<%BANNER%>

UFLAC



Rebate
ALL ISSUES CITATION THUMBNAILS DOWNLOADS PAGE IMAGE ZOOMABLE
Full Citation
STANDARD VIEW MARC VIEW
Permanent Link: http://ufdc.ufl.edu/AA00001672/00040
 Material Information
Title: Rebate
Physical Description: Newspaper
Language: Portuguese
Creator: unknown
Creation Date: June 6, 1910
 Subjects
Genre: newspaper   ( sobekcm )
 Notes
General Note: Newspaper issues from the personal collection of Pe. Cicero Coutinho, Juazeiro do Norte, featuring articles on Padre Cicero.
 Record Information
Source Institution: University of Florida
Holding Location: UF Latin American Collections
Rights Management: All rights reserved by the source institution.
System ID: AA00001672:00040

Downloads

This item has the following downloads:

( BRIDGECACHE )

( BRIDGECACHET )


Full Text


Ii


*1
e' "


A


CEARA-BRASIL


p. .


*.*



DOMINGO, 6 DE JUN4HO DE 1910


S **
- **


ANNO 1-NUM. XLVI


EXPEDiENTE

0 .REB ATE, pa! ica-se ema~ldmner.t.~.
I;UDATOI.=CHEFu -Padre oaquiin
ace Alence.r Tixoto.
G(ERENTEfFlimnrish P..de Alenzar.
ASSIGNATREAS'
Anno... .. .. ... .
Seme-tre ................. .
PAGAMENTOS ADI&NTADOS
As piJbli~e-cares de inttgee'8aticulm-,-
on annnncio. d pendem de iftntractogrsebr
uo o I agamento adiantslo.
A redea~oo nAc e respousavel pel R arti-
ges iiedii'oriaes, nemr pe as publi:capes
.i.ekeias. asaigniadn.t.
Aoceitairn-e artigos de religie,.s&einiai'
li:teratura etc. prehenchendo a& Aond<.',.
de ncaso progrumar.
Reea-o. gereci'a e typograpkia -.Rua
i .re C.cero -n". 343.


JOASEIR- D*CARIkY '



OIKofill a paz?

Ficis ao nosso programma, te-
mos procurado asphyxiar no ber-
co as aspiraq es revolucionarias
d'um grupo de tresloucados da
visinha c~dade do Crnto, desco-
brindo e divulgando os seus pia-
nos e os seus conciliabulos...
E, ai proporgdo que os dias se
vio passando, factos palpitantes
vao evidenciando, e d'um modo
positive, a rasao demasiado fun-
dada de nossas suspeitas, de
nossas desconfianyvs, de nossos
receios...
Nao ha mais quem possa des-
conhecer, pela march dos acon-
tecimentos, a intenqao perverse
e covarde de predominio dos
mand6es do Crato sobre o Cari-
rv corn o fim unico e exclusive de
elimrnar os actuaes chefes das
localidades que nao se submet-
tem aos seus ridiculous accenos
de phantoches desengoneados.
Para attingirem A meta, ao de-
sejado fim, nao se preoccupam
corn os meios a emp)regar.
Isolados, como vivem, na li-
mitada esphera em que giram
politicamente, e convene icos da
perda gradual e progressive dos
elements de seguranqa, andam
ametirontados,As cabegadas,qua-
es tontas Earatas em vespera de
chuva.
Assim, nao ha negar, porque
tem medo da reluctancia do Joa-
seiro sQ 'ubserviencia humilhan-
te e deprimente, procuram tor-
tural-o; porque receiam, e corn
bom fundamento, dos chefes dos
municipios visinhos, a possivel
reaago supplantad6ra, tractam
de perseguil-os; porque reconhe-
cem, temem e invejam a estu-
penda forga moral e a real e in-


