASEIRO D ARIRY

S.






No sentido de ttenuar as des-
gragas de que form victims La-
vras e Sio Pedrc, levantam voz
em grita, disendc os tyrannetes
do Crato que naia houve de sa-
ques e roubos iessa, cosho os
houve n'aquella localidade.
Negam cq todo o cynismo e
descaramento que alli naquella
nebma indi0osa villa nio se de-
ra esses. horrors, e ameav rm
aos que os disserem, ou affirma-
rem..
Mas, essa iegawgio, por mais
intense que tern sido, nio nImpe,
nem powder' impor silenci A elo.
quencia poderosa doslfactds; essa
amepa, por mais terrivel que el.
la seja, nao impede A n6s de, al-
to e born som, diser, como temos
dito, a verdade.
A verdade ? ah custe-nos o
que custar; custe-nos a propria
morte,dil-a-emos sem tergiversa-
goes,dfl-a-emos comr todo o ardor
e enthusiasm e desassombro de
nossa alma de jornal'stas.
NAo somos n6s, grapas a Deus,
d'esss Aquem o medo e a covar-
dia Ihes empresta a certesa de
sua pusillanimidadee a conscien-
cia de sua deshonestidade; nio
soWmo n6s d'aquelles que por um
ceitil da camera municipal st ven-
dem com todo o despudor d'uma
hetaire sfomeada.
Assim a nega;ao d'esses mal-
vados es e ritos, conglomerate hy-
brido'de perversao, iniquidade e
miscria; a Ao d'esses esj.
ritos que a sao mais que de
sesper to tstrondoso fra-
casso ao ra satanica, infer


/


V


I.


)OMINGO, 1 DE MAIO DE 1910


VIao-s iascacaio..


nal; essa desbragada mentira-
de que nada houve de saques e
roubos em Sio Pedro, como os
houve em Lavras, n6s a pulveri-.
samos corn a logica invencivel
dos factors.
Houve, uao ha, como os man-
d4es do Crato, nto ha negar,
bbuve saques e roubos em Sto
Pedro, como os houve em La-
vras.
De facto, e uma verdade essa.
Affirmam-n'a os saqueadores
daquella villa que, por aqui, nas
immediaqoes desta localidade,
passaram condusindo fasendas.,
mercadorias e ate... perks.
Affirmam-n'a as proprias victi-
mas de S. Pedro como os srs. Jo-
se Dantas, Tirbutino Furtado de
Lacerda, Manoel Francisco de
Lucena,Jose Fernandes da Silva,
e outros muitos.
Essa mesma verdade, affirmou-
a aqui ao reved'm.? sr. padre Ci-
cero RomAo Baptista,ao distinct
vigario daquella freguesia, padre
Augusto Barbosa de Menesls, e
& varias pess6as que se acha-
vam junctamente presents corn
estes ill s res sacerdotes,-o pro-
prio Alfredo Cleobolo-chefe de
cangaceiros d'esses homes do
Crato, quando de vol-a, por aqui,
da Serra de Sio Pedro.
Um typo deste jaez do Cleo-
bolo pode negar o que disse;mas,
os que,por delicadesa lhe presta-
ram attengo, darlo em todo e
qualquer tempo testemunho do
que, delle, ouviram.
Essa verdade, finalmente, e
para nao irmos mais long, esta
no dominion publio.
Negal-a, pois, como os man-
i does do Crato e seus chaleiras, fo-
ra negarhaI luz do sol & pino.
Nem mesmo isto o proprip
Correio do Cariry pode fasel-o.
Pqrquanto o orgAo d'aquella
" gente em seu numnero 281 con,
fessa que os habitantes' de So
Pedro acossados pelo terror que
Ihes causava o element de de-,
sordem, que infelizmente ainda
nos envergonha perante a socie-
dade civilisada, s6 voltaram a to"
mar conta de suas casas, que enw
cpntraram -abertas denunciando
afti a piesenqa de malfeitores,
-. depois da chegada da forga, do
Crato.
Eis como se confess a verda-
de que se denega!
Si o elemem extra ce desor-
dem, como poderia deixat de per-
iturbar a order, Apaz,-4 tranquil-
lidade, em Sio Pedro ?
Si as proprias portha qMe fo-
iam encohtradas estancaradas,a-
Sbertas, denuiciando a presenca .
a acgao dos malfeitorescomo d
Sque ells sendo malfeiatores, dei-
xaramde faster o mial ?
,' =.-E' o casO de repetira phrase


* ANNO 1-NUM. XLI

casino de pedir-me auxilio para aquel
le fim, que no Igdati houvera um


A ^gento do CoA ezo do ariry, Copferencia a respeito, naao declihn f.
A gene do oireto do Carry, doonm d nenhum sconfreatefn
m o numeyIo 281 de sua folhai,, Que tecommendei insistenteme1"
diz que no 6 cumplice d'esses4 a todos os Cangaceiros que me o
ultimos acontecimentos do Can- ani, que afora Lavras, nao at:c.c.
y. Provas', em contrario, provas aMnRicipio nenhum.
niis quel irrefragaveis, provas Estas declarag0es affirmo sob jur.-
ais que irrefragaves, as mento e fp do cargo que occupo.
mais que convincentes, temol-as
i.Miss&o Velha, 22 de Abril de 1910.
E ahi, teowmu a. por ora, os lei- Ignacio Ferreira da Cunha.
stores; leiam-n'e e.aguardem as
demais que iremos YdFUvdo. Estd reouhecida a firm pelo Tabell,
qu Puico Caa irP w e pago o i,po to E. t d-


4


IJ"pr uama EAarpila de Ire e. : o' s,
devamente irstilisada.


de seu defensor:
aA perversidade humana des-
p\u-se de escrupulos para sacie-
dade de seus instinctos brutaes! ,
nQuem foi saqueador, barbaro C
e pervers6.&gsLavras, nio podia i
ser born em SAo" I.iro.- A
Si, como escrevinfia o roprio
Gorreio do (ariry=derramou-wle
a treva no espirito d'essa cohorte
que foi ; Lavras,. COMMETTEU AS
DEPREDAqOES, MATOU, e a gana d&
vinganca imp~ngida ao inimigo i-
NUTILISoU, em arreganhos cani-
baes, a estacgo dos telegraphss,
como e que essa treva do inferno,
essa cohorte de Satanaz podia
deixar de ser o que e e de fazer
o que fez em Sao Pedro ?
Impossivel! mas, simplesmen-
te impossivel -
Bern que o viu, e melhor sen-
tiu o Cot reto do Cariry.
Mas, quem nao pode, trapacei-
a, e quern nAo tem ras6es,, arroja-
se das alfurcas Gamb6a...
Chama-o, antes que elle te lan-
ce em rosto a tua origem, disse a
meretriz A seu filho no memento
em que elle feria, injuriaido a
um filho legitimo.
O detensor dos janisarps de
Sao Pearo obedeceu i mesma or-
dem e l1 veio corn isso:
SEspiritos machiavelicos!
Desnudados de sentiments
bons !
wConsciencias atufadas na po-
driddo !
aCerebros de seLtina!
(KEsgotos de materials fecaes !.
Que fetido!
Nao ha desinfectal-o.
Tape-se o narit qte cada um
di o que tem.
Si o estylo 6 o home, como
jA o disse alguem; si a naqionali-
dade do individuo se conhece pe-
fa lingua que elle falla; si o pro.
prio sutaque da. talla trahiu a S.
Pedro-o Correio do (ariry tam.,
bem trahio sua origem, revelou-
se no estylo soez aquelle escrevi-
nhador saiaguez, que sompre foi,
barateando senhorio aos Vasques,
bandid6s. homens menos que ho-
-vens emais que selvagens, pe-
los barrancos e ladeiras de Sio
Pedro .
.Mas, a verdade ahi esta de p6,
inabalavel como Rhadamemrte:
houve saques e roubos em Sao
Pedro, como os houve etn La-
vras. "
NAo mais pe? 'cesibm poderlo
negaLa O. tyrammate 49d Crato.
Odiil-a-so, porm, oduando-nos
corn aquella ainceridade do an'
jh de Milton que odiava o s61.
E, por lqui no' qumpendemos,
cham6ndo Jesde ja a ate nFao
4Q noesoe iwes para oriIgu

salve o ___arui da


S1




'/
f'


