Relatorio apresentado pelo Revd. Frei Joao Evangelista de Monte Marciano ao Arcebispado da Bahia sobre Antonio Conselhei...

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Relatorio apresentado pelo Revd. Frei Joao Evangelista de Monte Marciano ao Arcebispado da Bahia sobre Antonio Conselheiro e seu sequito no Arraial de Canudos, 1895
Physical Description:
8 p. ; 23 cm.
Language:
Portuguese
Creator:
Marciano, Joao Evangelista de Monte
Publisher:
Typographia do "Correio de Noticias"
Place of Publication:
Bahia, Brazil
Publication Date:

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
All rights reserved by the source institution.
System ID:
AA00000292:00001

Full Text






'U ,
*^t


oJ 1CI


;tq ';~"
I I.'


~1


.i









ANTONIO CONSELHEIRO


RELATORIO

APRESENTADO PELO

Revd. Frei Joho Evangelista de Montellarciano

AO

ARCEBISPADO DA BAHIA

,SOBRE

Anton-io Con sei hei ro


SEU SEQUITO NO ARRAIAL DOS CANUDOS



LATIN AMERICAN COLLECTION
I~ .ERSITY OF FLORIDA
Gift of
Ralph Della CaB
BAHIA
TYPOGRAPHIA DO CORRLEIO DE NOTICIAS
55- Praca Castro Alves -55
1895











Relatorio apresentado, em 1895, pelo Reverendo Frei Jolo

Evangelista de Monte Marciano, ao Arcehispado da Bahia,

sobre Antonio ((Conselheiro) e sen sequito no arraial

dos Canudos


Exm. e -rv. sr.-Ndio ignore v. ex. rvma.
que o exm. e rvm. sr. arcebispo, i,- \'..!.'i':
da sua viagem para a visit ad l,,,I.a aposko-
lorum, confiou-me a ardua miss i... '1 ir .ao,
povoa do dos Canudos, freguezia d.: .ufl"e,
onde se estabeleceu o individi' ..'-. I.:nlitido
vulgarmente por Antonio Consel.:ir, o, .ih'mi id
procurar pela pregadio da verdade evangelica,
e, appellando para os sentiments da f6 catho-
lica que esse individuo diz professor, cha-
mal-o e a seus infelizes asseclas aos deveres
de catholicos e do cidadaos, que de todo es-
queceram e violam habitualmente comn as pra-
ticas as mais extravagantes e condemnaveis,
offendendo a religiao e perturbando a order
public. Comprehendendo bern as graves dif-
liculdades da tarefa, acceitei-a, como filho da
obediencia e confiado so na misericordia e no
poder infinite d'Aquelle que, para fazer o bern.
serve-se dos mais fracos e humildes instru-
mentos, e nio cessa de querer que os mais
invcterados peccadores se convertam e se
salvem.
Munido, entao, de faculdades e'poderes es-
rpciaes, segui acompanhado de um outro re-
ligioso, frei Caetano de S..Leo; e, hoje, desem-
penhada, como nos foi iossivel a incumbencia
recebida, venho relatar minuciosamente a v.
,x. rvma. o que observamos e qual o resultado
dos nossos esforcos, em parte frustrados. para
que tenha v. ex. rvma. sciencia de tudo, e
providence como for convenient, na quali-
dade de governador do arcebispado.
Principiarei por dizer que, partindo a 26