discutivel influencia do veneran- verdadeiro sermoro-de encom- simplesmente cumpre as orders sem motivo para tal, a bem de
ido amigo Padre Cicero, nao se menda,6 realmert. bradod'um que Ihe sao dadas; que nao tern li- sua propri- seguranga e da ga-
canmn de,traiqoeira mente, des- coracao amigo, d'ura alma pa- berdadede accao e que comman- rantia dos direitos do povo, com
autt r .1-o; e, Iporque, finalmente, triotica, nA defela d'uma causa dando cangaceiros eivadosdeper- cangaceiros fardados, assassins
desi.lu lidos da.forga propria, ba- just, d'um elevAdo principio. versidade naturalmante reflecti- transformados em soldados ?
state para conseguirem o que Mas, n6s que percobemos per- da dos patr6es,que sio mais per- Si ainda o governor, corn ou
desejm, e debate tentam, tgar- feitamente os trcos originaes versos do que elles proprios, ?6 sem rasda, quer refreiar o man-
ram-se, como ostras a 'fochi, A de tal bajulatoria, consideramol-a pode inutilisar-se pelo contagio do dis-rectonario dos chefes ca-
homlens imprestaveis, de consci- como irrisoria platar-forma du n da promiscuidade perversiva e r!ryenses, porque. exceptuou o
encias corrompidas, e, tartufa- Inovo partido neutre.pulha-oppor- subversive, nao causa admiragio do Orato ?
mente,a-elles empenham os seus -tunista, de B-rb*hala, para a der que affirme, em contraposig o E si ainda mais nao quer exce-
n~tUl simos esforcos parA, cbmo oc.ada de'seu conspicuo chefe, ate ao pensamento de politicos ptual-o (o do Crato). porque vae
testas defewro, assumirexq a res. ,, nao ha duvida, confirm o dominantes de Fortaleza, que o organisar o tal batalhao corn os
ponsabilidade-de desaffrontas mi-- t6j*disse os. ot-e a ex'sten- Cariry entra em periodo de nova cangaceirosd'essalocalidade que
serandas, satisfasendo, dcest'arte, Gio flsoY prqpetas, aponta- formaqao com a direcyao do Sr. vivem sob os seus auspicios, e
ao capricho resultante de ambi- ilos p-iara ovos .chefes pela mal- Belisario e que foge de n6s a sob as suar inspira 6es ?
i6es illimitad w. a vada .collikai- o ,:conflagradora guerra e que atl vem a paz Como podera haver paz e nor-
Quem poderi duvidar d& que l artVL.do Crto : O0 que quer, ou querera o tal malidade political em um muni-
Opst.es ma.u-fOe ndoaoram cont. lerta I-ovo de 'Barbalha!... escrivinhador s.iaguez da tal ba- cipio, em uma zona, em umn esta-
I ntventes no ztajue, troigoeira- Alerta! Corbnel 40Lo Raymundo julatoria aos mandoes do Crato, Ao, em um paiz, quando a forga
mente feito no Taveira peios de- de Mace lo qure Sa'tanazes da affirmando que a epocha da cruel pvbli-a,que, perante a constitui-
sordeiros de Aurora, e:h detm- novapolitica* j~ i megam a pre- liberdade absoluta dos poderes 0o e o direito, 6 a manutenedo-
bro do anno atrasado, quando gar o evangelho iVa tries . locaes vae-se passando e que nas ra da ordem,e deve ser constitu-
"abem-todos que estes no Crpito 0 ma orral e.sCrevinliador do matores rusgas nuncaz houve no ida po. cidaddos ordeiros, bem
se fefugiaram e muitoainJa hi t..l artigo, qe diividamos tenha GarIry conw agraqao f compe.etrados de seus deveres,
se aohah hominiados ?'. a cjra rem de ass ir, sob a res- Porventura est.rar esquecido e,muito ao contrarib, constituida.
w -Quot mis contestara que es- fo.a- l TAe.de-ea n'me,a sua que ahi mesmo em Barbalha o par bandidos, e, sublevados, vi-
ses mandaes form co-reos no ..utoria, corn uma sem cerimo- p-oprio chefe actual, que prima vem em desaccordo corn os res-
at-.que d& Lavras, quando 6 pu- nia que attinge As raias d'uma pela calma, pela prudencia e re- pectivos chefes,desautorando-os?
bl.co e notorio e por elles con- audacia inc.lculavel, falla em exio que possue, ja foi victim 0 que seria do Presidente da
fessado qua o Joaquim Vasques non4 do povo, em nome dos po- d'uma torpe conspiragdo e que Republica,si tivesse os ministros
e seus c- ngaceiros se reu.airam lificos dominantes, de Barbalha, alguns conspiradores que foram da guerra e da marinha a frente
em Sao Pedro, a de 1a sahiram, de seu respective chefe politico, em boa hora rechassados, ainda das forgis armadas contra elle ?
e para Ua voltaram h repousar ? chefe este amivro dos que se a- por ahi andam, talvez machinan- 0 que seria d'um Presidente
Quem mais ignorara que esse cham ameagados e inimigo -dos do A socapa ? de Estado tendo contra si os ba-
bandido foi e e por elles protegi- que os ameagam, como se elles, Si a tal cruel liberdade abso- talh6es de policia, por insufla6a-
do, quando o Corsario do chefe tanto como n6s, nao estivessem lata dos poderes locaes vae pas- es de inimigos despeitados ?
do Crato o defended, conferindo- convencidos da realidade da cam- saado, como e porque affirma o 0 que seria do Sr. Antonio
Ihe titulos recommendaveis,que panha movida no Orato pelos escrevinhador que o mando dis- Luiz, tendo, no Orato, cangacei-
nunca os tivera ? mandoes a sombra do Sr Coro- crecionario dos chejes Cariryen- ros de Barbalha, de Missdo-Ve-
Quem mais duvidara da per. nel Behsario que, esquecido de ses vae ser refrefado a bern da lha e Milagrms, fardados pel'
seguiio affrontosa por elles feita que, em rigor, e simplesmente seguranqa do proprio powder cen- governo para ,i policiarem?...
ais demais chefes do Cariry, de- um chefe de municipio, acciden- tral e garantia dos nossos direi- Como viver em paz?
pois da leituta de nossos artigos talmente, porem, na presidencia tos ? E como nao haver guerra ?
a respeito? do estado, por capricho e inte- Liberdade absolute dos pode- o86 teria dois caminhos a se-.
Era nossa conviccao que O resses pessoaes de seus parents, res tocaes e mando discrecionario guir: ou convencido da desmora-
Rebate. estivesse sendo reco- para se vingar, procurr, na au- dos chejes Cariryenses sao uma e lisag o A. si feita,pusillaimemen-
nhecido como um verdadeiro or- sencia do Ex'i? Sr. Dr. Aocioly, mesma cousa ao nosso modo de te coagido renunciar o cargo; on
gao de defesa do povo d'esta revolucionar o Cariry -este po- ver ... nao se conformando com a des-
grande zona. deroso element conservador da Si ja se vae passar.do essa autoria, para revelar dignidade,
Entretanto, quando menos o political democratic de S. Excia. epocha, emquanto o governor dor- reagir na altura de s':as forgas.
esperavamos, deparAmos nas co- pela lealdade voluntariamente me, segundo a ridicule bajula- nao se conformando com humi-
lumnas edictoriaes do KCetama,, demonstrada at6 hoj% toria, como poderd ir ser refrei. lhagno de tal ordem.
de Barbalha, um artigo a Alpaz 0 rabiscador da tal bajulato- ada pelo mesmo governor, agora Si 6 logico assim pensarmos.
ahi vemo! simples bajulatoria aos ria si queria.,e si quer, si podia, despertado, por nao mais querer porque nao admittimos que os
matdes do Crato, ri.icula e in- e si p6de defender os mandnes dnrmir, de accord corn o pensa- chefes devem assim pensar e re-
sultuosa refutagao aos nossos do Crato -do crime politico que mento do falso levita feitor d'aA solver ?
arguments esmagadores. estdo commettendo, devia e de- paz ahi vem!b?.. Porque dizer, como o mara-
Quem nao coahece o mecha- ve provar con, arguments con- Si tal epocha vae-se passando nheiro no Cetama,que O aRe-
niamo das traiq6es preparades; vincentes e logicos como pod~ annunciando os sete annos das bates anda pregando doutrinas
quem nao conhece a existencia uma forga organisada corn c t espigas gordas unicamente por- subversivas?
de sporos politicos esparramados, gaceiros assassinos e desordei- que os actuaes chefes, sern auxi- Porque dizer que 0 Rebates
aqui e alli, A espera do moment ros do Crato ser um element de liode forga public e moralisa- nio content corn os rifles que
opportuno para a gravissima ma- ordem, policiando os demais ml,- da, tem-se mantido, corn altivez realmente o Joaseiro possue,quer
nifestaiao de seus effeitos;quet, nicipios ... e independencia, na altura da tambern o soccorro dos munici
Sfialmente, se nao acha A par JA 6 sobremaecira conhecida confianga depositada pelo gover- pios visinhos ?
I dos precedentes sinistros, taes e por demais charra a humilhan- no, porque este mesmo governor. S6 espiritos desequilibrados
como conferencias e conciliabu- te adulacao, por falsos elogios, -desconhecendo a serenidade e intelligencias incultos como a
los entire vultos allijados de cer- de quem quer subir aos officials da march political -deata zona do auctor d'aA pas akivem!b,
tas localidades que vivem se de policia pelo governor enviadas pela boa orientagAo sustentada, por conveniencia infeliz, poderA
esforcando para "dissimularem em occasiaes takes. promettendo sazonados fructos, ver no moment operado os pr6-
corn riso alvar o extrermado ran- E, ,'uem de tanto 6 capaz, nao --despertado d'um omno mal dromrnos de paz consoladora .. .
cor que nutrem nas trevas do o- comprehendendo, ou nao que- dormido, sonambulescamnente salvo, porem,si sao os pr6d:omos
stracismo; supporA que senme- rendo comprehender que um cf- calumniando-os de mand6es dis- da paz de Warsovia !
ihante artigo A paz akti vem!'- ficial de policia 6 um preposto que creco.oario., quer refreial-os, O Joaseiro para conquistar a