*1.


lit
,^ .: ,- ,
.- .. *, ',
'. : .__ *- ^ = -- -_- _
.* -- .-' a aj -/ .---7- ... : ",3 -_.. -


iA1


Eil-a:

EM PROL DA VEROADE
Sobre os factos. occurridos em La-
vris no dia 7 do Corrente.
Para desveitdv calumnias assaca-
das a homes que, nenhuma parte to-
maram nos tristes acontecimentos do
dia 7 do corrente, na Cidade de La-
vras, venho das columns da Inmpren-
sa faser franca declaragqo do que te-
nho verdadeiro conhiecim alo; eis:-
0 o Seta-e JoqimiB V piespom
rou-me para o auxiliar na tomada da
Cidade de Livras, atacando-a corn
gente armada, ao qwe neguei-me prep-
tar-lhe soccorro p'ssoal, visto como
occupo o cargo de Subdelegado O.
Policia deste Districto, e assim com-
phicva o inclyto Chefe local Coropel
Antonio Joaquimr de Sant'-Anna, que
nenhum conhecimentotteve das peri-
pecias e platos da hecatombe citada.
Que fui ao Pajeh66 Gasa do'Senhor
Antonio Quel, o qoal anxilion-mei
corn 18 hcinens, para dito fim e os en-
treguei a Vasques.
Que o Senhor Vasqtes die.me
contar com pessbas do Crato, ntI de-
clinando nome de aenhuma dlslaw.
Que contava ainda con Ildefonsi-
nho filho do Senbor Cqronai 'onorio,
Padre 8a. do 8. Joao do Rio do Pei-
xe, Joze BaI g 4 Lavraso, e
mesmo com o erno deste EstdoI
Que o 4m i titaquoe isava somen-
te per caado d Chefia political, aqul
deker Idno"a-lla. .p debatido e
Coael 'io predto Jos6 Bur-

. Q .ae dasi 5oo$ooo reis eo moe-
4; tarmo Esteio da viage dp c-
gaeeiros do. Pajeh, fornedlos pa1r
ito Joaquima Vasques, diend-oe es-
, ter sido arrq m do dito dinheiro
pelo supra-dito Ildefonsinho.
Que so assim piocedi, auxiliando a
Vasques aeita empresa, foi tAd so a
te para desfts tar-me do Senho -.
roael GsW*b, 'quoe meo desaffect9
de quest anterioreo; nio Ihe deze-
jando porem a mofte e somento perder
a posig&o q e ccupa politicamente.'
Que sei de sciencia propria, que.
oeasi5o de ir a foray do Crate, 'cer-
car Vasqes em S -.Pedro, eHle sea-
chavaema na cas, uluarbio d'aquel.
la Villa, corn jAjteb ihm a fresea,
e alli alada ~ ba transitando. sra
a Booca dm CobLas. saburle do Joa-
zehi Ae.Orato, Sitio do Senhor Naza-
rio Landim.
nQu JoqaJ e Vasqes me dism a-
inda, qu Ilddaflsinho centava corn':
maita gents so H1tmayt, incisive
as Bilvinos. .
Qate enhama peasAa deste nndeli-
pio, axilion a Vasques para 0 atabqe
ppetdo em Lavra*, a oexoeplo ae
1 we eaenoos 1guem tinha copimi-
eVasqne confesu-um.rem oc-


7


Alerta o do Cariry! d!-'r-
ta! povo d irod osque ain-
da n.o estan ados, acne-
mo-nos!
Os ultimos tecime.itos
nos forgam, .3asso.
Armemo- 0os par t a
nossa vida; armema-e-
fender a nossa propried
memo-ncs para defender
e a dignidade de noisas filhbzs,
de nosas. mulheres, de noss s
famin.!
AAiemo-nos! que no na mais
lei, nao ha maisjusti4a, aAo ha
mais direito que nos :valha; que
n6s garanta.-.
Armemo-nos para repellirmos
corn energia o inimigo .fue nos
espreita* a' Loo momenmo, e aoto -
do moment, ,e A todo inszarte
esti a trammtr, ., urdir, a rchite-
ctar a noasa ruiaa.
Armemo-nos '
Os horrores d Lavrak, e de
Sao Pedro sdo liiS6es tremendas
que : os acabam do dar, forgan-
do-nos, obrigando-oos a arma:-
mo-nos.
Armemo-nos, pois!
Nao perdeniros, urge nao
percamos, sepo.
Si, de resented temo. tresen-
tos ou maia rifles, duplltqemol-
os, tripliquemol-os, quadruplfque-
aD-*os!
Bragos robustos e vicorosos
que os ianejem ao perigr.r a no3-
sa liberdade, ho-ra e vida, nao
a faltap; temolos de sobejo,
m precisarmos de' ir 'procLc-.l-
'bs1ora1
E, azi para te m ., per-
guntando e A Gambut t que
era predlsp para saltar a: i r,
estMe espondeu seBa hosi o-
audaciarr-.is audalia e muituau-
daciaI'AssiMn, Cariryensds, pa-a
palvarmos a nossa vidq, a nossa
propriedade& a o'ira e adi i-
dade dq aessas jhas, de noss: s
taulheres e d&ss famil:.s
ampacadas, e, ra, mais que
nxts, pelosehorrores 'de L vr: '
e f'SAo Pedro- -rifle itais rifle
e muito rifle.


I


`I











0 REBATE


sa liberdade, honra e ,ida qao
nos faltam; temol-os de w.ejo.
seuSprecsarmos de ir procural-oi-
f6ra.
E, aqui, para terminar: per-
guntando- A-.Gambetta o que
era preemo para salvar a Franca,
este smpondeu aem hesitavio-
audacia mais audadia e muita au-
dacia. Amim, cariryoenses para
salvarmno a noma vida, a noe
propriedade, a honmre a dignida-
de de nomms filha,de noe mu-
Iheres e de nossae familiar meaa-'
das, e, agora, mais que nunca,pe-
los horror, de Lavras e de Slo
Pedro-rifie, mais rifle e muito
rifle.

DE CONFORM I ADE
COM 0 NOSSO
P.-OGRAMMA
P.ablicamos, em ontro local d'esta
folha, a extensa cearta que aes dl-
rigi"mAtWed.a Sr. Vigario de Var-
zea-Alygf, Padre Jos6 Gonsalves
Ferreim.
A carte, que rebocava a de sna de-
fera,alicitaBdo-nos Inblica;,e, res-
pendemol-a noor seguintes termuss:
Illustre Cll, ga Padre JosA
Gons Ives,
Saudaq6es.
Acabo de receber neste mo-
mento (7 horas da noute de 17
do cortente) sua estimada carta,
de hontem, solicitando-me que
fisesse publicar n'OrRebates o
seu logo cscripto visando justi-


Lavras.
Nao foi em vao seu appella
porquc O tRebates em seu pro-
gramma grantiu plena liberdao
de de imprcnsa. E, assim conmo
abriu uma vaivula por onde res-
piraram o opptimidos de Lavras,
tamben nao p6de negar 6 V.
Reved". a publicagIo de suna
contradict ao context da carta
que d'alli nos fo: dirigida, e que
publicimos nas lInedictoriaeas
de que o jornalismo nunca assu-
miu,nem p6de assumir responsa-
bilic:ade alguma.
De maias long do theatre dos,
4 acceotedmentos 0 Rebates s6
podia transmitter ao public a
communicacao que recebeu.
Com e respective auctor que
V. Reved." tern de se entender,
e 'de sea college nio te m mai.s
que esperar sinlo a liberdade de
imprensa que garantiu A todos.
Conte, pois, que seu escripto
ser publicado o mais breve pos-
sivel, podendo enviar-me a quan-
ta de vinte mil reis, importancia
de sua publicagio.
Nos mesmos sentiments de
colleguismo, tambem sou
Seu Amigo,
Seu Admirador,
Seu Apreciador,
Padre Joaquim de Alencar Peixoto
Joaeeiro do Cariry, 17 de abril
de 1910.