de abril, s6 a 13 de maio conseguimos entrar
-, l'-.."'. .l dos -Canuado-apesar do- nosso
ienitpnho .-ni tr:unporlt r-r,,' o -mais.-dpr~issA
Ipossil. A- diffiic uldade f i-br l,.-r .- 'u.ni ;5us
e en~,t'lrt' r1q-irlho 6&a. e-Aralla. e',uias co-
nhe'ded4.r's lo'cain tiro; retarddarnm viagem,
ornr,:nilnd-ns.s a" ima demora de muitos dias
no Cumbe, que ainda flea a 18 leguas dos
Canudos.
Ainda tao distantes, ji deparavamos os pre-
nuncios da insubordinacao e anarchia de que
iamos ser testemunhas, e que se fazem sentir
por muitas leguas em derredor do referido
povoado.
Tres leguas antes de chegar ao Cumbe avis-'
tamos um numeroso grupo de homes, mu-
Iheres e meninos quasi nois, agglomerados em
torno de fogueiras, e, acercando-nos delles,
os saudamos, perguntando-lhes eu-si era
aquella a estrada que conduzia ao Cumbe.
Seu primeiro movimento foi lanpar mao de
espingardas e faces que tinham de lado, e
juntarem-se todos em attitude aggressive. Pen-
samos accalmal-os, disse-lhes que eramos dois
missionaries que s~o tinham perdido na es-
trada e queriam saber se era'longe a freguezia.
Responderam : naIo sabemos; perguntem alli,,
e apontaram umra casa visinha.
Era uma guard avancada do Antonio Con-
selheiro, essa gente que haviamos encontrado.
Annunciada no Cumbe, a missa conventual
do domingo 5 de maio, a missao que, iamos
dar nos Canudos, nao foi para os habitante6







- 4 -


desse povoado uma surpreza a nossa chegada
no dia 13 is 10 horas da manha.
A fazenda Canudos dista duas leguas do
Riacho das Pedras; no lado opposto A serra
geral. A' uma legua do distancia o terreno 6 in-
culto, por6m optimo para a creacio miuda,
principalmente nas cheias do rio Vasa-Barris.
Umn kilometro adiante descobre-seuma vasta
planicio muito fertil;.iegada pelo rio, na baixa
e um monte, de cuja'eminencia ja se avistam
casa antiga da fazenda Canudos, a capella
edilicadaporAntonio Conselheiro, e as miser-
rimas habitac6es dos sous fanalisados disci-
pulos.
Passado o rio, logo se encontram essas ca-
sinholas toscas, construidas de barro e cobertas
de palha, de porta, sem janella, e nio arrua-
das. 0 interior 6 iminundo, e os moradores,
que, quasi nis, sahiam f6ra a olhar-nos, attes-
tavam no aspect esqualido e quasi cad~ve-
rico as privacoes de today a especie, que cur-
liam. Vimos depois a prapa, do cxtensdo regular,
ladeada de cerca de doze casas de telha, e nas
extremidades, em frento unia a outra, a capella
e a casa de residencia de Antonio Conselheiro
A' porta da capella e cm varies pontos da
pra.a apinhavam-se perto de mil homes ar-
mados de bacamarte, garrucha, facao, etc.,
dando aos Canudos a secnelh;uIa ile uIIa prlan
( :9,; oun.-melhor d'ua .naepamp leto de,

Ra(n, enlrs Pami ai r, i.b n.bhli.^ di]:eazui.lo,
gorro. azul a eabega :-alpeitatas nos p6s. (,ar
inquieto e o olhar ao'mesmo tempo -indage*oi'-
e sinistro denunciavam consciencias portur-
badas e inteny6es hostis.
Alojamo-nos numa casa de propriedade do
revm. vigario do Cumbe, que nos acompanhava
e alli nao havia voltado desde qcue a cerca de
um anno soffrera grande desacato. Logo, ap6s
a nossa chegada, no docurso apenas de duas
horas pude ver o seguinte, quo da a media
do abandon e dosgraga em que vive aquella
gente: passaram a enterrar oito eadaveres.
conduzidos por homes armados, sem o mi-
nimo signal religioso. Ouvi tambom quo isso e
umespectaculo do todos os dias e que a morta-
lidade nunca 6 inferior, devido as molestias
contrahidas pola extrema falta de asscio e pe-
nuria de meios de vida, quo di lugar at6 a
morrerem i fome.
Befeitos um pouco da nossa ponosa viagem,
dirigimo-nos para a capella onde se achava
entao Antonio Conselheiro, assistindo aos tra-
allhos de construccao; mal nos perceberam,
os magotes de homes armados cerraram fi
leiras into i port da capolla, e ao passar
mos, disseram todos: "Louvado seja Nosso Sc-
nhor Jesus Christo, saudagao frequent e com-
inum. que s6 recusain em rompimcento de
hostilidades. Entrando, achamo-nos em pre-