4.,


.. 41k


-- I I II I I I I


ff


-g~L










u'J


ordens d'elle perversamente ex-
ercerem a perseguiVio dos de-
s mais chefes a comecar por Mi-
lagres, Eo character de jornalistas
altivos e independents que nao
r j tememos o ckierdor que mui-
Stos tememn, divulgaremos a noti-
l cia, commentando-n'a com enor-
Smissimo prn-zr e com a rudez
r precisa, a centuando ser ella a
4 verlJaeira, para que o povo d'e-
tiA z na -chefes e subalternos,
Srandes e pequenos se prepa-
rem para reagirem contra a au-
< acia d'esses regulos perversos
a e cov. rides, e no c;so de se aco-
vardarem, plasam dizer, quan-
do chegar-lhes o arrependimen-
to, que 0 aRebates nao os tra-
riu, cumpriu o seu dever, de-
scnvolvendo o seu programma.
S J ninguem ignora que, de ha
Smuito, a geste do Crato se previ-
ne ... e que j4 se acha organisa-
da uma lista dos novos chefes,
cujos nomes publicaremos na
precise occasiao, para substitui-
rem aos actuaes, caso venga o
piano diabolico.
SAo boats alarmantes por
n6s preparadoa; sao fomentag es
d'O altebates pars malquistal-
I os, di em elkes cynicamente, e
do mesmo modo os que com elles
sorriem ao ensaio do m: smo dra-
ma e corn elles hao de apodre
cer na mesma sepultura --o o-
stracismo; mas as provas dare-
mos.
Eil-as, povo! eil-as, chefes do
Cariry por elles condemnados:
1 Si tal bataihio 4 para ser di-
stribuido egualmente pelos mu-
c nicipios d'esta regiAo para o seu
el policiamento, porque ate agora
nio rodsta que nenhum outro
S', chefe,a naoser o do Cratotive.e
communicarlo n'este sedo?
Si 6 para policiar capturar
I cangaceiro esse bata-
lhio v nisado cornm os
-- ceiros Crato, -assas-
sinos e desordeiros?
C Si nao para perseguir os de-
mais chefes, porque pretendem
capturar e perseguir os seus can-
aP gaceiros, conservando os do Sr.
lade Antonio Luiz,eo que4 miis forte,
ffabi fardando-os por conta do esta-
do?
Si nao quer perseguir, porque


to



4








b1

I


disem que Milagres ha de sentir o
peso das cincoenta pracas que
para la irao e das que n ais fo-
rem necessarias, e que o Jms
Ignacio ha de pagar o que hkes
deve ?
Mas, sao tAo ignorantes e to-
los esses mandeu pela estulta
vaidade que tanto os cega que
nern se lembram-que, do mes-
mo modo, que elles miseravel-
mente architectam pianos tAo
sinistros, os demais chefes por
eies ameavados, saberio corn
hombridade espatifar o castello
de area de seus sonos ..
Nem se lembrnm de que a
organisaaIo de tal batalhio no
Crato, municipio, cujo chefe 6 o
maior peccado da political do
Cariry, basta para despertar sus-
peita e desconfianga a todos os
outros chefes ...
E nem pensam que assim pro-
cedendo conflagrarao esta zona
e arriscargo o governor a decep-
goes que se nao podem calcular.
E a maich utopia, d'esses carin-
catas, 4 pelsarem que o Cel. Jo-
ad Ignacio 4 um caugaceiro, um
meravel, sem recurso, nem fa-
a1iia, um covarde, emfim, como
A que, quaodo se veem a-
peipics, coanervam cavallos sel-
lados nos muros para fugirem


U REBATE
- g .- (


T--


;Ao necessaria
Eil-a:-quando, ap6s o just
castigo infringido ao capadocio
lOobulo por Jesus de Alencar
Peixoto que aqui entAo se acha-
va,chegara-nosa noticia de que o
ir. Antoio Luiz, arvorado em


na primeira occasiAo, e que qual-
quer official corn soldados ou
cangaceiros fardados,=rdos de
policia, desmoralisam,espancam,
prendem e matam...
Tiren os ,'cal s de baeta que
usam, arregallem bern os olhos
e vejam o que estio fazendo ...
Si o desmoralisarem e perse-
guirem, segurem os cordeis, que
ninguem os garantira; e si o ma-
tarem, podem ficar certos de que
sua f.milia que 4 grande e de re-
cursos e de brio saberh tambem
mandar matar os 'mandatarios
dentro do Crato ou em qualquer
outro logar ..
Urge, portanto, que o povo e
principalmente esses chefes con-
demnados pelos taes... preparem-
se para reagirem na altura de
seus brios contra tio iniqua af-
fronta, exigindo do governor para
Cesar o que d de Cesar e para
Deus o que d de Dew . .
Urge, portanto, repetimos, ho-
je mais do que nunca, que cada
qual se prepare para veneer si
souber reagir, ou para derrotar-
se,si acovardar-se, porque o mo.-
mento 4 de--
Salve-se quem podr ! !


MILAGROSO ELIXIR

Illm: Sr. Pharmaceutico
Jodo da Silva Silveira

Soffrendo ha longos annos de nice-
ras syphihticas nas pernas e tendo
usadu medicamentos para a, ci-a do
iaal que perseguia-me.- atroznente
sem obter resultaJilgum, recorri
enti a- z- ses'milagruso Elixir de
(ogfueira,Sa.ia, Carobaq Guayaco lo-
darado, Entindo e vendo a Lara ra-
dical cornm menos de 6 vidros.
Prompt eston em mostrar as ci-
catrizes do mal que tanto persegaiu-
me.
Pode Vm. fazer uso desta como
methor Ihe convier a bem dos que
soffrem do mesmo mal.
Bahia 1 de Jnlho de 1903.
Antonio Pereira de Brito
(Firms reconhecida)

Vende-se nas boas pharmacies e
drogari4s desta cidade e nas da ca-
pital e Rio de Janeiro-Fabrica-
Pelotas-Rio Grande do Norte.







Chegando ao nosso conheci-
mento de que o respeitavel ami-
go major Francisco Jose de Brit-
to publicara no eCorreio do Ca-
rirya uma .declarabo necessa-
ria, a respeito das referencias
por n6s feitas a sua digia pessoa
em artigo que publicamnos n'O
aRebate. de 15 do corrente sob
a epigraphe eMaranhas e cila-
dasi, procuramos lel-a.
Lendo-n'a, em attengbo i es-
tima, consideraqao e respeito
quo tributamos ao distinct ami-
go, e tambem ao public, que
na ignorancia do motive que i
isso nos levou, possa support que
n6skaimpotencia de meios de de-
fesa, estamos explorando corn o
nome de cavalheiros respeitave-
is, resolvemosdar uma-explica-


aossa vida; armemo-nos para de
ender a nossa propriedade; -ar-
memo-ncs para defender a Ihonra
ea dignidade de nossas filhas,
ie nossas. mulheres, de nossas
familias.
Armemo-nos! que nio ha mais
ei, nto hi mais justiga, nao ha
mais direito que nos valha, que