---**spA ~ yBw --
IMPIPENSA
RFG IONAL
CETAMA
da eidade do Barbalh. ae. A4 de domingo
17 de abril corrente, comeoa per am boni-
to *eripto in amemorim do immortal Pa-
dre Migael Coelho de Si Barreto.
A' ma venerasda memorial tambem con-
apgro piedomn endeixas o Sr. J. G.
Abe ada, alffetnosa ei saudoamente
pole vivo,. poeno 0espirito do benemerito
aeerdote deeeanmr etemnmente nos pan-
ctuarios do Cio.
Requiem eternam dona ei, Domine!
Et lax perpetua luceat ei.


/etr s


4f


0 coramso que chora resignado,
tendo perdido as illusoes da vida,
como um pausaro em busacAs de guarida
acolhe-se ao ten seio immaculado.

E's come am rio a&I;, rio sagrado,'
em cuja transparencia adormecida
se transform& a existencia pervertda .
e se lavam as cnlpas do peceado.

Bomdita sejas to, cuja bondade
tern surrisos de pas e redempaio
para os tristes que vivem na orphandade.

Pamra dot que u&o tern consdacio,
hemdita sejas to. que 6s a piedade
condusindo a Mioer.a peia mao.
SAtoio Peij6


Requieeoat in paee [
Amo.!
O0 telegramms noticiaen que os pesadoe
NaSgIMine do invernotem arromwado muii-
toe asdu e obrigado os viajante*. da .visa
fem etraTemare L pe a paagm do
It a oy, Mm grande atao do horario.
-l pid.m.rdas ex-vigario deCachoeirs
peil impree- eensuroun eus inimigos pa-
r.e"isam
A.J oe observro no Rio o comet Hall.
=~egato-*se o emprestimo de lb. 20%,
Qdo tempo do imperio.
- tis iminente a guerra centre o Egua-
dor e Per, que mobiliuam grades forWaa
milita"e..
-0 IHerme parting pars aEaropa no dia 20.
-Da C.rteire do. MnieiJdie* dMs4h-e
em loal epeCWial o tresho re sapseinaS do
e.rr-.pondte do Brejo dos S atos obre o
deleixamento do correio publieo.
-A e.-nr-ow,'Bncia dr S. Anna notieia quo
a ilftde Aurora e *eedo da fegoesia de
8AM'JMMUaaegtitr% 0*inveruo ckmes -
to do ajoT V ldivrno do Nasimento ea
D. Amna de LMsrdta.
.Do lW boa. noticias sobre o inverno
dea eushentee do lgedo. -
-roi nomeado vgario de Merejans o pa--
dre B .nfo Mostciro.
-Empo-mo-- noB cargo de Juiz de Direito
da B]btlh* a dr. Vicente Taarme Rodri-
fe4 Uia; oeguim par Fortaleza o Sr. IL
L e para Csninde D. Suzana Ramalho.
-A' Cidade da Barbalha vai preAtar mous
eerrivoe o Collegio da profesnora D. Fran-
cuesa Coimbra.
CORREIO DO CARIRY
da ecidade do Crato, ae. 81 de domingo 17
de Abril corrente, impresoe destribuido no
meso da iomans, somente por intermedio
d'ue amigo, poude chegar-no in mAoe tar-
diamente de maie, quando ji so fasia a im-
preaLo deste nnmero.
Quo penua Aquelle editorial aeeres do
ataue de Lavraw, veio memo, na phrase
de sou author, transformado em sentina,
em egoto de material fees..
Vsmoe, porem. desinfeetal-o pars peder
leal-o so conheeimento e spreciahao do
publieo.
Previnam-se, tapem o nariz deede j, quo
viL tar a fronte podridi..


Sefrinuto hkrrtd!I


Areal, 2* district, municipio de
Pelotas I5 de Fevereiro de 19o9.
Jlmoi. Brs. Viuva Silveira 4& i-
Iho.
E' com immense prayer que etere-
vo a VV. SS. communicando o facto
extraordinario de ama important* ea-
ra, de nma ferida horrivel, que tinha
na perna esquerda, ha 10 pars 11 an-
nos, que me impossibilitava da mi-
nha profisso de parteira, depois de
ter recorrido a maitos medicamentos,
receitados por divenor medicos, sem
nunca poder obter melhoras, aconse-
lhada per nma pess6a de minha ami-
sade a faser uso do poderoso Elixir
de Naoleira Saea, Careoa Guaya-
co, formula do finado Pharmaceatico
e Chimico Joao da Silva Silveira do
qual tomei 18 frascos deste poderoso
medicamento me encontro radical-
mente carada, para prova da verda-
de tenho a cicatriz para mostrar a
quem duvidar, nio tendo outros mei-
os em que possa explicar o men re-
conhecimento de que me acho possui-
da, :peso aceitar como prova de reco-
nhecimento este humilde attestado,


podendo fazer delle o uso que enten-
Oer para bem dos que soffrem como
en soffria.-De Vaices. Cud! Obr?.
Lydia Maria Ferreira
(Firms reconhecida)
Vende--. nas ba pharmacies e droga-
rias desta cidade nmm da capital e Rio de
.aneiro-Fabrics--Polotax-Rio Grande~%o
Sul


'legram-ma

0 dr. Noguqira Accioly tele-
graphou, dq'iRio de Janeiro, ao
Coronel Gustavo.Correia Lima.
de&L4vras, dizenido-lhe que fises-
spof itica corn o Goronel Candi-
do, do Pavio, assumindo, por-
tanto, este defintvameRte a che-
fia de Aurora.


I ~Ma' inte as

Um certo typo que nAo pode
andar sem amustar a pz e a tran-
quilidade, alheia, disue us rods
de seus intimoa:
-Tenho feito muita despeaa
com cangaceiroa; a custa delles
mManos hei de pagar-me.
Fepois do m que de Sao Pedro,
umr abysmo chanm outro abysmo:.
previnam-se todo@.