senga de Antonio.tonselheiro, que saudou-nos
do mesmo modo.'
Vestia tunica do azulao, tinha a cabeca des-
coborta e empunhava um bordao: os cabellos
crescidos, sem nenhum trato, a cahirem sobre
os hombros: as hirsutas barbas grisalhas, mais
para brancas; os olhos funds, raras vezes le-
vantados para fitar alguem, o rosto comprido,
e de uma pallidez quasi eadaverica; b, porte
grave e ar penitente, davam-lhe ao todo uma
apparencia que nao pouco teria contribuido
para enganar e attrahir o povo simple e igno-
rante dos nossos sertdes.
As primeiras palavras que trocamos versa-
ram sobre as obras que se construiam, o ello
convidou-nos a examinal-as, guiando-ios a
todas as divisoes do edificio.
Chogados ao c6ro, aproveitci a occasiao 'ti
estarmos quasi s6s, o disse-lhe que o fim a que
eu iaera todo de paz, e quo assim muito cs-
tranhava so enxergar alli homes armados, e
nao podia deixar do condemniar quo se rcu-
nissem nuin logar tio pobre tantas families,
cutrogues a ociosidade e num abandon o mi-
seria taos, que diariamente se davan de 8 a 9
obitos.
l'Pomisso, do ordem e em nome do sr. arce-
bispo, ia abrir uma santa missao, e aconsellar
u puvu a dispersar-se e a voltar aos lares e ao
tr-al .i no interesse de cada um c para. !

. i ir. .' In. iLb.. .ii

I -j, J l i I l. i 1.II .. l I N V. qp -
rernos acompanhar o nosso Conselheiro,. Este os
fez calar, e voltando-se para mim, disse: aE'
para minha defeza que tenho commigo estos
honlens armados, porque v. revm. ha de saber
que a policia atacou-me o quiz malar-ine no
logar chamado Macete, onde houvo mortes de
um e de outro lade.
No tempo damonarchia doixei-mi prender,
porque roconhecia o governor; hoje nLao, por-
que nao reconhego a Republican.
,,Senhor, repliquei eu, se 6 catholico, deve
considerar que a egreja condemn asrevoltas,
e, aceitando todas as formnas de governor, on-
sina que os poderes constituidos regent os
povos, em nome de Deus.
E' assim em toda a part: a Fraima, quee'
uma das principals nat6es da Europafoi n -
narchia por muitos seculos, mas ha mais (o
20 annos 6 Republica; e todo o povo, sern i-
ceplao dos monarchistas do 1i, obedece is au-
loridadcs e is leis do governor.
N6s mesmos aqui no Brazil, aprincipiar do
bispos at6 o ultimo catholico, rcconhcclmos
governor actual; s6mente v6s nao vos queroj
sujoitar?
E' miu pensar esse, 6 ulna doutrina errada a
vossa".