delqegdo de police " cr ina-
ra, potr affronta mandar
prendel-o aqui mais par capri-
cho e torpe vinganga que por
obediencia i lei, o venerando a-
migo Padre Cicero, tambem sci-
entificado da mesma nova e tam-
bemrn convencido de que nos man-
tinhamos em attitude reacciona-
ria contra aexecucao affrntosa,
convidara o distinct amigo para
aqui chegar i fim de, pelo seu
real prestigio, conseguir uma ac-
commodaVAo no sentido de nAo
vir forca em diligencia crime,
promettendo conseguir de n6s a
retirada do mesmo Jesus.
0 que se passou nessa confe-
rencia e qual a nossa attitude
bi.m sabe o respeitavel amigo.
Voltando pam o Crato, S.S.
de 1M, teve a gentilesa de escre-
ver uma cart a amistosa ao Pa-
dre Cicero, garantindo estar sa-
tisfeito o seu pedido.
Torna-se desnescessario di-
zer que tao somente para satis-
fazer ao Padre Cicero e i insis-
tencia de alguns amigos foi que
concordamos na retirada do mo-
co, tal o n6jo que tivemos e o
pouco caso que fisemos da decla-
raao bravatosa do Sr. Antonio
Luiz,-de que mandaria prendel-
o em qualquer ponto do term,
si d'elle nao se retirasse, dentro
dos quinze ias determinados pe-
lo mesmo amigo Padre Cicero...
Dias depois, circulaiido mzis
insistenternente que chegaria o
encantado batalhbo de cangacei-
ros no Crato para o tal chefe ex.
ercer as suas vingangas, a come-
gar pelo empastellamento d'O
"Rebate," resolvemos publicar
e distribuir boletins, divulgando
os pianos diabolicos...
Acconteceu que n'esse dia,
que foi o de 4. feira, 11 do cor-
rente, aqui chegou S.S. i pas-
seio conform affirmou e sincera-
mente acreditamos, tal 6 a con.
vicVco que temos da integridade
de seu character, e veio a casa do
Padre Cicero.
Nao nos achavamos presents
n'essa occasiao, nem tao pouco
tivemos a honra de vel-o, o que
muito lamentamos; mas soube-
mosque S.S. e o- Padre Cicero
conversaram e conferenciaram A
respeito.
Retirando-se S.S. da casa do
Padre Cicero, este, sabendo que
iamos publicar rns boletins, im-
mediatamente enviou i ncssa
RedamAo o Sr. Francisco Gaio-
leiro, 4 qual no- dera o seguinte
recado: men padrinho (o Padre
Cicero) mandou dizer a seu Pa-
dre Pexoto que n-o espalhe bo- 2
letins que o major Brito do Cra-
to entdendeu-se corn elle a pazs e-
atdfeita... ao que respondemos:
--jd es'ao espalhados.
E, depo's, entendendo-me
corn o Padre Cicero, este nos af-
firmam que S.S. corn elle se en-
entendera no sentido de accom-
modacao e de paz, disendo-Ihe
e garantindo-lhe que o Sr. Auto-
nio Luiz affirmara e garaistira
que ndo mandaria atacar o Joa.
seiro
Em virtade d'etssa conferencia t
havida, o Padre Cicero fallou, i


Ar.-


1
*


mente, commissao aha que po-
deria ter sido acceita por um a-
cto de generosidade de seu ele.
vado espirito.
A declaralAo do respeitavel
amigo, 6 preciso que o digamos
comn sinseridade, em nada nos
magoou; nem tao pouco modifi.
cou o grau de estima, considera-
ra;Ao e respeito que sempre Ihe
tributamos como amigo que nos
honramos de sel-o.
Apem's reforgou a nosa con-
vicqao de que o chefe do Crato,
para n6s um regulo perverse,
atravez da serenidade promisso-
ra que mantem e faz manter, A
ponto de enganar ao distinct a-
migo e i muitos outros, contin6a
a mover surdamente a traivio
calculad-, se nao preoccupando
corn ideas de paz.
E, porque assim sempre pen-
samos, que, apezar da insisten-
cia do venerando amigo Padre
Cicero ainda por elles illudido e
trahido, para interromper a nos-
sa march, continuamos e conti-
nuaremos a escalar a muralha de
pianos miserdveis, atraz da qual
elle e seus comparsas se acham
covardemente agachados, de co-
coras.
E S. S., o nosso presado ami-
go e Sr. Major Francisco Jos6 de
Britto, como home prudente e
sensato que o e, basta, para se
convencer da veracidade de nos-
sos conceitos emittidos sobre os
sinistros plans por eles archite-
ctados, reflectir sobre o que te-
mos ercripto e formos escreven-
do e comparar corn o que for ac-
contecendo.
Aqui terminando, pedimos ao
illustre amigo desculpas si, por
ventura, ao menos de leve, algu-
ma referencia d'esta explicagao
possa susceptibilisal-o, pois ndo
4 esta a nossa intenlo. e asse-
guramos-lhe cordialmente con-
tinuar como sempre, como admi-
radores que somos dos altos pre-
dicados de seu espirito.
Cumprimos unicamente corn o
dever de jornalistas, justificando-
nos.


o rnaugmnta nieto


Alerta povo do Cariry! que '
o prologo do drama tragico ji I
estA representado -contra Mi-
lagres, sua justifa e seus cl e'es
politicos corn a ordem de appel- e
la;ao que annulle a demarcaiao
das minas do CoxA, prejudique
Os interessadog d'estas minas,
perturbe a paz e mude a face
political de todo o Cariry.
Milagres, o ponto de partida
para todas as operac6es; o dra- c
na. sanguinolento; o scenario, 1
todo o Cariry... .



Alerta! povo do Cariry! aler- t
a! povo do Joaseiro! os que ain-
da nao estamos armados, arme- i
mo-nos I
Os ultimos accontecimentos
aos forgam, obrigam-nos 6 isso.
Armemo-nos para defender a f


I -- : ---_---,----------- -I--~-~-c-,


__


nos garanta.
Armemo-nos para repellirmos
corn energia o inimigo que nos
espreita A todo moment, e i to-
do moment, e A todo instant
esta a tramar, a urdir, a archite-
ctar a nossa ruina.
Armemo-nos !
Os horrores de 1,avras e de
Sao Pedro sao lic;5es tremendas
que nos acabam de dar, forgan-
do-nos, obrigando-nos a armar-
mo-nos.
Armemo-nos, pois!
Nao ha perdermos, urge nao
percamos tempo.
Si, de present, temos tresen-
tos ou mais rifles, dupliquemol-
os, tripliquemol-os, quadruplique-
mol-os!
Braqos robustos e vigorosos
que os manejem ao perigar a nos-
sa liberdade, honra e vida, nao
nos faltam; temol-os de sobejo,
sem precisarmos de ir procural-
os f6ra.
E, aqui, para terminal: per-
guntando-se a Gambetta o que
era precise para salvar a Franga,
este responded sem hesitaigo:-
audacia, mais audacia e muita au
dacia. Assim, Cariryenses, para
salvarmos a nossa vida, a nossa
propriedade, a horra e a digni-
dade de nossas filhas, de nossas
mulheres e de nossas families
ameagadas, e. agora, mais que
nunca, pelos horrores de Lavras
e de Sao Pedro, rifle, mais rifle
e muito rifie.


DE TRIPOLI
Divido & alguns erros que escapa-
ram aos revisores d'esta folha, re-
prodnsimos hoje, em ontra parte, o
escripto que, de Triqoli, nos foi en-
viado pelo Sr. d'Otsuc.



MILAGRES
Declaraie o necessaria para resta-
belecimento da verdade.

Lendo no journal "Rebate" de 22
do corrente, sob a epigraphe "La-
mentavel," a noticia transmettida
d'aquni a Aquella redacqAo de que men
filho Adelino Gomes havia sido esbor-
doado pelo Mor Joaquim Pereira, o
que 6 notoriamente falso, venho res-
tLbelecer, sobre isso, a verdade, pa.
ra vergonha do baixo communicate.
Antes, porem, de o fa.-er, agrade-
;o no men e nos nomes de todos os
nembros de minha famro'. a nota de
pesar que nos den a illu -rada e refe-
rida redacqao
O que se den entire Adelino Gomes
o Major Joaquim Pereira foi ter
este, em moment de excessive ex-
altai0o de embriaguez d'aqnelle, to-
nado-lhe nm pnnhal em cnja ac&o f -
io-se leave e casualmente.
Eis a verdade; eis simplesmente, o
que occorren a respeito, levado a im-
prensa pelo desleal e inconsequeute
ommunicante somente para susce-
tibilisara familiar Gomes,pobre, sem
)recedentes altruistas, mas numerical
honrada, superior aos pobres de es-
irito, que nao se envergonham de
lesfeitas.
O Major Joaqnim Pereira 6 um ho-
nem de bern, manso eincapaz da pra-
ica de takes actos. E', alem disto, pa-
Irinho de Adelino Gomes, sendo a-
nda este casado corn nma sua sobri-
iha legitima affin creada em sua ca-
;a at6 o casamento. E' tao amigo da
amilia Gomes. que outras affinida-
les se projectam entire Aquella e sna
familia.