C..i-u. ~


- ----


Lembra a aTe EItrieA
Da < Revista Pastoral do ExW-
e RevdT"? Sr. D. Joaquim Joed
Vieira, bispo do Cearwk a sul da
provincial' escripta pelo Padre
Bellarmino Jogs de Sousa e pu-
blicada na typographia do Liber-
tador cm 1884, consta que o pre-
lado tendo partido do Crato na
manha de 18 de Agosto d'quelle
anno seguio para o Joaseiro' on-
de, diz o chronistai onde non es-
peravaIo Pe Cicero corn urma re-
cepio compatve 1 corn os recur-
nos do logarz.
eProterir o nome do pe Cice-
ro 4 dar a iila mais aperfeiro-
ada do sacerdote modelo, cuja fa-
ma do virtude enche tod. a regiao
do Carirya.
cIntelligente e modesto, zeloso
e dedicado, o illustre sacerdote
tern prestado ao Joaseiro 08mais
relevantes et vios.,
aConcluindo as obras de sna
capella, fez-as precise demorar S.
Exc. para sagrar o altar do sa-
cramento, ceremonial que reali-
sou-se comr a mistencia de muitos
sacerdotes e de grande concu-
rencia de fi &s.m
.Foi esplendida a festa do Joa-
seiro.
a Ap duas musicas do Crato e
Missio-velha solemnizaram os a-
ctos religiosos, send geral o
contentmento do povo.
*Abrindo o chrisma, S. Exc.
distribuio-o a mais de 5oo pc..
osas.,1
tOoncluindo o service, fisemno
viagem, depois de dois dian, spas-
masnd 5..oz d pur aLIovn


msx? .....lnod cj A- -'u *uu.,vo puor Mussao-velha,
aEx Sr. Dr. Candido Al- onde o illustre Vigario Felix deu
ves da Nobrega, capitalists, resi- ainda a S. Exe. um anumptuooI
dente na visinha cidade do Cra- jtntar.p
to, cidadlo estimavel, home de (Pag 72
bem na extensio desta palavra, ( ag
ordeiro e pacifico a soe no poder -=--
ser mais, acaba de, alli, ser vi-
ctima da maior violetcia quo jd ConietEm
soffreu em sualvida. Em Setubal, Portugal. ap6s
Alfredo Cleobulo o maiss co- uma rocissdo quaresmal, um pa-
varde, o mais ruimn e o mais e- dre, da catadura d um Tabosa,
tercario dos malfeitores que co- subin ao pulpit e ordenon siten-
nhecemose que os chefesd aquel cio aos ouvintes, em phrases in-
la loclidade abertamente prote- sultuosas. Protestaram energica-
gem, entrou-lhe portas & dentro mente, estabelecendosse grande
de aua residencia, armado dos confusto na egreja e resulando
p6s i cabesa, voz em grita, insul- mortes e ferimentos.
tando-o, descompordao., afiron-
tando-o, cuspindo-lhe na barba --
branca at6 entio respeitada, en-
chendo-lhe de pavor e assombro pre elselae d.
a fami ia que tanto adora. IA-se no Cetama, n? 54 de 1
Tamanha brutalidade, moti- do corrente o seguinte:
vou-a o facto tio simples de, a- O dsleixo de ha muito as-
quelle distinct e prestimoso ci- sent acapamento no depart as.
dadio que tantos beneficios tern' mento do orreo departa.


mmmw
7-


Pavorbso incendio devorou 50
predios em Sokoama, 'Japfo, es-
tabelecendo-se enorme confusao
no local do ainistro, resultan io a
morte de duas creanqas, e saindo
16 pess6ascom levels queimaduras.
-E' te asimsima a situag o politi-
tica entire as republics do Chile
e do Peru; a legavao peruana foi
niandada ae retiramse de Santiago
e o governor chileno chamou no
servigo active as reserves do ex-
ercito.
Coanta que o Peru omprou
dois cruzadores de-mo,ooo tonela-
ladas.
-Um conhecido inventor alle-
mao resolvera tentar a ida so polo
norte por meio d'um navio
submarine, que navegark por d,-
baixo das montanhas de gelo do
ocean glacial arctico. Esae refe-
rido inventor c ncluiu jA os es-
tudos para essa tal empress e os
plans da embarcaqio de que
pena aservir-se.


GRACIOSO LEVY

Fizeste annos no dia vinte d'es-
te:
Mimoso Levy, cravos, e boni-
nas, palms, e flores, ao teu an-
niversario natalicio, parabens, e
felicitaoes aos tens dignos paes,
que esta data sempre se prolon-
gue,entre risos e flores,gozo e fe-
licidade, para gosto de teus que-
ridos progenitores, e de tua

Madrinha amiga
Isabel Montesuma da Luz


S
9,


I I
I


prestado AqulJla terra,ter tornado
r ur menor de nome Jose Calan-
goro uma arma que lhe pertencia.
t D'esse canibalismo infrene que
tanto enclheu de indignaqgo a to-
dos, os bons cratenses, os man-
does d'aquelle term nada provi-
denciaram irespeito.
Ainda bem que assim tern sido
elles: em vez de punirem o cri-
me, a infamia, e violencias como
a que vem de commetter aquelle
bandido reles, consentem em *tu-
do isto.
Por isso, pois, nao nos admiral
isto.
Quem commette os maiores
crimes qua um home possa
commeter, tambem consent que
os que o c wrcam, amigos e chalei-
ra, infames e patifes, bandidos e
ladr6es d'esse typo de Alfredo
Cleobulo os commettam!
0' tempoa 6 moresl


*


_ _


-40060-


-----man


1 .7


u Esse ramo da public admi-
nistra(o, que no Rio obedece ao
Snr. Tosta, nao tern essa vivaci-
dade que exprima progresaso e u-
tilidade, vai, mesmo unm pouco to-
stado. Reclamacoea e mais recla-
maaew seo leenm do Amazonas
a2 Prato, do Rio Grande ao Pa-

vehiculo de civilisawo e tratermi-
dade, estd confiado aos bona cui-
dados do eel. Josd Pinto, se mos-
tra visivelmente pintado de irre-
gularidades, qua muito prejudi-
cam a mim, e aos que vivem em
contact corn o mundo activo: e
nao 4 crime attiral-as ao publi-
CO).
Em nenhuma part, por4m,
ha reclamaqao contra este ramo
do service como no Joazsiro.
E' um sieflne dicentes; mas
viri a lume-o por to da cOrta e
o dinheiro do registro.


powA9 eertoT

Disem jornaesda capital da
Parahyba do Norto que serA su-
primida a diocese do Piaahy. vin-
do d. Joaquim du Almeida gerir
o novo bispado do Rio Graude
do Norte.



Veta(es

A eleido de president da Re.
public tern tido at, agora a se-
guinte votaoao:-
Marechal Hermes 421,203
Ruy Barbosa 198,870



Diverwas















-BOLETIM



AOPOVO!

18-Abr!l-910


Estd desert a villa de S'o Pedro !
As casas saqueadas, as portas escancaradas,
as ruas despovoadis. "
Os camrpos desermos, as rovas abandonadas,
e as families jexatriadi.s; .
Em S. Pedro quem nao foi saqueado, foi sa-
queadc r.
Nada escapou!
A gallinha d> qaintil, o cav-ilo d: estabulo,
a rez do campo, o movel dc casa, a roupa do ba-
hoz, o dinheiro da "a?.veta, a fssenda da loja, os"
viveres da bcd,, tai.> roubado! tudo sa-
queado! ..
Por today parte aiastrom-se o canibalismo
feroz e satanico. .
Por todz :. parte geral a desoiagDo, e total o
medo da more !
Depois dalproscripgl o e do esbulho em mas-
sa-a comminaga~o infernal do exteerminio e do exi-
ko perpetno.
Na indigencia, no desalento, no exodo preci-
pitado e forgado, c-m o espiritQ. c -avonadqo das
mais terriveis apprehensaes, agora mes or-os f,'>
ragidos. os exilados perguntam: .
-Onde dorme o governor ?
-Onde param as garahtias constitucionaes
de viJa, de propriedade e de liberdade ? .
-Em que terra estamos ?
-Ubinavm gentium sumus ?'. -
Dolorosa e desoladora--a. interrogagao do -
soffrimento.
E a resposta ?
O escarneo barateado as victims e a impu-
nidade outhorgada ao crime. -
Sirm: nega-se a verdade conhecida por tale
affirma-se que em Lavras, maxime, emr o Pedro
nemn houvc li isso que sd diz e garantd nao falta
a quem correu para o Crato.