\









Interrompeu-me um dos da turba, gritando
cor arrogancia: aV. revm. 6 que tem uma dou-
trina falsa, e nao o nosso Conselheiro,,. D'esta
vez ainda o velho impoz silencio, e por unica
resposta me disse:
aEu, nao desarmoa minha gente, mas tambem
nao estorvo a santa mission. Ndo insistino as-
sumpto, c acomnpanhados da multidao, sahimos
todos, indo escolher o logar para a latada e
providenciar para que no diaseguinte princi-
piassem os exercicios..
Feito isso,'o quandg, me retirava, os fana
ticos lovantaram estroidosos vivas a Santissima
Trindade, ao Born Jesus, ao Divino Espirito
Santo e ao Antonio Conselheiro.
Missionando em varias freguezias visinhas,
en havia ja colhido. inforrnai.es sobre Antonio
Conselheiro e seus principles sectarios; mas.
estando entro elles, quiz antes de dar principio
a i inha prcgac~o, averiguar o quo realmente
clles eram e o que faziam.
Do quo vi e uvi apurei o que passe a re-
gistrar, para quo so aprecic melhor o occorrido.
Antonio Conselheiro, cujo nome do familiar e
'Antonio Vicente Mendes Maciel, coarense, de
Srdrbranca tostada ao sol, magro, alto de esta-
S tura, tern cerca de 65 annos e pouco-vigor
ph/ i)ysico, parecRndl slrrobrralguma aflfcego or-
ganica, por'frequenlts e violentos accessos de
tosse a que 6 sujeito.
Corn urna certa repultaco de austeridade de
cosLuimI s; elivolvei-nllo 'taInheOn, e concorren
para alimentar a curiosidado do quo d alvo e o
prestigio que exerce, uinas vagas, mas insisten-
tes snpposicGes da cxpiacao rigorosa do urn
crime, comtunettido, alids, em circulmstancia at-
tenuanites.
Ninguie pode falar-lhe a s6s, porque seus
protorianos nio deixam, ou receiando pela
vida do clefo, ou para nao lhes escapar ne-
nlhuin de sels movinmernos e resolucOes.
Antonio Conselheiro, inoulcando zelo reli-
gioso, discipline e ortliodoxia catholica, nao
tern nada disso; pois contest o ensino, trans-
gride as leis e desconheee as autoridades ec-
clesiasticas, senipre que de algumn modo Ihe
coinrarialn as iddas, on os caprichos; e arras-
tando por esso caniniho os seus- inflizes sequa-
zes, consent ainda que olles lhl prostem ho-
uninagens que iniporlam uml cullo, e propalem
cm sen nome iloutrinas subversivas da ordem,
da moral e da fd.
Os alliciadores da seita so ocenpamn em ppr-
.uadir o povo do q(ue todo aqucll' quo quizer
se salvar precise vir para os Canudos, porque
nos outros logares tudo esti contaimuinado e per-
dido pela lpubliia: alli, porem, n0e16 precise
tralhilhar; 6 a terra da promissao, onde corre
um rio de leiti, c sio de cuscuz do'mrillo os bar-
rain os.
Quoin liver bens, disponha delles e enlregue


o product da venda ao born Conselheiro, nao
reservando para si mais do que um vintem em
cada com mil rels. So possuir ihagens, traga-as
para o santuario commum.
0 que seguir isto a risea, terms direito a ves-
tuario e ragdo; e contam-se em takes condig6es
para mais de 800 homes e 200 mulheres no
sequito do conhecido fanatic.
As mullieros se occupam em preparar a co-
mida, coser e enfeitar os gorros de que usam
os homes; e a noite vao cantar Bemdito&ipa
latada, accondendo foguciras quando 6 tempo
de frio.
Os homes estao sompre armados, e dia e
noite,montam guard a Antonio Conselheiro; pa-
recem idolatral-o e cada vez que elle transpoe o
limiar dacasa em que mora 6 logo recebido
com ruidosas acclama6oes e vivas a Santissima
Trindade, ao Bonm Jesus e ao Divino Espirito
Santo.
Entre essaturba desorientada, ha varies cri-
minosos, segundo me affirmaram, citando-se
ate os nomes, alguns dos quaes eu revive, como
o de J.: .\lbl.-o1. ;quoe alli chamado o chefe do
povd, natural do Tucano, e rCo de dous homi-
cidios, e o de Jose Venancio, a quer attrilbuom
dezoito mortes.
0 santo home focha os os lhos a estas tra-
vessuras e acolhe ,,.-prn-iwi,,.
venha a perder a |lii;rtioah, .i;.ii: ..- .. .:
Quanto a deverd -vi.aitiiqas orit; in ,a Ait
tonio.Consellhe,. nj i,.I 1 r,, I ,'Jl i n t'i ,iiir-
abo sacerdotal, ni.v liii,,- i- . 1 I inllli- II
exernplo de Ipr,,iriir -,? don s3.or.f[l' ilIs.
fazendo crr coin isto que nao carece drlles,
pem do ministerio dos padres; e as eeremonias
do culto a que preside, e quo se repetem mais
a miude entire os seus, sao mescladas de signaes
de superstitio e idolatria, como 6, por exemplo,
o chamado Beija das imagens, a que procedoem
cor profundas prostracoes e culto egual a todas,
sem distineicco entire as do Divino Crucificado,
e da Santissima Virgem e quaesquer outras.
Antonio Conselhetro costuma rounir em certos
dias o son povo, para dar-lhe conselhos, que se
resentemn sempre do son fanatismo em assumpto
de religiao e da sua formal opposiicao ao actual
regimen politico; mas, on para mostrar defe-
rencia corn o missionario, ou por ter meios de
dar iustrticgoes secrets, absteve-se de falar em
publi'cq, cmquanto ou la estive.
Abri a mnissdo a 14 do maio, e ja nesse dia
concorreram nio menos de quatro mil pessoas:
dos liOUnens, todo s s quo podiarn manojar uma
arma ,li estavam, rarregando bacamartes, gar-
ruiehas, espipnardias. pistolas e faces; de
carltucheira a cinta e gorro a cabeca, na atli-
tude, de qu(jio vae a guerra. 0 Conselheiro
tainl jm veio, trazendo o bordao: collocava-se
ao lado do altar, e ouvia attento e impassivel;
inas, como quem fiscalisa, e deixando escapar
algunma vez gestos de dosapprovaaFo, que os