Como, pois, str possivel a veraci-
dade de tio nogenta qnanto aleivo-
sa communicaqgo0
Segundo pensamos, essa communi-
cag&o parting maliciosamente de nm
individno que tudo deve -o Maor
Joaquim Pereira e a fam-t r ,..
slas e sempre essa, fatalin :., i f
tidbo doe infames.
26 Maio de 1910.
MA4dkl OSwm da ilva.


U'
I-


tarde, ao povo, que ji se prepa.-
rava para nio apanhar, que e-
stava tudo acabado...
Eis porque nos referimos ao e
distinct amigo, considerando-o (
e suppondo-o um enviado de paz, f
attitude alias muito honrosa, si-
nao official, ao menos officioso,
sinao direct ao menos indirecta-


nT .. .... ... .. .








SREBATE ______
IT1 I ... .. .. .. -.
ILL, T I T IS3ID) SIEFHXOR ic rega.1as de fr:ctas doces como oe611e. Nelles lerAs e.cripto em let-i Combinando corn pacien ia frag- Feijao de corda 8
RL-D .CTOR -CHF F D)O e'. tras de ouro, o gra-d_. segred qneu'mento&. de carateres e urn d'estes. de arrancar l 1
REIATE I Sa biurufs, de sedan final e alva te abrira sen portico de bronze.- intevramente escapados a distruigao, Caf6 (rio) arroba I- 50tf
T )E, 'com o Ile'te da man.sa camela, sen Eille, admirado, faSeinado levan-Icheguei coordenal-os na ordemn se- Assucar branch .: 9500
E-ta.o J- ,- ir-i turba-ntA dorado como os raios do tava-se 'mido e exclamiva corn pi-guin-te: Araruta 8.0OO 000 -
E E. U U -" .ra. i ",o, suas babuchas cobertas depre- edosa gratid&o: Allah-"onAkbar! De- --Onselh--ara-nc-tz-r a- Farinha do reilo 00
...rmit.+. U ,r- it ram n,, ci-'sas pedrsrias de reflexos malti- us egraade Anio da -Esperan'a elic-d-de -et-rn--o--as--m Algodio Q 3000o
T,.o Q'.-chegelo o s comn u pio; do arco-ir, to ea sn vet 'r revivets minha f, tenho coian- -nt-Rpdras b rga 19000
t-..!..^ as un-e m n le sna cormpustura den'inciava rique- ea, A t.i me.entrego 1 Assim fail me foi cornmpltar as e < ordinariansf l .<.
iustr f urn e- z eleacia, alt. acimento. E comne SEntretta sen olhar de agnia a.i mos-dadas pelas volts intrica- -Conselhos para encontrar a'- Pho oros groza 98000
n.r d ,!ador que se tra ps. *e p-Iestava profundua nte. velado. 0,das-,de-am labyrinto6 semfAm. seme- a mrna no ea ento. Entao Bacalhan barre 65S000
1r-io i oe Saianio sinitroda tristcza tinha-o fe- alo d'espinhas e rosas.p.rfumadas,lpude exclamar o "eureka de Archi- Aguardete cana *l
0 &' cun o nh c'is crar m narid.) c )m a sua aza nmq1dita. San pen o.bom Arjo 1.' antando-o das quedas. medes, interpretando enclaramente V iho br'anco
,;'. 1eIn i } "'1s:ime.nt A mnaas craciante que a morn-Ben-Nahr, *o coraAAo.acheio do animo.o sentido figurado d'este sonho co- Vinagre tint f
S"" ,n" ": : t" " t errava pesadamente pela ampli- e confian-a deixava astim guiar-se, mo se segne: . Silla .urn me io 7. t
I- .I ,tei pr 1 t, ^ t .- dao .ds esa os. -sem fatiga abindonando-se' aM Anjo A mekhor garantia dh Felicidade Conro de espicha um 8 000
.:it. / ,ri o .( ; l Soe0- --. Qual polria ser o veneno qe-da Eperaia. .. no casamento e a reuniao e. cadal Couro ae bode um 28400. .
i. .'ia ,,t.,-.. :,; a, S i.,'..- i'he Rnimva a.si-m o coraqao? i Por fi m.chegavam a nm magesto-ure dos doi consorted, de tocs as
C.G l, .-aze r1nke (n. --enu hi- Tdiod .es das succediam-se ra-eso e g'antesco edificio cuja base'quatro condioes seguintes, procura-
to-'a e. iia ort1 t. "t -A i .. pidos com:n. o0 fogos do trovio, no era a terra e o tecta-. Q-eo. Tinhaldas na mesma ordem: .
v....leira (I1o do ~ . naf:e- luxo, no confrto, n-i festas, nos"para subir ao sea I-ris'til), q 1itro 1. Bons efirmesprincipios religio- .
S..spt i ai *l0 prazsres. N-da faltava-lhe, fort'ma immensos degraus feitos de ao mas;8so0; eT ArTE DE M.USICA
,- loria, honras.S..na vi era u.ra pa-: temperao -que 6 mais fino de Tole- 2 BMa educaao domstica;.
L,, n- rersv. .r.izo corn as foron'.s: hmis d. ceo do. 3 Amor ao trabalho; ve.i, s "
r "'- n t ,.'.- pla sna "'n- 3Moiom-.1, e entretanto, elle Ao p do primerro, a bella uri 4. Ineinacao reciproca.
'." -e ( ar *'s. a -er a .o.e'- :2i..st-.va Il, aba ido, rendido com o!p!ariva e dizia:-Le e suba; mas A flta d'u n. untdadelhas ra-- .
: Porti--,.... P .s a ri ademnalo oe, por ordem do Ca- saiba que nao poderas entrar no~ra infaivelmente on mads cedo ot .. ,
: de. ara,- .s e e t i.A.1)Os. '1, 1'i, veia de stffrer o splicio da bas-Tenplo da Felicidale. sm passar mais tarde a extincgao total e scerm O 2 T. L. ..
t- r-- qm o. .,-r .se ptrai.:- tm~.al -|do primiro deraun a.o sen1lo,) de- Esperana, da Felicidaace nolar e a LLAO
z7. nin:'a prratiiel e nmens e:ure- Eile soff-riahorrivelmente pois do segundo ao terceiro, emnfimn eternidade. d o registro hpottreario,
,- sa r.rt ,-i un- ranl.-I De reente lev.nt-,ndo-.e, Ben- do terc.iro ao quarto. L'mbra-te, Tudo o reMis, isto fortune, glo- Lucas E_.de Salles o car- '
:^ .'nja r'.--za e eeaneia n-') X-ihr salt s-bre s. n farmoso arabequea sae faltares a esa order, nunca.Iria. belleza, etc. ndo passam de ac- torioe-i a rua do Rosari. "
r- m'j:w m '-eI.o (o:m a u'nuriante,) bebedir d ar. a s!pes finos de a-:entrarfts e abanidonar-te-ei para se-n.1cessorios; pois, tudo ito, on semB
v -etw (Io do Brtz.1 zella e par-tia at )h Arira sin di- pre Se subir t'e acompanharci e au-seguranga, on illusorio, on m pas- BARBALHA-CEARA
Si-.; c,..ent. i i: n a pa .xar-- a eeo e :e:to. idarei atd o li-miar do T-nip1o, abrir.jsageiro. Ao contrario porem, as qua-
Iii.o1i1 e oriental ta. ac1;- A-.i .'i;iu, -a cnte, furand o te-hei a? ports e serAs infinite -tro condi&es enunciadas reunidas, a -