Que deshumanidade cruel e reprovavel! .
OQue irris-o acerba e insultuosa -
Os proprios caudilhos, os proprios saqueado- -
res de Lavras e principalmeate de S&o. Pedro


desmentem aos seus patrons. .
A' custa dos exilados, dos refugiados e dos
foragidos-ostentam corn todo o cynismo sedubs
grandes, notas de valor e vendem h granel pegas
e peas de fasendas,
Mascastes de mercadorias, cujo prego nunca
facturaram.
Penduram no peito os relogios de algibeira
e trajam ternos de casimira canibaes que so co-
Lheciam os tecidos mais ordinarios de algodao.
Bradam, e nao podem deixar de estarem bra-
dando aos Ceos==o vigario exilado de sua fre-
guezia, de Sao Pedro, o proprietario roub.ado, o
negociante saqueado, as mogas deshoaradas e o
povo em massa desolado.
Entretanto os canibaes em vez de se arre-
penderem do attentado enorme, inaudito, infernal;
continuiam a sacar sobre as victims de sua fero-
cidade ameag:is de confisco complete e d'extermi-
nio :otal.
Quem se pode considerar garantido?
Resta arenas um remedio--recorrer ao go-
verno federal-pedir medidas de salvawfio publi-
cu e providencias urgentes.
Povo de s.avras! povo. de Sao Pedro! nio ha
tempo a perder.
Mandem a imprensa regional e a impr-nsa
do Rio de Janeiro a nota dos latrocinios,o numero
das defloraq0es, o balancete da desgraia public.
Povo do Cariry! Auxilio geral aos pequeni-
nos-como o povo de Sao Pedro!
Injustica feita a um, 6 ameaga feita a todos.
Do pouco passa-se as muito.
0 saque da villa 6 o ensaio para outros pon-
tos.
Um abysmo chama outro abysmo.
Nao ha pois tempo A perder.
As victims e os amea;ados, todos ao Gover-
no Geral.
Providencia!
Providencias !

(D'O Rebate).


no, unm fogo qne ningaem apagarda
do coraiAo do homem' u'Wtr
Debalde tentaria eu cqpvencer a-
quelle povo que.o ex)do seria a.sua
felicidade; sahir como novo.'Jerepnias
chorando as ruinas da sna patria:


INEDICTORIAES

MEU ILLUSTRADO COLL. Pe.
JOAQUIM DE ALENCAR PEIXO-
TO-DIGNISSIMO DIRECTOR E
PROPRIETARIO DO "REBATE"

Sanulag3es em N. S. Jesus Chrlsto

Quasi cahi das.npvens, tomadb de
um pasmo infinW, quando, alguem
vindo, a passo largo, me aprezenta o
ultimo n? (lo do andante) de see il-
lustrado Jornal, que A gniza de cha-
crta denunciava um grande- numero
de pes2Sas implicadas n'uma infame
conspiravi-o .contaW iadUitoza c*a'e
de Lavras. E no meio de ta' hida
pleiade, uni: figunrani Viitos. tao res-
peitaveis--como io'ictha-: .d.ednte
do Estado, dest.aca-se, aom.o astro.o-
paco a otfuscar o brilka dos compa-
nheiros, o mei_ obscurq e impr .tavml
nom3. Em vi.ta destai dclaa-gri ttio
grataita que iaz corar at um frn *'
de pedra, unia 46 lembranaa veio bal-
samifc tr o men espirito-a tranquili-
dade de minha- boB,1endia'! essa
lairpada ardente qne D, us a'cendet
e a nossoq corae6es, comno tao b'?~h
dz S. Bernarllo, si.t2rn me engano.
Voiio a mnim'e de-Ifiovb lendo e re-
len.o a tal publiecaao on denuncia yi
o :nwl home, ario era, nio podia ser
eugni, da- optka, porque nao se po-
dia adm'tt'r engano.em tantas vis-
tas.- ..
Voltei o pansamento ao Jornal, a
importainte miisib da imprensa, a
re.sp ua-.bilid:ide de seu digno direc-
tor e aqili, men ileaetrado college, me
descuipe a franqiacza corn que T-he fal-
lo, foi quandomaii se a'gravou afni-
nha dor e por pouco nao succumbi L
tal impresio ....Um sacerdote que
me nAo conhece, um cdllega aqte.mi
tanto adi-iro. 'pefa sua .iitelligencia
de escolF--rasta illustrajao, que to-
mou aos seusl hombros a melindroza
e ardua tarefa de defeiitler a verdade
e hoje deixa'r qit sen" Jornil se libe
nas azas do vento-e bem long va di-
zei, que o hum!ld'e'obs.aro Vigario
de V. Alegre-e conspirgor contrk a
vida de s. en r oximo-ropbador de u-
rv.I pipula,i inte;ra ea'suna paz ,. -
e incrive', mas Ia estA uitidamente
escripto Sicrano B I rano e Pe.Jos6
Goncalves.
. Afip4!-voltei de nov? a mim pas-
sei um relan.? d'olhos sobre os tris-
tissimos factos que fazem, seja dito
de passage, a vergonha de nosso
governor e muito mais do nosso Sul
do Estado e ac ii .atravez desses fac-
tos a sombia' (atriste sombra) que
empanou.a rutilante intellegencia de
meu nio .menos illustrado qne. respei-
taVel col e-a. -
. E a delibera(Ao que tomei, depois,
de madura reflexao, corn o fim de re-
tirar o escandalo .(re ebido) foi
fimostrarao illnstrado 9ollega.(e este
,i phblico) a minha attitude, nas,.ce-
lebres questoes'da inditoza Aurora -
filhas espiiat1as intMelfa-es e desgra'o
(adas mrias. .:-- :
Nao sou politico, nAo .rtenho aspi-
ragiio alg~o de tal couza; nao te-
nho mercA de 'beus.
- Que no son pql cq,e odeio A es-
sa politiqutqfue vae grangrenando o
nosso organfimo social, quer n'uma,
quer neutrar fract&o political, dir-
lh'a-Ao,:tolos que n e conhecem.
Mas,talvez, esfregando as snas sa-.
grados e respoitaveis rmaose ~om- os
labios fremnulos repliqne'o men illus-
trado cottega ediga: V,6.filh> da inm-
ditoza Atrora-e dizem qu1e V, naio
gostou muito, de- tereu.-n'a redaui46
a cinza etc ;!. ;^; :
Que sou filho d'aqnella mnditoza
terra (digna de miielior sorte).oriun-
do d-iquelle povo, que per um desses
capriclhos da sorte, terntido a maldi-
go dos potentades da terra, nto ne-
go e nem o firrj em braza serA tao
quente para me fazer doexar a tal ig-
nominiam. .. .
Mas, dir 6 men- coll. ptrq"ie nao
protestou emi tempo que nada tinha
corn takes, acontecimentos e no- tern
procurado retirar aos seas parents e
conhecidos a idea de'patriq? Respon-
do-lbe peremptoriamente.
O amor da' patria uam dom divi-


das linhas tragadas:As pressas, na-
da calando; e, ,para miostrar que -n&o
tergiverso vae.de firnma reconhecida.
Qiero ter o prazer de tomar nma
assignatnra de sen Jornal. Fazendo
Votos p' que a paz reine ao maenos en-
tre os sacerdotes, ja que desappare-
c.u entire os homens. peco ao Dvino
Espirito qnu o inspire e guie os se-