-6-


maioraes da grei confirmavam cor incisivos
protests. Succqdeu islo de um modo mais no-
tavel, certa occasiao em que explicava o que
era e como devia fazer-se o jejum, ponderando
que elle tinha pop fim a mortificaao do corpo
e o refreiamento das paixoes pela sobriedade
e templeran.a, mas nao o aniquilamento das
forgas por uma longa e rigorosa privacao de
alimentos, e que, por isso, a egreja para faci-
litar dispensava em muitos dias de jejum a
abstineneia, e nunca prohibit o uso dos li
quidos em moderada quantidade. Ouvindo q.ue
se podia jejuar muitas vezes comendo earne ao
jantar, e tomando pela manhan uma chavena
de caf6: o Conselheiro estendeu o labio inferior
e sacudiu negativamente a cabeca, e os seus
principals asseclas romperam logo em apartes,
exclamando corn emphase um dentre elles:
aOra, isto ndo 6 jejum, 6 comer a fartar,.
Fdra essas ligeiras interrup6es, a mission
correu empaz atd o quarto dia,em que eu preguei
sobre o dever da obediencia a autoridade, e
fiz ver que, sendo a Republica governor consti-
tuido no Brazil, todos, os cidadaos, inclusive os
que tivessem conviccqes contrarias, deviam re-
conhecel-o e respeital-o. Observ que neste sen-
tido ja se pronunciara o Summo Pontifice, re-
commendando a concordia dos catholicos brazi-
leiros comr o poler civil; e qonclui, declarando
Iqu( M ,, p1',:i-i"lisei or 'edecei e iiustilisar
uni c',vo'Jrn.. li L pl il.. ileiro quasi na sua
Il..i.iliilain an,:r. a in nl fizessern da religiao
xto on cp -' '; e caprichos, por-
que a egreja i alhoTiih''a'l"., c nem sera nunca
solidaria cor instruments de paixdes e interes-
ses particulares ou com perturbadores da ordem
public.
Estas minhas palavras irritaram o animo de
muitos, e desde logo comeearam a fazer pro-
paganda contra a missao e os missionaries,
arredando o povo de vir assistir a pregacio de
um padre macon, protestante e republic'ano, e
dirigindo-me, quando passavam e ati ao pd do
pulpito, ameacas de castigo e atW de more. Es-
palharam que eu era emissario do governor e
que, de intelligencia corn este, ia abrir cami-
nho a tropa que viria de surpresa prender o
Conselheiro e-exterminar a todos elles. E, pas-
sando de palavras a factos, 'occuparam corn
gcnte armada todas as estradas do povoado,
pondo-o em estado de sitio,de modo a nao powder
ninguem entrar nem sahir sem sor antes reco-
nhecido, como o fizeram ao proprio vigario da
freguezia, detendo-o a bocca da estrada, quando
as 7 horas da noite, tendo. se ausentado por
just motivo, regressava para os.Canudos.
Roguei a Deus que amparasse a minha fra-
queza, e, sem me afastar da calma e da mode-
ragao corn que deve falar um missionario ca-
tholico, em um dos dias seguintes occupei-me
do homicidio, o, depois de considerar a mali-
cia enorme e a irreparabilidade deste crime,