1 a blioteeca dnm sahbi.Lredlo segil-o. ati eiim qu. s- .vadl em grades caracteres bri-a dade Joao Beserra de. Meneses
Sium-n "ki. de repe"nte n,":ha v:s- point? corcel can o,. ". .'lanat-s como osol: primeiro, Rni-I Digne-se, Sr. Redactori-Chefe a- ..
--ta a...i....e n a-o e perga-- Entr~~. ca:in extenuido, abismato. gd o; no segundo, Delicadeza; noaceitar corn meus agradecimentos an- Grtnde liqdidafto de iazendas,
ithov's. ".'na;e! ,'s pl-!o ann'- o o vnine.b ete. en-se e cana.. tereiro Traballio; e no quarto, ticipados, a expressao da minha alta calgados, chapeos, punhos, collari-
-;r:p..,s em 'aractres araes reli-'da vida, daesejoe o descauno daim e-'oor .-................ consideraEo e estima. nhos,- meias, lenaos, suspensorios,
1nas ip,'vavelmente eC.aipa as a.) in-~ t, amortalhado n-.s ondas immens.s Assin termninava o primeiro ca- M. d'Otsuc gravatas, extractos, copos, >ebidas
.- e A xanDr"a. diamnantes das areas do Sahara- pit-lo do pre-ioso manuscripto. o&. -
As ensanchs das fo)lhas, em' par-Lm ,rin-se de Allah, Den, .q" de- Tendo-ma, de ha muitos annos, Tripoli,oito de Abril de 1 10. Todos, pois ,a grande liquidaiao-! .
t., ti:nham s.l corriB-tas pels ra- e o aunos de su. mocida 1 t.Inha- dedicado ao estndo da linguagem fi-1
t e- t5-.s vT i.nos to i.assB1i Pcompletaniut. esqweeido; reo r, re-2 trr-ia em que, nos contos orienta- ____u___ h1a do Padre Cicero N. 5 2 7
.; ina m1las 1 er, e tc'n.:as o ab-sign n-1s, e dunral u. !.s maI tas vezes, a maior e mais pru-- .. d
S!. i Teve umn sonfho. 'd-,,t" -a.--doria se e-conde, procu- B E
palrimi? ero .e: 'i t .. R 1 a:1, q -ma formosa huri M' .,.-areeni- r.i de todos mo los, decifrar a signifi- BO LETIM COMMERCIAL .-
--imalii -i t.Ia. I toa -estida de esmnera-a's, a saphi- caao deste oifiho que simple fan- -Prn- o g e :. a -
'e.i am.... u...a -r e ly" m.ri" dos ce-s ls g irandes oi. 0-o, tasia da immag'na..o na.o poderia Pros dos generous durante a s BORRACHA NO PARA' .
oned ar-r:gel ,osmoik Bcn-Nahr. rosto graioso illnminado pelos etu- ser. o mana find: .-U
et . vio ehiie-iantes da punreza e d- inno-i N-i primuera patina, nem o nome Carne verde kilo 600- JOZE CARVALHO, despondo ad
S.1adzo:, .. .c ncia. Ella, comrn um sorriso infini- do aut r, nern siquer o tituloexistia. sec. a -< .. oqus Smngaes-em Faro, e estand < 8
empioeda 1 e-icida:e. tamente bonds.-o :he dizia:-Son o Teria sido nm indice e podia ser a u de porco ,9600qn, i, e- echt an d
anno (a Lhta estrava b-rrad,) Malik, o Anjo daEsperanna, goaa de- have do enigma. Entao lembrei- << de carneiro << 6 A 0orracha actuamnente :dand-
nn (uda nm homem de nme Ben- di'ado e nirm-e dos quie deaseam ir me que, algumas vezes, nas anti- de bode < $600 bom dinhneiro, colloea quaLquer-
ar (Filho do Fogo), estava com ao Templ da Felicidade ninito e i.imas "as orientaes provae Toucinho < 1 ooo lnumero da pessom i na t- ,r
as races nas maos, senta.o as bodas eterna n.ste mundo e no cntro velmente por capricho (-o escripor-t Farnhna 80 litros 3-oo00nio so de bo'racha, como de cf^' l
t.e num racho dt'a as crstaillnas Cres ei Allah; pois tenha confi-tinha encontradoo -titloposton- a ilho m c s 3000 pahiba o
em: um o:sis, a sombra ua riores- anae sga-me. 2obtrar-t-ei os uaancha d-,e im aa Gomma << << 7 000 -, ...




A VITALICIA PERNAMBUCANA





SOIDADE mUU DE P1IJNgES V1TALIG1AS. -
APPROVADA PUR DECRETO DO GOVERNOR FEDERAL, N? 7638 DE 4 DE NOUVEMBRO DE 1909. "

FUNCCIONA EM TODOS OS ESTADOS DO BRAZIL
CAPITAL INICIAL Rs. 40:0000'000:-CAPITAL. MUTUARIO ATE' 31 DE DEZEMBRO Rs.265:327:000 ,


CA.x:A At-com 55ooo que economnisardes potr aez, fos associaudo I Vitalcia, obtereis, dpois de ho anos 1ef *n

s6es meu5saes atE 2oo ooa, derante a Vida. a *
cAX A. s-o a pequena econMiia dt 2$5oo an da mez, alcaugaris, Ieiis e 5 ansos dio associadoe f 1
talica, pns5ies s eBsaes at 15o$ooo tn quanto Vida tierds. d


O.A.X .A. c -corn $ooo tMensas,l podeeiS. legar IaMa pBsl0o at( 5o$ooo pot rmz 4o u pec io iat al
at Is. 1:ooo$ooo. ela ageffda Geral 6 alttdscal Jos( Andrt
P1gPIBI A VITALICIA: t 0 mietha[r aroam lftlilke. ,. .
SA-VITALICIA: I~ et korhidftl u id. 'f- s- i d.
A VITALICIA: 0 mAtlor aUiot a V110 ie fl orpadadeC a 'l -

SEDE:-RUA BARAO DA VICTORIA N 19-"1 ANDAR RECIFE


-. I





. -_-- -- i i _r-7 ..._ _.,". -


Sr


Ji










I


I


JOASEIRO


CMCItwO SILVA
Vindo re Garaihuns, esta'o de PIr-
nambuco, acha--e estabelecido nesta pra-
ga cim um complete e variado sortimento
ce f.ieadas e mercadorias que vende por
pre-:-o semn competencia, A content mesmo
do nmais exigente freguez.
Umra visit, pois, a LOJA ESTRELLA
de Cineinato Silva, Rua Padre CiL-erc
no. 329.


PHARMACIA CARVALHO
Ha nesta conceituada pharmacia um
variado sortimento de drogas e products
chimicos, especialidades pharmaceuticals
nacionaes e estrangeiras.
Aviam-se receitas a qunalquer hora corn
promptid&o, cuidado e asseio.
Rua Padre Cicero n. 41.