0 REBATE


isso 6 que naio,. pio era; Ano 6 e nem
pode ser u dever de quem nao se
sentin :inspir'atlo;..divinamelite part'
isso. Portanto; explique, o man illus-
trado cellega, -as azas de sna intelli-
gencia possante e voe A alta regiAb.
da Justica e n'nm moment de .felijz
inspiracao, como.lhe acentece sem-
pre,-; e diga:--T4. Jose G.onalyves "
contemplado na lista dos conspirado-
rjaPontra-a inditoza Lavris,' nao 6
porque 4 filho de Aurora, mas por-
qne unm Padre qune no tern plitica,
mas nao anda pelos p('s do. magnates
da terra a pedir proteiao, s6 quer se
tiC'apAr corn a salvaiao de sen reba-
nho, 6 d escola ant ga, nao admitted.
o engiessa-eo demonio qune no quer.
inimigo quiet, -maxime n6s sacerdo-
t!s, procura t.ral-o da sua obscurida-
de:e:trazel-o A baila. Mas, pode o
call. ainda accrescentar: Seus paren-
tes e conhecidos vao, algumas vezes,
, *ua-fregowlzia e V. anima-os assi-
gurand.o.lhe lque a ju-tia a divina 6
reet- e que "ss e tal4 de co:izi pode
m'idar etc etc.
Nio sou.a.m Pe. um ministry d'A-
1q t gj e tre or mi. sio consolar os
sl" ,qie. r mianda chorar corn os
que 'choranm.
Onde esta o crime ?
1 iEtO l'demas r aido A.o
pI iouz' tempo, e precizo reziumir o
rest- do que tenh4.jr;. ,M~dizer: E.u
repto nao s6 aquelles illustres cida-
dAos aquem o men -obseflwmftome foi
empalar o briliho ,a yrem'"pela .ifu-
prins$.pror o'. 4Hu4 ei-o
menu voto ou; >: Ocorri -ItAr. tal imfa-
m:a. En repte-o Sr..Toaqnim Vasques
(aquern muito- pdincb" conlf't)'4.o-
da po0 ulaco de. Aurora (aintia .e
mrderna.) aprezentarem um doqiu.ea-
to que ao menos indirectament6e 1ro-
ve -a minha conivencia ern taes fac-
tos, a remontar da deposi.Ao---.on.o-
rio. .
- E deelaro bemrn ato-qi trearnguera
quero mal A ninghem 'Iahneo a l.eo a
de respoiisavel de taes. desmand6s
qua est'xo-reduzinda o- nosse floreeen-
te sertAe de oaur'ora em am verda-
deiro caulpo de Marfyr.. D t'"de
provas, qi ahdo no..a'nuo as s o,"de-
poiw--estnr o de A-Afora;estaad4-
na Capital para assistir ao retro, fdi
solicitado por ;e so s de ime ortancia
para depor o que. sabia... ...
Sempre- a minha resposta' era. a
mesma.- -Que os rmortog. entarm'6"'
mortos. Ndlfica iiipcentoi os ieiis
lfitri:io6, sempre'lhesexprobei a'sua
inprudencia de invadirem municipi-
os albeios, ainda quando tivessem a
sua frinte-b governad6r do Estado.
Outra prova disto dou e tenho co-
mo testemrlnha b homerm mais respei-
tavel :deste E'stado--o Sr..D. Joa-
quim. Apoz o retro, de que S. Ecia:
fez parte;chegou pelo corre:o A secre-
taria episcopal uma denuncia de.mim
a Aquelle Preledo-firmada por" 3
pessoas-membros da egregia justica
de Milagres oujes notes ainda gOar-
Ao na memorial. -.,
Excia. corn aquelle tino admi-
nistrativo que o catacteriza,a par da.s
muitas virtudes que ornam suna alma
de eleito-se mostrou qual outro
Franc? de Salles--(como disse d'elle
um Cardeal Inglez a D. Xisto Alba-
no) pedia-me que nada dissesse, qae
perdoasse aquillo, que'elle era o pri-
meiro a ver n'aquelle papel um sim-
ples effeito de uma paixAo excitada
pelo espirito da epocha; e transmitis-
se a todos os-meus parents e patri-
cios a.sua nota de pezar envolta.com
os votos que fazia para que em brev.e
voltassea paz.
. 'I.lo cumpri a. Tisca. Perdei e a-
conselhei o .perdiao. 2Ass.im fazendo
6squici' h patria e parents me jul-
gando fehz, por me parecer mais corn
Melfhizedech. Mas, equal, era am so-
nho de qpe .dprmia, no dizer do
profe a. De novo apparece a ballela
de que'sabia de. tpdo. Seja tudo pelo
amor defDeus! ,- --
: Uma conua declaro: estou cornm m~ir
nha conisciencia tranquila, detesto o-
naizeabundo cangaco, adorQ .a paz.
O-meu. illustre coll. poderA-:fazer
uzo que .quizer destas mal rabisca-


Kerozene
Phosphoros
Bacalhau
SAguardente
Vi-ho branch
*Vihagre tinto
Solla


lata
groza
barrica
cauada

um meio


Siouro. de espicha umn
-,Q iuvo de. -bode um


. .. -7,k "_
.3 (00j


46000

78000
4Oo


Ao publiceo

Declaamos que de corrnum
accord n'esta data, dtsolvanmos
a so.ciedade da casa coinimeycial
quq a'esta localidade gyra comrn a
fma. ,Ildefonso Augusto .Lima
&; C., responsabilisando-se-o so-
cio. Ild4foriso Augusto Lima pe-
1,. ctivo e paasivo .da :lreferida
casa e sat'sfeito do lucro a quo
teve direito. .

Joaseiro, 21. de Abril de 1910

Josd Augusto Liia "
IJdefonso Augusto Lima ,

.. .. ~- A ;* .,
LOJA E ARMAZEM
-. .- ,


DE.


* .1


JoAo Beserra de Mede's '

..rangde liquidgAo0 de fazendas,
ctl dps,. chapeos, puahos, collari--
nhos, meias, lengos, suspensori.s.,
gravatas, extractos, copos, bbbidas
&. &.

Todos., pois, A grande liquidatio !
Rua do Padre Cicero N. 5 2 7
--> --

BORRACHA NO PARA'

JOZE CARVALHO, despondo de
bons Siringaes em Faro, e estan lo
a borracha actualniente dandc
born din'ieiro, colloca -qualquer
numero de pessoas -na extragco,'
nao so de borracha, como de co-
pahiba.
Pa-a informaqlo procurar seus
irmlos TristAo ePio (.ar alho.
--

S 2? TABELLrAO offi-
cial do Registro hypoteca-
rio- Lucas E0iahf)l't.*,
o Cartorio 6 a1 Rua do Kosario.