entrei a mostrar que nao eram homicides s6
os que serviam-se do ferro ou do veneno para
de emboscada ou de frente arrancar a vida aos
seus semelhantes; que tambem o eram, at6 cer-
to ponto, aquelles que arrastavam outros a
aeompanhal-os em seus erros e desatinos, dei-
xando-os depois morrer, dizimados pelas mo-
lestias, a mingua de recursos e at6 do pao,
como acontecia alli mesmo; e, entao, pergun-
tei-lhes quem eram os responsaveis pela more
e pelo fim miseravel de yelhos, mulheres e cre-
angas que diariamente p reciam naquelle po-
voado em extrema penuria e abandon. Sahiu
dentre a multiddo uma voz lamuriosa dizendo
assim: aE' o Bomn Jesus que os manda para o

Exasperava-os a franqueza e a energia, cor
que o missionario Ihes consurava os mdusfei-
tos, e nao perdiam occasiao de rugir contra
elle, mas nao se animavam a p6r-lhe maos
violentas, porque havia mais de seis mil pes-
soas assistindo a missao, e a m6r parte era
gentle de f6ra que s6 a isto viera e reagiria
certamente se elles me tocassem.
Limitaram-se a injuries, acenos e ditos ame-
acadores, at6 o dia 20 de maio, setimo da
missao, em que ja nao se contiveram nessas
manifestac6es isoladas e organisaram um pro-
testo geral e estrepitoso do grupo arregimen-
tado. Desde as 11 horms da manhan, Joo Ab-
bade, chamado o chefe do povo, foi visto a
percorrer a pra.a .apitando impjeiinte, Som o
a chamar -a soldadesca a postos contra-alguma
aggressao inimiga, e a gene foi se reunindo,
ate que ao meio dia estava a Praca eoalhada
de honmens armados, mulheres e meninos que,
a queimar foguetes, e corn uma algazarra infer-
nal, dirigiram-se para a capella, erguendo vivas
ao Born Jesus, ao Divino Espirito Santo e a An-
tonio Conselheiro, e de Id vieram atd nossa
casa, dando f6ras aos republwanos, mafons e
protestantes, e gritando que nao precisavam de
padres para se salvar, porque tinham o seu
Conselheiro.
Nessa desatinada passeiata, andaram acima
e abaixo pelo espaco de duas horas, disper-
sando-se final, sem irem al6m. A' tarde, verbe-
rando a cogucira e insensatez dos que, assim
haviam procedido, mostrei que tinha sido
aquillo um desacato sacrilego a religiao e ao
sagrado character sacerdotal, e que, portanto,
punha term a santa missao, e, como outr'ora
os apostolos as portas das cidades que os rc-
pelliam, eu sacudia alli mesmo o p6 das san-
dalias, o retirava-me, annunciando-lhes que se
a tempo nao abrissem os olhos a luz da ver-
dade, sentiriam um dia o peso esmagador da
Justiga Divina, A qual nao escapam os que in-
sultam os enviados do Senhor e despresam os
meios de salvaabo. E os doixei, nao voltando
mais a latada, nem me prestando a exerler o
meu ministerio em logar ou acto public.