0 BARATEIRO
Manoel Vi-tprino da Silva, cornm dua
lojas bem sortidas de todos os artij.o, d
Commercio,. Rna NJva, n'. 996 e. R
Padre Cicero, n". 2,.
Preios sem competenc'a. ca-to da e. ital


A P OPUl.AR
Loja de facendas e ontros artigos del
commercio, vendas pelo custo no empenho
de apurar o capital empregado.
Sfreguez procure na Runa Nova a cass
no. 955 e na Rua Padre Ci-ero a loja n.
30, que serra rvido A media de sen doe-



DOIS IRMAOS
Loja de fasendas, ferragens, e.estiva,
na Praqa da Liberdade, n. 972. Sinceri-
dade de negocio. modieidade de precos e
affabilidade de freguesia.
Diomedes Siqueira & Irmao.


FUN ILEI RO
Officina complete de todos os artefactos
e utensilios em flandres, com grande sorti-
mento para vendas em groso e a retalho.
Si acharem outro barateiro, n&o ha de
ser tanto como o proprietario Jo&o Aatonio
Furtado.
Pra ada Liberdade no. 978.




LOJA


SAPATARIA
PERSEVERANQA

Esta sapatar:a se encarrega de
qua'qrer trabalho todos em couro e
garante aos seus fregueses obras qu
iao se podem desejar melhores e de
;>rego. raaUaveis.
Irenuc' Cabial de Olive;ra
Rua do Cruzeiro inW 10-5



MERCIARIA
OLIVEIRA & NATIM
0 propr'etario deste acreditadi estabe-
lecimento tendo recentemente chegado da
capital do etado avisa acs sens innumer-
ros freguezes e no public em geral que se
azha camn un c-omleto so-timenta de
mercadc.rias aacionaes, extrangeira-; alqa
dos. meias,para homens e senhoras, suspe: -
sorios, cadeias de aluminium, redomas.
extractos de diversas qualidades, brilhan-
tinas. oleo de baboza para o cabello; bi-
bidas de diversas qualidades, conservas
does, cop:;s d. phantazia, bicos, rendas,
sutaxes gregas. ?tt etc.
"Tul a dinheirja t vista e pir preoes
modicos. 0 PROPRIETARIO
OLIVEIRA & NATIM


Jose LANDIm
Avisa aos sens fregneses que chegon unni
grande sortemerto de Vinho do Port., Mos-
eRtelSaperior, Santo Antonio, Cogrnac.Ver-
-aute, Vinhod, .Ts.Ta. Geromiga. Serr.t de
J nijo. Aguardente de Cajl de Lima e
Canna: Cigarros Tupy,La Morena, Bost(c,;
Como Sho Bons.de Palha' as Quatro Ligas,
Populares- doce Pesqueira=Jos@ Facanha;
Manteiga Bretel, Excellente, Papagaio, Pi-
auhy; Banha de porco em lata.
Tnuo por preVos modieos
RTua P.eCicero n. 62.




Jeronymo Franc'sco de Lima
tern, net-ta localidade, A venda, duas
casas de taipa cobertas de tMlba; nma
sita a Rna de S. Francisco e a outra
na travessa da Rua Nova;pelaprimei-
ra pede200:000;pelasegunda 180:000
A'tratar na RUA DO CRUZEIRO


FARINHA DE
MANDIOCA
Jose Alves da Silva, avisa aos so-
us fregueses e ao public em -geral
que tern em depositol grande quanti-
lade de Farinha de Mandioca de
p-imeira qualidade, e -VENDE A
DINHEIRO- em grosso e a retalho
A preeos BARATISSIMOS.'
RUA DO PADRE CICERO NT 301




Bu OSUMIDo

Grotifico bemrn a quem me entre-
gar cm poldro rosilho que desappa-
recen na serra do Araripe sitio
Queimada Grande, corn a seguinte
marca e fregnesia
Quem [ o encontrar 7
pode en- ". tregar a re-
da, o d'O" Rebate
o em miinha residencia:-
Serra dos Asedos
S Pedro Xavier de Ara ;o


CRA O ECONOMISADOBA BARBALHA
UI1IhU PAULISTA
CAIXA INTERNATIONAL DE PEN-
S()ES VITALICIAS.
Approvada por Deereto Federal, com ATTENC .AO!
deposit de garantia no Thesouro Federal,
SA S A S proportional so capital de penases de mil Faqo saber que tenho exposto a ve:-,
contos de ris. urma propriedade na serra do Araripe lu-
Aluga-se um, a cas ns RKa Larangeirs Registrada na Junta Commercial de gar denominado .Estancia,. corn ariairen-
n. 65, grande, cm bonds commodes para S Paulo. ts ecobertes de trlwis duas casas de 1mo-
nnmerosa familiar, 4 10$5C)0 rs pagamentos Sdde em S. PAULO: RUA S. BENTO, 63 radas ura de telha e ontra de pall.a e
.' trimestre adeantado. (Antigoescriptorioda Companhia Mogyana) se n tarefas d-3 mandioas novas e ve:,)i
-Aluga-se outra casa, na nimsma Rua, n. Filial no Rio:RUA 7 DE SETEMBRO, e urna Matta (d3 .asentas oa tresenla,. t -
118, corn boas proporoe e muito commo- Fil /i( mo R n refas conjuaeto as m-e3mai roas e trte


do, a 15$000 por mez, pagameutos A tri-
mestre adeantado.
A tractar na Rua Grande, sobrado n". 68
corn J. J. T. Marrocos.



NOVA PHARMACIA
Cel. Theophilo A. de -S. Cavaleante.
Tendo mudado a sun Pharnacia da
Travessa da California n" 41 para a rua
DI. Nogneira Aceioly, prodio n". 33, com-
"munica aos seas Am". e freguezes que
continue da mesma form esforsando-e i
para bein servil-os, esperando por issc,
:nerecer a continuacao de suas estimada
orders.
Crato 12 de Janeiro de 1910



ATTENCAO

Casas, S t'o, fasendas de gado
neste munic pio no termo de Sant-
1 Anna do Caiiry A vender.
Jose Rodr:gues Monteiro tendo de
it'rar-seldesta cidade no intuito de
procurar na Europa alivio a-sua
saiude semipre alterada, declara, a
quem ent-ressar, que est5ao exposta.
a venda todas suas casas uesta cidade
e snas fazendas de gado neste muni-
cipio e no termo de Salnt-Anna do
Cariry e mais um sitio no mesmo re-
ferido termo denominado Queima'o.
corn engenho de ferro e casa propria.
casa de vivenda, tudo de ttlita e
segura constru-Eao, corn urnma pequet a
nascenqa e acude de pedra e ca], com
cannavial para dusentas cargas de
rapaduras, possuindo extensas mattas
corn madeira de construaio: outro
sim pede A aquelles dos seus amigos
que tem com o mesmo negocio,
queirao por bondade satisfaser seus
compromissos, nma vez que tern de
ausentar-se per tempo index t rmina-
do e ter de prover-se de recursos snf-
ficientes.

Crate, 26 de Outubro de 19:9

Jos6 Rodrigues Monteiro



0 CRATO
ELEGANT

DE

A. BELEM SOBRINHO
45-RUA DO COMMERCIO-45
CRATO-CEARA'.
Estabe!ezimento deFazendas finals,
Miudezas, Novidades, a.tiges:, de use do-
mestico, Alta fantasia, & & &.
Especialidade em: artigos pars
homes e senhoras; objected para presen-
tes e perfumaria finissimalt
Preos arino osipetidor


1


NTRE GOALVES DIAS E AVE- n) quatro tarefas de Aananz de duis an-
(ETRE GONAL Dou velho t:lo it cea .