BARBALHA-CEARA


cem, temem e invejam a estu- stracismo; support que seme- rendo comprehender que um cf- calumniando-os de mand6es dis- da pazde Warsovia!
penda forca moral e a real e in- lhanteartigo A pa:aki vem!.- ficial depolicia umprepostoque creco rios, quer refreial-os, O Joaseiro para conquistara


~~~;-eL~Cjc'~~i ;;"Sj~ei.- -. -Jrrp --~---rp- -1---- -*bil~.~1.. L


-1

* 1


us passes na difficil e ardna taimefa.
SSeu coll.(que desde ja se consider
amn?) cr? obgd?
Pc- Jose G.ngalves Ferreira
". -. "-
VarzfAlegre'1,. 4-191 r.


S. ARTE DE MUSIC.

yence:se nesta reda4iao ,'
.. .S. i ^., -

BOk.TIM COMMERCIAL
.:., ; a. :": ,. 5 ---.
.Preq s dos generous iduraite a .-e-
ipana find:; .
"Came verde k lb .. .. -,
secc a ,, .n
4 de porco 1 ,in
< de carneiro -" ,,i
o de bode ,,
Toucinho 1 ,')
.. F '.riha .. : S) I:tr,:._ 3 ,wDo
Milho 3.I inio
.sixommin,, 760. o
,Arroz 75000
Sal 12.i,
S- Feijao de corda .o
4 de arrancar ,-,:u,,
Caf6 (rio) arrola .1"s-
Assucar branco < 9. ,
Araruta "s,
Farinha do reinuo < i,,
Algodao 3.,intn
Rapaduras b6as ,arga 1.3:1)-,,i
( ordinarias ,- i150joo


&"




4


* -I3;


1
j



*


- 5.Ems
-le


4-.


0


a-


JOASEIRO SAPATARIA
__I__ PERSEVERANQA

Cw MU 8 LVA I Esta sapataa tse encarrega de
V1 A qra'qcer trabalho t)dos em ,o.mr.
Vido :e Garahuns. estado de lr- -garante'aoS seus freueses obras qu
natubaco. acha--- ..stait eido ncsta pr.-w n&o se podem desejar melhores v de
ca c'nm rtmn conmpl., r.Ldo .srtime: t jregi- rasuaveis.
i, fia.uda; e in*read,r:i- qu.- -vend po 7
pre-;o -m coil.,..nc:.. ,--Tito mn-mi,, Iren.o Cabral de Olive ra
do nai. xig n-:t.- fr-gurvz. Raa do Cruzeiro na 10S5
l'ma visit:. poi. .- Lr,.!\ -,T' LL -_
de C'incinatr Silv:. '. '


IABNM ACIACARVALHO
Ha nesti latrnac i.m
var :-. orti b i rt-- '' t
,'.. : .:' -, .- :. ",'-,r -
Avi:,m-t- receir:.s u t" r i m,, ev' n
pro pqtidoo. ctu;d;;' .. ; ".
Rua Pa 'dr ic-r. C 11.-


0 BARATEIRO
Manctel V;ctorino *ia ,siva. com d*.asL
lcj:s bem sortida-s '-i -,dos o artigo- de
'ommercio. Rua N'"va. u. 996 e R a
Padre Cicer,. 2.
Prec.s sem ecompetencea. cuto d.i. a .t.-.l.


A POPULAR
Loja de fasendas outros artig,. !d'-
commercio, vendas ple custo no emp-nho
de aplrar o capital emprogado.
0 fre uez procure na Rua Nova i cust.
- 'i". .'>5 e naf Raa Padrp Cicero a lj.a n
30. q'- .'-. er.4 :nP-d'da de sBu d,--
ej? ______


Doos IRMAOS
IToia le fa endas. ferragens. e estita


SmONO BARBALHA

CRO CIXA NrEBIN NAONA DE PEN-
SFS VITA!I..('. ATTEND:
--tA a :. 'd e .o d r... .T F d e r i l. c o mn A 1 '. -

A tma prp. .,.l t ....propr.i lpde na ierra do Arari,' t-
Alu .. na R a Laringer, : : :, .,:. ( ,n rcial de g.r denoninado tancia, o ,,.
n ". 65 C". ne ,,, ; w-bons commols para tos cobertos de t-llhai duas c'as:- .:
ns. 6, rane. t m i ons ommo para .o radas urna do telha e outra d. -.li:..
,nnmerou.i f.mni.i., :i 10$000 rs pattm..nuo)s ; in P!'A S: BENTO, 63 .
a tAiu e-:* ..t.'. ".r i :- se n t trefais do uian'iio2.'s novas v.;.
-a tr-vea u!-.ntc... ; :, n, : Mogyana) e ama Mattade us ,ntas ou treseitas t..-
.-Aluga-.- oitra c;a. na ine-aa Rua, n ,, .i i s E TEMBRO, refs con u eto a< mesmas roads e t:e.
! 11 t, corn br.at proporv; es e wauiro coom m o- v t e
do. a 155000 por mez. pasas euitoas t .S E AVE- n) quantro tar-fas d. Ananaz de dois ain-
mestre adean:ado t to c&clt..


M ERCIA RIA A tr.ct:r. RRna Grande. sobrado n". 6 N.-. -uNTL uem qui.el-a.- comnpr.i- ., r -r
OLIVERA & NA. ... ng e '-r.PI A mena povaA do e s; '.
OIVEIA &NAIM p SIENT -ador Luiz Pis., Barbalha.
0 proprietario deste acrelitado estate- --. ---r E--t:,, ..-.hefe de Policia e Iayruh Mo: :a da -
lecim-nto tendo recentemente cel '. -retaro ; V heultura, doE. de S.
capital do eatado avisasoe s us .,,n.%.- N.1. do E.A d
roe freguezeseao publieo e.s ger.. ,,Ie,- v" rM A ;TAfl- 'o:;nmendador Leoncio
seha comn um co-npleto r: d. S. Cavde ur-e ,: .;i S Seabra & C., da OIEoISs
m.readorias aacionaes, etran!ii; -l: .... I Fabria"d, Tecios u. Bernardo.
do, meiss.p -ra homenIs r:.-u ,r'. ,. rm.,, da Dr. C(audio dt Sona, me- t periodic :..:t: ct, :,.r.-ial r e i. ,.
sorios, cadei de al:,n .. ..o .. ,,." 4' r' ia n.. 41 par :. dice e inditrial.da u -
extractos de divertas qu .,lai i ,:-; ...- proio n _3.co- T"PvEr'REI'O-Dr. GCbriel Dins da ;nlmne .-i:t..-. a r ,:-
.t ; A n .TH r. .. -
tinas. oleo de baboz. pri..r. i c ,. .r-ezea-. e -, o, ial director da o aen .
hidas d dLvenas qualilad.s. co,-fv .. .l forma e:orsand eiC i.. apnd u aptri ial d r, l c P ilo e da a t .- ,....n. h : .:,
doce copo p za .i -.i. ,-.i .r i n. esperan.da por -e\t ". V Pd id, o n '. re iih ri i, erit i -
sataxes ,.. :t etc. r d esuimada Colp"on t de *oo i z. eirculares, convites, rotae l,. d;.-:
Tu a dinh-ir i i t.-) I p;r preo Co 1 anna.o.
m AdieC. O ItRO.'RIETARIO 1r2.. -1 de Janeiro de 1910 Exmo. Snr. Corde de Pr-i.-,. iir-ector
OLIVEIA ._i T do t vnco (ie Saf Pa'!E- Exmt. SI. T.o-
OLIVIA & NATl. -- ronel Forntindo Preste;. vie-preriden ,e
I- doEstado-BaAria, de-DPprat director da DEPURATIVO CANDIDO
0 LANDIMr ATTENCAO 0
SRodolph,, Miranda l,ri 1t.:,,L'! FI.br;- prepralo p.lo botcao MrtnoAl Canai P
s i, s"froupq-. g n I faseudas de gado i.a de Tcidos Aret;.ui.. de Piracicaba das Dores. e e pro: tma e-Ystsi- u i l"-
A a as ge n .... -- ni.. i io term deant- e deputado federal .,. .e::. I a. rigoea" ,. ffe s ,o:.ic:,, O -S i"tc' ,
c-teolS.perior, Santo An.no. ~. Anna d_ Cari rt a vender. e p.ropra. fn a 1 .rc. iC eserophulosas 0d arhr-s.


mnt.. Vinhode Mis-a. .-ra -
J:nipapo. Agnardente de 'I L'
Canna: Cigarros Tnpvy.1 a !." B v.
C'oo SAo Bons.de Patha. a- Qu- Li-.
Populares: doce Pesqneira-=-:-" F,. :- .
Manteiga Brete!. Exe iuhy: Banha de porco -in lat:.
Tulo por preios moblicos


*f., R _-'.r .-- 3fnteirdtTrdo drtpfoprMht-iYo da D'Dogaria AimT.rica| e
"t ,'-:-, i dade no intaito de Fabhriea de products ciir'ies,,a; r. Pedro
.rurar Europa alivio a-sua Poiatu.a e Dr. Victor O tdiin:)o capitaliitas.
S. AX ECONOMISADORA PALISTA e
,ate sn.re alterada, declara, a o. fi do
rc"iiU& ~' e f" urn" so':Ima iodade i.n.at i. co. ii.-ai 'do
i.em ent res-ar, que estAo expostas Governo. enjo fian .7 t-t;bJ.'lec.-r uina REN-
a veu'la t:odas suas caassnesta cidade !DA VITALICIA mue:oa:. ti dmuheiro,aos
e sua- fazendas de gado neste muni- :eus soeios. Tern duas cina-,. a caixa A
~~~ 1 -1 T