-7-


,A suspensao repentina da santa misgo' pro-
luziu nos circumstances o effeito de um raio,
)leixando-os attonitos e impressionados; os que
lainda nao se haviam alistado na companhia do
jom Jesus, que nao recebiam do Conselheiro
a comida e a roupa, .e nao dependiam delle
portanto, deram-me plena razao, e, reprovando
formalmente os desvarios de lal gente, come-
caram a sabir do povoado, ja queixosos e com-
pletamente desilludidos dasvirtudes do Antonon
uConselheiro.
Os outros, conheeendo-se em grande mino-
ria, e avaliando que essa retiradaem massa re-
dundaria em notorio descreditoldelles,enviavam-
me as pressas uma commissao, em que entra-
ram os mais exaltados, e que veiu pedir-me
emnome do Autonio Conselheiro a continuacao
da missao, allegando que no, deviam soffrer
os innocentes pelos culpados, e IhBe assim fica-
ria o povo privado do Sacramento do Chrisma
e de outros beneficios espirituaes que s6 no
fim da missao se lucravam. Descobrindo-lhes ao
.mesmo tempo a manha e a fraqueza, resisti aos
ipedidos, e deixei que o men ato, mais feliz do
nue as minhas palavras, acabasse de opera a
disper so daquellas multidocs, presa imminent
do fanatismo de urn insensato, servido pbr
imbecis ou explorado por perversos.
Haviam-se feito ja, quando encerrei de cho-
fie os trabalhos da missao, 55 casamentos de
amancebados, 102 baptisados, e mais de 400
confiss6es.
No dia em que deviamos partir, fui pela
manhan chamado para uma confissao de enfermo
e acudi sem hesitarao, seguindo uns homes
armados que tinham vindo chamar-me a esse
fim. Chegado a casa, interroguei o doente se
queria confessar-se, e, respondendo que sim,
pedi aos taes homes armados que sahissem
para nao ouvir a confissao. Elles nao se mo-
veram, e um perfilou-se e bradou ,custe o que
custar, nao sahimos.))
Observei, entgo, ao doente que nem eu po-
dia ouvir a confissao, nem elle estava obri-
gado a fazel-a em takes circumstancias; e im-
mediatamente retirei-me, protestando em voz
alta, da porta da casa e na rua, contra aquella
affrontosa violagao das leis da religiao e da
earidade.
Redobrou entao a furia daquelles desvaira-
dos, e, vomitando insultos, impreca6es e ju-
ras de vinganga, tomaram a entrada da casa
em que eu me hospedara e onde ja me achava.
A minha missao terminara: a seita havia le-
vado o maior golpe que eu podia descarregar-
Ihe, e conservar-me por mais tempo no meio
daquella gente on sahir-lies ainda ao encontro,
seria rematada imprudencia sem a minima
utilidade. Os companheiros de viagem espera-
vam-nos com os animals arreiados nos funds
da casa: dando costas aos miseros provoca-
dores, de lI mesmo seguimos, e, galgando a


estrada, ao olhar pela ultima vez o povoado,
condoido da sua triste situacIo, como o Divino
Mestre diante de Jerusal6m, eu senti um aperto
n'alma e pareceo-me poder tambem dizer-lhe:
, da paz, repelliste a visit da salvagao; mas ahi
v'm tempos em que forgas irresistiveis te sitia-
rjo, brago poderoso te derrubara, e arrazando
as tuas trincheiras, desarmando os teos esbir-
ros, dissolvera a seita impostora e maligna
que te reduzio a seo jugo, odioso e aviltante).
Hoje, long dessa infeliz localidade, e po-
dendo informar sem resentimento e 'com today
a exactidao ejustica, eu recapitularei o exposto,
dizendo o seguinte:
A missao de que fui encarregado, alem da
vantage de apprehender e denunciar a im-
postura e perversidade da seita fanatic no
proprio centro de suas operac6es, teve ainda
um benefico effeito, que foi o de arrancar-lhe
innumeras prezas, desenganando a uns das vir-
tudes suppostas e premunindo outros contra
as doutrinaeras pr abusivas e reprovadas de
Antonio Conselheiro e de seus fanaticos discipu-
los. Descreram delle e felizmente ja abandona-
ram multidoes consideraveis de povo que,
regressando a suas terras, maldiz da hora em
que os seguiu, e vai resgatar o seo erro pela
obediencia as legitimas autoridades e pelo tra-
balho.
Onde nao chegarem as vozol dos que colhN-
ram tao amarga experiencia, faga-se ouvir a
palavra autorisada dos pastors 4as almsZe-"
nunciando o character abominavel e a influencia
malefica da seita, e ella de certo nao lograra
fazer novos proselytos.
Entretanto, comprazendo-me em consignar
que s6 si conservam actualmente ao lado do
onselheiro aquelles que ja estavam encorpo-
rados na legiao por elles intitulada Companhia
do Born Jesus, no interesse da ordem public
e pelo respeito devido d lei, garanto a inteira
veracidade do que inform e accreseento:
A seita politico-religiosa, estabelecida e in-
trincheirada nos Canudos, nao e s6 umrn foco
de superstica o e fanatismo e um pcqueno
schisma na egreja bahiana;6,principaluiente,um
nucleo, na apparencia despresive,nas um tanto
perigoso e funesto de ousada resistencia e
hostilidade ao governor constituido no paiz.
Encarados o arrojo das pretencoes e a sobe-
rania dos factos, pode-se dizer que 6 aquillo
um estado no Estado: alli nao sao acceitas
as lois, nas sao reconhecidas as autoridades,
nao 6 admittido a circulagdo o proprio di-
nheiro da Republica.
Antonio Conselheiro conta a seu servigo
mais de mil companheiros decididos: entire
estes os homes, em numero talvez de oitocen-
tos, sempre armados, e as mulheres e creangas
dispostas de mode a formarem uma reserve