NIDA CENTRAL)
l gt uECTrOPtA
PRESIDENTE-Senador Luiz Piza,
Senador Estadoal ex-chefe de Policia e
ex-Secretario da Agricultura, do E. de S.
Paulo.
SECRETARIA-Commendador Leoncio
Gurgel, da firm Silva Seabra & Ce., da
Fabrica de Tecidos S. Bernardo.
GERENTE Dr. Claudio de Sousa, me-
dico -e industrial.
THESOUREIRO-Dr. Gabriel Dias da
Silva, advogado, capitalists, director. da
Companhia Industrial de S. Paulo e da
Companhia de Ponos de Caldas.
Consellho Fisicail
Exmo. Snr. Conde de Prates, Director
do Banco de Sao Paulo-Exmo. Snr. Co-
ronel Fernando Prestes, vice-presidente
do Estado-Bario de Dnprat, director da
Companhia Industrial de Sao Paulo=Dr.
Rodolpho Miranda, proprietario da Fabri-
ca de Teeidos Arethusina, de Piracicaba
e deputado federal-Dr. Jouo Alvez Dima,
medico e proprietario-Pharm. L. Pinto
de Queiroz, da firm, L. Qneiroz & C.
(proprietario da Drogaria Americana e
Fabrica de products chimicos) Dr. Pedro
Pontual e Dr. Victor Godinho capitalists.
A ECONOMISADORA PALISTA e
uma sociedade mutual, coin fiscalisaers do
Governo, cejo fim 6 estabelecer uma REN-
DA VITALICIA mensal, em dinheiro, aos
seus socios. Tem duas caixas, a caixa A
e a caixa B.
Oz secios' da Caixa A pagamrn 5S000 de
joia e 2$500 de mensalidade e t6m direi-
to, no m de 15 rr.ros, a x a n ao que
nio sera maior de 150SC00 por mez.
Os socios da Caixa B, pagam 5$000 de
ioia e 5$000 de mensalidade e tem direi-
to, no fim de 10 annos, a uma pensae que
niao podert exceder de 100$000 por mez.
No easo de fallocer antes de chegar a
receber a pensno, a associahRo pagar. aos
seus herdeiros necessarios todas as con-
tribuicoes que elle tiver feito, erm jurors.
Dando-se o fallecimento depois que o mu-
tuario estiver em goso da pensto, esta fi-
carA extineta, sem que aos seas herdeiros
assista qualquer direito.
A pensAo serA paga so proprio indivi-
duo, on ao seu procurador legal, on por
intermedio de qualquor Banco, quando o
mutuario se achar no extrahgeiro.
0 socio contribuinte em dia, que ficar
impossibilitado de proseguir nas suas en-
tradas, depois de cinco annos do associa-
aeo, em eonsequeneia de molestia chronic.,
e ineuravel, que o inhabilite para o tra-
balho, serA considerado suspense e nao
perderk direito a pensAo.
Os pagamentos antecipados de 1 anno
gozam da reduego de 50 o/o,os pagamentos
de 10 annop, 20 o/o eos pagamentos de I,
annos, 15o/o.
O mutuario que se inscreverur nm m.z
antes do sorteio e tiver a sorte de ser
premiado, pagara apenas pouncs rail riis
terA direito a uma pensao para toda a
sua vida.
Ate dezembro foram sorteadas einco
cardernetas, on seia no period de nove
mezes. A ECONOMISADORA a unies
que faz sorteios de dois em dois mezes e
anm grande sorteio no Natal!
Socios inscriptos de abril de 1906 a
Janeiro 1909:--3400. Nenhuma ontra so-
ciedade obteve tal numero de mocios nos
seus primeiros mezes.
Pedidos de prospeetos, propostas, leader
netas e informagees minuciosas so
Representante no Crato.
Bde5 Sobristho
45-Rna do Commnerciou.4gp,


Quem quizel-as compral-as, procur -
ne na povuajao de (a as2iras. term.. d-
Barbalhu.
Raymunio Moreira da Cruz


0 ( Er Iti
periodic litterio, commercial e notci.ci:.-
da cidade da Barbalhia, publica--e sei.'.a-
nalmente e aesina-ze a r.io do de 650,X pr,
anao adeaLta lo.
>:ua typoii:phiia funeciona na R:aa ;-,
Viddo nw. 97 e imprime coin perfei,;o cmar-
tas, circulares, convites, rotulos, avuLsos e
annuncsio.



DEPURATIVO CANDID 0

preparado pAlo botica:io Manoel Can -lio
das Dores, e e procada e.s:t3:a n is p.-
rigosas affeeqes boabaticas, syphilitic.a,
escrophulosas e darthrosas.
E o grande desalojador dos humores vi-
ciadog e o poderoso eliminador de tj as S.s
doenjas pertinazes que tern sua origezm
na impuresa do sangue.
Unico depesito nai harmacia Jood Can-
dido, na Rua do Video.



PHARMACIA SILVA
de Silvino Jos6 da Silva, na Rua do Co:n-
mercio, n". 8; tem um grande e varihdo
sortimento de drogas, products chimicos
e especialidades pharmaceuticals.
Despacha os receituarios corn medica-
mentos d,, reconhliecida pureza [e garanute
aceio, presteza e moJicidade de preo.



BURRO SUMIDO
Desappareceram de meu sitio n!n
burro cardio e uma burra ca--tan
quazi preta ambos corn esta -mnrea -
e com a segaintie fr-. ezi:



Quem der noticias certas na Redac-
cio d' 0 *Rebate, on vier me entrt-
gir ditos animaes, serA gratiffcado
generosamente.
Barbalha, Sitio Brejao, 10 de No-
ven-bro de 1909
JoAo Demosthenes Fernandes Vieira



MILAGRES



CAVALLO SUMIDO
Urn cavallo carddo rudado, novo, mti-
to bonito, inteiro, chotdo, olhos azues.

Marca i eRibeiraG

Quem o encontrar enttrejar a) Sr. MAa-
jor TJoed Ignacio ao Miw r" r gra
tiS4d. &-


- -' .-- -. 4


'V.


- .o 1 04


S


e, de fazendas mercadorias estivas, fer
gens, chapeus. Tendo recebido do Ce
am eqn pleto sortimento dos artige aei
: ~scionados que slo vendidos por pr
s s emeompeteneia, convida todo o publ
p ~ Pam ft -r nrea visit a dito oestabelecim
to to que so certifiearA do que 6 affirmadc
SVERDADEIBO QUEIMA!
AP4 APROVEITEMI APROVEITEF

Joio Baptista de Oliveira.
SRs Padre Cicero N*. 336





]SaPAtIadeJqiBeserra
a l .a-, dApoa~lio do publco e
a &a e eam gp-e todo e qnlq-
t ts&lbo m eeio eom grade prestes
SAiBade em pre us. Rua do CaP.w
n-> =-.SOL


- 1 arir y -0 REBATE __



,AIM % -





o ^ ^'*"_________1


II

I (







A.


T I


ladeo
,fa b


ra-
ari
ins
By'
icec
.5-
0.


M!


So-
do.
aeR
eire


.4.. ,.~.


-- -_.,_~I_~~~ _~_ _


}


I