na Praqa da Liberdade. na. 972. Sinceri- uT ipio e no term de .Sant-Anna do e a ea:xt .
tOs seios da CGixa A pagam 53000 de
dade de negoeio, modicidade de preuos Carry e ma:s nm Sitio no mesmo r-- .. 0 da nsalidade e tm direi-
*o.a e 2$500 de irnsalidade e tOm direi-
affabilidade de freguesia. I erid,: tIrmo dcnoninadlo -Queima0 o. to, no fim de 15 .: ros. a i a n.Ao que
Diomedes Siqneira & lrmuce. C A % jS A a '-.om engenl.o de ferro e casa propria, )ao soer maior dl 150S-00 por miez.
Jeronymo Francisco de Lima casa de vivenda, tudo de telia e Os socios dia :taixa B, pagam 55000 de
tern, nesta localidado. A venda. duas segura constrn ko, corn uma peqne-a 'joia e SOOO de inensalidade e trn direi-
FUN ILEI R O casas de taipa cobertas de t1ha I ura nascena e a ude de pedra e c6l, corn to. no fima d- 10 annos, a uma pens-Ro que
I a -ia j^ir0o poderA exceder de 100$000 por mez.
Officina complete de todos os artefactos sita A Rua de S Francisco e a outra cannavial para dusentas cargas de o aode fall exceder antes de l pear a
e utensiliosem flandres. corn grande sorti- na travessa da Rua Nova.pelaprimei-! rapaduras, possuindo extensas mattas receber a pensao. a associaqAo pagarA aos
mentor para vendas em grosSO e a retalhe. ra ;,ede- :o00n0pelasegunda 18s0:o00, 'com madeira de constrca o: outro sens herdeiroi necessarios todas as crn-
Si acharem ontro barateiro, n~o ha le t i u : uz aje e 9e *f, n se*' e *s
er tanto comoo prprietari oo J ntonio A'tratar na RUA DO CRUZEIRO ede aquelles doas i ib q ll tver feto sem juros.
Furtado. que o corn o mesmo .' Dando-se o iallecinento depois que o mu
rtado. thario estiver em goso da pensio, esta fi-
Praqa da Liberdade n.978. queirao por bondade sat*sfas ~ ari extincta, semi que aos seus herdeiros
FARINHA DE compromissos, uma vez que tkm de assist qualquer direito.
MAND10 OCA ausentar-se por tempo indctermina-1" A pensAo serT paga ao proprio indivi-
Jos. Alves da Silva, av'sa aos se- do e ter de prover-se de rec sf- duo, ointermei ao se procuorador legal, on dor
(a .-. '^ tintermedio da nual-uor Rancon -nando n


Sus iregneses e ao public em geral
1 qne tem em d -pooito: grande quanti-
de farendas mercadorias e-rivas, ferra- dade deFarinha de Mandiocas de
gens, chapeus. Tendo recebido do CearAi primeira qualidade, e -VENDE A
um complete sortimento dos artiges acima DINHEIRO- em grosso e a retalho
mencionados que sAo vendidos por preqo A pre'.os BARATISSIMOS.
serm ompetencia, convida todo ao public RUAADO PADRE CICERO N" 301
para fazer uma visita a dito estabelecimen-
to que ee certificarA. do que e affirmado.


QUEIMA!
APROVEITEM!


BuP O
SUMIDO


VERDADEIRO
APROVEITEM!


Jolo Baptista de Oliveira.
Grotifico bem a quem me entre-
Rna Padre Cicero N'. 36 gar um poldro rosilho que desappa-
receu na serra do Araripe sitio
Queimada Grainde, coni a seguinte
S-APATARIA marca e freguesia
86A ESPERAN9A Quem o encontrar
Eata Sapataria de Joaquim Beserra So- pode en- tregar A re-
bral acha-se A disposigro do public e dos dar(.o d' 0" Rebate
amigos, e enearrega-se de todo e qualqner on em miuha residencia:-
trabalho em coiro corn grande preste-a e Serra dos Asedos
modicidade em preoose. I-. l'o Cru-,:ir'
n". 990. Pedro Xavier de Arauno


ncientes.


Crato, 26 de Ontubro de 1909

Jose Rodrigues Monteiro
*


0 CRATO-. -
ELEGANTE
DE
A. BELEM SOBRINHO
45-RUA DO COMAIERCIO-45
CRATO-CEARA'.
Estabe'e imento deFazendas finas,
Miudezas, Novidades, artigos de uso do-
mestico, Alta fantasia, & &&.
Especialidadeo em: artigos para.
homens e senhoras; objector para presen-
tes e perfumaria finissima!!
Pretos sem competitor!
Dinheiro i vista.


mutuario se achar no extrangeiro.
O socio contribuinte em dia, quo ficar
impossibilitado de proseguir nas snas en-
tradas, depois do cinco annos de associa-
co, em consequencia do molestia chronic
e ineuravel, que o inhabilite para o tra-
balho, serA considerado sus.penso e nao
perderL. direito -A pens.ao.
Os pagamentos antecipados de 1 anno
gozam da reducq.to do 50 o/o, os pagamentos
de 10 annos. 20oo oe os pagamentos de 15
annos, 10o 0o.
O mutnu-ro que se inscrever um mez
antes :do sorteio e tiver a sorte de ser
premiado. pagarA apenas poucos mil.rdis
terA dir; ito a uma pensAo para toda a
sua video.
Atd dezembro foram sorteadas cinco
cardernetas, on seja no period de nove
mezes. A ECONOMISADORA e a unica
quo faz sorteiosde dois etm dois mezes e
urn grande sorteio no Nat-1!
Socios inscriptos de abril de 1908 a
Janeiro U9:-34-1000. Nenhuma outra so-
ciedade. obteve tal nunmero de socios no?.
sens Fri:-a.eros mueze-.
Pedidos de pro.spectos, propostas, cader
netas e informaq6es minueiosas ao
PRpresentant- no <'rato.
Belcm .orin .o
7--Tra do Commnercio=45


c i ,: I. i4- r-.. .. .. ,
doeng';as pertinlazeS que ten: st --.-
na impuresa do sangue.
Unico depesito na ph)armaiv Jo-& Can-
dido, na Rua do Vidro.


PHARMACIA SILVA-
do Silvino Josd da Silva. .na .u. do 'Com-
mercio, no. 8; tem um grande e v:;riand
sortimento de drcgas, produetos chimicos
e especialidades pharmnaceuticas.
Deapacha os receituarios corn medica-
ientos de reconliecida pureza e garaute
aceio, presteza e molicidade de proVo.


BURRO SUMIDO
Desappareceram de ime s t o umr
burro c irdao e unia burra castanhia
inazi preta ambos corn esta marca -
e corn a seguinte freguezia


Quem der noticias cert-is na Redac-
qao d' 0 gar ditos animaes, serA -,rat t'.ado
generosamente.
Barbalha, Sitio Brejiio, 10 de No-
vembro de 1909
Jofio Demosthenes Fernandqs Vieira


MILAGRES


CAVALLO SUMIDO
Um cavallo carddo rudado, ot'o, ,;-...
to bonito, inteiro, chofn, tlhos azues.

MNarca e Ribeira

Quem o enconfrar e entrejdr a) Sr. Ma-
o Jos e Iy m 3" a ee scra gra-
af -:'A


" ; -: *-. : ,


------------------- ---;~~;- ~.-~- --- ~ ~~`-~~li- ,, --~2-~e~c~T--;


l _


h .