-8 -


que elle mobilisa e pOe em p6 de guerra, quan-
do julga precise.
Quem foi alistado na Companhia difficil-
mente podert libertar-se e vem a soffrer vio-
lencias, se fizer qualquer reclamaaio, como
suecedeu durante a minha estada a um pobre
coitado que, por exigir a restituicgo das ima-
gens quo havia trazido, foi posto em prison.
A milicia fanatica s6 da entrada no povoa-
do a quern born lhe apraz; aos amigos do go-
verno on republicans conhecidos ou suspeitos,
ella faz logo retroceder ou tolera quo entrem,
mas trazendo-os em vista e prompta a expul-
sal-os; quanto aos indifferentes e que nio se
decide a entrar na seita, esses podem viver
alli, e tmi liberdade para se occupar de seus
interesses, mas correndo grande rises, e
entire elles o do serem algum dia inesperada-
mente saqueados os sens bens em proveito da
Santa Companhia: sorte esta pouco invejavel,
que ainda recentemente, coube a um certo no-
goeiante que la se estabelccera, vindo da cidade
do Bomfim.
Naquella infeliz localidade, portanto, nao
ter imperio a lei, e as liberdades publicas es-
tao grosseiramente coarctadas.
0 desaggravo da religiao, o bem social e a
dignidade do poder civil pedem umra provi-


deneia que restabelega no povoado dos Canui
dos o prestigio da lei, as* garantias do cult(
catholico e os nossos fdros de povo civilisadc,
Aquella situalIo deploravel de fanatismo e de
anarchiadeve cesgarpara honra do povo brazi-
leiroparao qual 6 triste e humilhante que,,ainda
na mais inculta nesga da terra patria, o senti-
mento religioso desca a takes aberraCdes e o
partidarismo politico desvaire em tao eslilta e
baixa reacCao.
Releve-me v. ex. revma. a rudeza das con-
sideracees que expendi e a prolixidade desta
exposiedo, cujo intuito 6 mostrar o quanto-es-
forcou-se o humilde missionario por desem-
penhar a tarefa que lhe foi confiada, e intei-
rar a v. ex. revma. do quanto occorreu por essa
occasiao e da attitude rebelde e bellicosa que
Antonio Conselheiro e os seus sequazes.assu-
miram e marina m contra a egreja e o Estado;
afim de que, djndo as informacoes prestadas
o valor que merecerem, delibere v. ex. revmia.
sobre o caso, como em seu alto criterio e reco-
nhecido zelo julgar convenient.
Deus guard a v. ex. revnia.
Exmo. e revm. sr. conego Clarindo de Souza
Aranha, digno governador do arcebispado da
Ba'hia. Frei Joio Evangelista de Monte oMr-
ciano, missionario apostolico capuchinho.,











,,.




A
;'7A




Ilk;
rp








Ar' 7.t










441
4 -rAF1r nl ~?~U r Ai





















10--
r:



ki



















A2 V,, 2



A
;A46
'A .~. .,'~ r~I -~Ul n~L.al










A.9 'Al'
A' ~4jt "


-hw ~. .2 A A.rrw u